Ensino de ideologia de gênero nas escolas começa a ser discutido em Goiânia

Projeto, que será debatido na Câmara Municipal, é centrado na ideia de que gênero sexual é uma construção social, e as escolas devem educar crianças de forma neutra

Foto: Marcelo do Vale/ Câmara Municipal de Goiânia

Texto foi barrado no Plano Nacional da Educação e agora é apreciado individualmente nas câmaras municipais | Foto: Marcelo do Vale/ Câmara Municipal de Goiânia

Após o trecho que trata do ensino da ideologia de gênero nas escolas brasileiras ter sido barrado na Câmara dos Deputados, quando foi votado o Plano Nacional de Educação (PNE) — no primeiro semestre do ano passado –, a discussão passa, agora, para a esfera do Legislativo municipal. Nesta terça-feira (9/6), na Cúria Metropolitana, o projeto foi discutido por entes da Igreja Católica e figuras políticas, como a vereadora Cristina Lopes (PSDB).

De acordo com tucana, o projeto tem que ser votado até o dia 24, e deve ser lido na Câmara Municipal de Goiânia já na próxima quarta-feira (10). A vereadora explicou que foi à reunião esperando um debate sobre o Estatuto da Família, e se deparou com outro assunto.

A ideologia de gênero trata sobre ensino nas escolas a cerca de gênero e orientação sexual. Esta linha de pensamento acredita que os gêneros sexuais são construções culturais, sociais, mas não biológicas. Desta forma, as crianças devem ter a possibilidade de formar o próprio gênero no futuro, sendo educadas de forma neutra.

“São diretrizes do PNE a superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da igualdade racial, regional, de gênero e de orientação sexual”, dizia o trecho que foi barrado pelos deputados. Entretanto, o texto original, que fala apenas em “erradicação de todas as formas de discriminação”, foi retomado.

A vereadora Cristina Lopes garante que não está completamente a par da ideia da ideologia de gênero, mas pelo que foi falado, se coloca completamente contra. “Achei a teoria completamente absurda. Quero ouvir as pessoas que trabalham com Educação infantil para ver outros posicionamentos além do da Igreja, que já se colocou contra um projeto do tipo”, disse.

10 respostas para “Ensino de ideologia de gênero nas escolas começa a ser discutido em Goiânia”

  1. Avatar Epaminondas disse:

    Acho que a melhor maneira de se combater o preconceito é com aulas de português, matemática e ciências.

    Mas no Brasil, atolam a grade e sufocam o básico que a escola deveria ensinar para que o indivíduo torna-se apto a desenvolver pensamento crítico. Para atender um sem número de agendas, transformam a grade escolar numa avalanche de matérias que no fim, só fazem os alunos se sentirem culpados por tudo que existe e surpresa! Os estudantes terminam as escolas com horror a se intelectualizar e com desempenho sofrível nas matérias básicas.

    Tipicamente, sou simpático a causa gay. Mas eles estão completamente errados em instalar mais matérias a uma grade saturada que está criando geração após geração de gente ignóbil e abominando o que aprenderam em salas de aula.

    Mas como não reagir assim, quando toda a motivação que tem para aprender é “estude isto senão tira zero”. A escola virou um fim em si mesma. Se o movimento gay quer mudar a mentalidade da população, usar a escola vai ser o meio mais duro para se chegar em lugar algum.

  2. Avatar maria disse:

    eu acho que estão guardando dentro de um caixote o que, realmente, é importante para a vida, o que prepara o indivíduo para a vida e escancarando o que não é relevante. A grande questão é: Isto é feito conscientemente, tem um fim, ou é falta de massa cizenta.
    Não interessa se o cara é gay, hetero, lésbica, bi ou o diabo a quatro!!! O que é relevante é se é honesto, responsável, inteligente, capaz, leal, se sabe português, matemática, ciências,……….!!!!!Meu Deus, tá difícil assim!

    • Avatar Dema disse:

      De tanto ladrão que tem neste Brasil (especialmente alguns políticos e agregados), logo vai aparecer algum “sábio” parlamentar que vai propor a discussão que honestidade e outras virtudes são também “construções sociais”, tal qual querem colocar para essa coisa denominada ideologia de gênero! Aí chamarão de “ideologia de virtudes”, em atendimento aos interesses dos larápios!

  3. Avatar roberto quintas disse:

    a definição de gênero restrito ao binomio homem – mulher é uma ideologia de gênero.

  4. Avatar Soumulhersim disse:

    Eu sou o que sou, nasci assim, tenho todos os itens necessários para ser classificada como “Mulher” e não é o que penso e sinto que define quem eu sou!
    Ser homem e mulher não é uma ideologia e sim um fato.
    O fato de uma pessoa gosta de outra do mesmo sexo não faz dela diferente, ela continua sendo quem é, um homem ou uma mulher.
    A cada um cabe o direito de escolher os seus caminhos, mas não é seu direito querer descer garganta abaixo de toda uma nação a sua maneira de pensar e agir, e pior, querer ensinar aos filhos dos outros como devem pensar.
    Alguém me salve, não sei mais o que é Democracia!!!!!

  5. Avatar Fransco Amorim disse:

    A ciência e psicologia afirmam que o homossexualismo e suas variáveis
    são comportamentos, portanto não tem amparo sua inclusão como 3º
    gênero(não existe 3º sexo). Obrigar a população a engolir esta mentira e
    ainda por cima vomitar esta ideologia nefasta sobre as crianças,
    demostra claramente a ação do PT e de seus asseclas socialistas para
    destruir nossa sociedade baseada nos valores judaicos cristãos da
    família. Para isso, estão fomentando e usando esta “inclusão” GLBTS para
    destruir os valores morais de nossa sociedade que ainda estão impedindo
    seus planos de transformação do Brasil em uma sociedade parte do
    império e ideologia socialista/comunista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.