Grevistas do MPU se reúnem novamente com PGR na próxima quarta-feira

Greve dura mais de 40 dias e reivindica melhores condições de trabalho e medidas para aprovação de Projeto de Lei que dispõe sobre a carreira dos servidores

Servidores do MPU estão paralisados há mais de 40 dias | Foto: Sinasempu

Servidores do MPU estão paralisados há mais de 40 dias | Foto: Sinasempu

A greve dos servidores do Ministério Público da União (MPU) dura mais de 40 dias e os trabalhadores devem, de acordo com o Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério Público da União (Sinasempu), se reunir em audiência com o Secretário-Geral da Procuradoria-Geral da República na próxima quarta-feira (25/3).

Está marcado para quarta-feira, além da audiência, um apagão geral com grevistas e servidores que ainda não aderiram ao movimento paredista, como o ocorrido na última quinta-feira (19/3).

Na pauta da audiência está o encaminhamento dos pleitos administrativos da categoria para a melhoria das condições de trabalho e medidas a serem tomadas pela Administração para a aprovação do PL 7.919/2014, que dispõe sobre as carreira dos servidores do MPU e dos servidores do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Conforme o Sinasempu, a interlocução com a administração do MPU foi aberta na última quarta-feira (18), quando a diretoria do sindicado se reuniu com o secretário-geral da Procuradoria-Geral da República, Lauro Pinto Cardoso Neto, após a greve de fome de um servidor do MPF de Goiás.

A reunião foi considerada pelos grevistas como um avanço, porém a categoria decidiu acabar com o movimento paredista apenas com o abono das horas não trabalhadas em decorrência da greve e propostas concretas de atendimento dos pleitos administrativos para que os servidores possam “reatar o laço de confiança na Administração”. Além disso, os servidores também reivindicam a imediata recondução dos servidores exonerados durante a greve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.