Governador de Goiás critica “exército corporativista” que trava reformas

Em palestra no seminário “Brasil Central – a Força do Agronegócio na Transformação do País”, Marconi afirma que País precisa voltar a crescer

Foto: Mantovani Fernandes

Em palestra proferida no seminário “Brasil Central a Força do Agronegócio na Transformação do País”, promovido pela revista Globo Rural e pelo jornal O Globo, na manhã desta sexta-feira (15) no Rio de Janeiro, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), criticou os críticos da agenda reformista.

“Temos um exército corporativista que impede a aprovação das reformas capazes de fazer o Brasil avançar”, disse. Os ministros Alexandre Baldy (Cidades) e Blairo Maggi (Agricultura) participaram do seminário.

Marconi usou como exemplo as dificuldades políticas em torno da aprovação da reforma da Previdência Social, que vem defendendo sob a observação de que o desequilíbrio entre as receitas e pagamento de benefícios está quebrando a União e os Estados.

“A batalha [da aprovação da reforma da Previdência] não é ideológica, mas em torno da manutenção ou corte de privilégios”, disse. Sobre a reforma trabalhista, o governador alertou para a necessidade de se enfrentar com coragem as barreiras burocráticas, a regulação do mercado e a definição de regras claras e competitivas que assegurem segurança jurídica para quem quer investir.

Ao analisar o atual quadro da economia brasileira, Marconi enumerou alguns desafios a serem vencidos para que o Brasil retome o crescimento. Para ele, a principal causa para a baixa velocidade do crescimento do País está no fechamento do mercado.

“O protecionismo, visto como a zona de conforto, vem impedindo os investimentos estrangeiros que já teriam feito do Brasil uma fronteira de produção muito acima do que somos”, declarou. No entendimento de Marconi, a consequência mais imediata do limite de investimentos tem sido a informalização do mercado, o que sobrecarrega de tributos a parcela formal da economia.

Marconi disse que “a combinação de economia informal, fragilidade dos governos e tributação mal distribuída tem o resultado explosivo que vivenciamos hoje com a corrupção e com o crime”.

Mesmo diante do atual contexto, o governador observou que a agroindústria tem conseguido superar o protecionismo e juntar índices de produtividade suficientes para avançar mesmo na crise e ancorar a recuperação que o País procura.

Na avaliação do governador, “a força do setor agropecuário é tão grande que conseguiu nos alertar para uma nova organização geopolítica surgida no Brasil Central, onde promovemos uma espécie de repactuação federativa entre estados cuja característica é o crescimento elevado do PIB a cada ano”.

O governador fez referência ao Consórcio de Governadores do Brasil Central que, em pouco mais de dois anos de existência, realizou 19 encontros e solidificou uma pauta conjunta que vai de um pacto de segurança pública integrada, passa pela institucionalização de um mercado comum, de uma aliança municipal pela competitividade e chega a uma agenda legislativa positiva com o acompanhamento conjunto da tramitação de projetos no Congresso Nacional.

A região, segundo o govenador, é a que mais cresceu nos últimos dez anos e que apresentou a maior taxa de redução de pobreza. “Na safra 2016-2017, o Brasil Central deverá ser responsável por mais de 90 milhões de toneladas de grãos, de um total estimado em 213 milhões de toneladas”, estimou.

Marconi destacou a densidade populacional do eixo Brasília-Goiânia – hoje de 7,4 milhões de habitantes – e as cidades de Anápolis e Aparecida de Goiânia como polos de atração de novos negócios entre os dez principais eixos de desenvolvimento brasileiro. “Nestes pouco mais de 200 quilômetros que ligam Brasília a Aparecida de Goiânia, desde 2009, fixaram-se mais de 31 mil empreendimentos”, disse. “Outras 70 mil empresas deverão se juntar até 2025”, informou o governador com base em estimativas da Urban Systems feitas para a revista “Exame”.

Gargalos

A ineficiência dos precários modais de transportes existentes na região mereceu análise de Marconi durante os debates que precederam as palestras dos ministros Blairo Maggi, da Agricultura e Alexandre Baldy, das Cidades, também presentes ao Seminário. O governador fez um histórico das principais ferrovias que cortam a região, algumas em construção, para demonstrar que a falta de agilidade nos processos de concessão estão causando prejuízos ao País.

Ele lamentou que, três anos após ser concluída, a Ferrovia Norte-Sul, no trecho de Anápolis ao Tocantins, continue sem operar. Também cobrou mais agilidade nas obras de outras rodovias que ligam as regiões Norte, Nordeste e o Centro-Oeste, assim como a extensão da Norte-Sul até Estrela D’Oeste, em São Paulo.

O governador também citou a necessidade de se destravar o processo de concessão da BR-153, a partir de Anápolis na rota para a região Norte. “A concessionária abandonou a rodovia e não fez a duplicação necessária e nem mesmo obras de manutenção”, lembrou.

Na contramão da realidade nacional, Marconi enumerou os investimentos que o governo de Goiás tem feito na infraestrutura de transporte do Estado. Citou as grandes obras de duplicação, reformas, reconstrução e manutenção de 21 mil quilômetros de rodovias. “As nossas rodovias nunca estiveram tão boas. Estamos trabalhando para levar rodovias de qualidade onde está a produção”, reafirmou.

Paralelamente aos investimentos na infraestrutura, Marconi defendeu no Seminário mudanças de comportamento em relação a logística nacional. Ele pediu mais agilidade e menos burocracia para destravar os projetos de investimentos. “Não se pode trabalhar contra quem quer investir. Temos que desburocratizar, principalmente a legislação ambiental. Não é aceitável que um processo de investimento se perca há mais de três, até cinco, seis anos, na burocracia”, criticou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.