Hospital do Servidor está previsto para ser entregue em 2017

75% das obras estão finalizadas. Nova unidade de saúde será a segunda maior de Estado e atenderá os usuários do Ipasgo

Marconi Perillo afirma que a intenção é que hospital seja entregue no próximo ano | Foto: Divulgação

Marconi Perillo afirma que a intenção é que hospital seja entregue no próximo ano | Foto: Divulgação

O Hospital do Servidor Público está com 75% das obras concluídas. Construído com recursos próprios do Ipasgo no Setor Bela Vista, Região Sudeste de Goiânia, a unidade conta com um orçamento de R$ 70 milhões, dos quais R$ 52,5 milhões já estão pagos. Em visita ao local, o governador Marconi Perillo (PSDB) disse que quer entregar o Hospital ainda no ano que vem. 

O Hospital será o segundo maior de Goiás, atrás apenas do Hospital de Urgências Otávio Lage (Hugol). Serão 24 mil metros quadrados de área construída, divididos em oito blocos, contando com 211 leitos e início de funcionamento no primeiro semestre do ano que vem. A unidade vai atender a todos os usuários do Ipasgo.

O bloco A vai sediar a administração. Na parte térrea, o bloco B vai abrigar os 18 consultórios ambulatoriais. O bloco C vai abrigar o atendimento de emergência. As salas de exames radiológicos e laboratoriais também ficarão na parte de baixo. No primeiro andar vão ficar os 40 apartamentos e as 38 enfermarias, que serão humanizadas, com apenas duas camas em cada quarto, totalizando 76 leitos.

O banco de sangue e a sala de quimioterapia estão sendo erguidos no segundo andar, assim como a sala de esterilização e o centro cirúrgico, com oito salas de cirurgia. No bloco ao lado, ficarão as UTIs, sendo que 10 são de leitos pós-cirúrgicos. No centro cirúrgico está sendo construída ainda uma laje técnica específica para a manutenção dos equipamentos.

Benefício

O Ipasgo, responsável pela execução do projeto do Hospital do Servidor, tem hoje uma situação de equilíbrio econômico depois que o governo estadual agiu para sanar as duas crises que o instituto passou em sua história recente. Em 1999, ao assumir do governo de Goiás, Marconi encontrou o instituto com uma dívida de quase R$ 50 milhões, a maior parcela referente a quatro faturas dos prestadores de serviço em atraso. Como solução, o governador determinou a destinação de parte dos recursos apurados com o FCVS da Caixego para liquidação dos débitos, negociação de tabelas e gestão equilibrada.

Em 2011, assim que Marconi assumiu o terceiro mandato o instituto acumulava uma dívida de R$ 400 milhões referentes a débitos fiscais e tributários e a sete faturas de serviços prestados pela rede credenciada. O déficit mensal era de R$ 7 milhões e foi alvo de um descredenciamento em massa da rede, atingindo especialidades importantes como cardiologia e pediatria, por exemplo.

Como solução, foi determinada a revisão de todos os contratos, redução de 30% no número de servidores, sem afetar a qualidade dos serviços prestados, negociação de débitos com a rede credenciada, investimento em TI, atualização de parte da tabela de contribuições, repasse por parte do Tesouro de obrigações em atraso, atualização de tabelas de serviços.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.