Goiás precisa melhorar se não quiser voltar à Série B tão rápido

Clube esmeraldino desperdiçou tempo em 2019 com contratações duvidosas e começou a disputa do Brasileiro com duas derrotas em três jogos

Depois da vitória contra o Fluminense, equipe do Goiás amargou derrotas em casa para o São Paulo e contra o Cruzeiro em Belo Horizonte | Foto: Mineirão/Divulgação

Cilas Gontijo

Depois de três anos fora da elite do futebol brasileiro e amargar ser vice-campeão goiano perdendo para seu maior rival dentro de campo, o Atlético Goianiense, o Goiás Esporte Clube parece não aprender com seus próprios erros.

Com todos esses anos na Série B do Campeonato Brasileiro, a diretoria do Verdão continua a atuar como amadora, investe mal os recursos, que não são poucos. São contratações em grande quantidade sem qualidade jogando no ralo muito dinheiro com tanto jogador de nível inferior para um time que quer no mínimo se manter na primeira divisão em 2020.

Com a contratação do bom técnico Maurício Barbieri, que na minha opinião não deveria ser demitido, vieram também vários jogadores indicados pelo treinador e outros pela própria diretoria. Jogadores que mal deram conta de jogar bem no Goianão.

Mas contratar mal não é novidade na Serrinha. Infelizmente essa é uma marca registrada da atual e de outras diretorias do clube. Contratam muito em números sem se importar muito com a qualidade dos jogadores trazidos.

Com um elenco inchado no início da temporada 2019, mais de 21 “reforços” que na verdade não reforçam nada. Como por exemplo o já dispensado goleiro Sidão, que já não vinha bem desde o São Paulo, culpado pela saída prematura do time da Copa do Brasil quando engoliu o frango. A lista inclui o lateral Marcelo Hermes, Kelvin, Daniel Guedes, Kayke, Brenner, Marlone, João Afonso e outros que são jogadores de Série B.

São raras as exceções, como a contratação do atacante Leandro Barcia, do meia  Giovanni Augusto. O segundo tem sido substituído de forma equivocada pelo treinador Claudinei Oliveira em todas as partidas quando joga bem, enquanto o queridinho Léo Sena, que tem grande quantidade de passes errados e lançamentos equivocados, continua em campo.

Com a chegada de novo treinador, que já treinou a equipe em 2014 e foi demitido de forma desrespeitosa, ainda no vestiário – de forma invicta perdendo apenas a final do estadual daquele ano justamente para o Dragão -, a tendência é que cheguem mais “reforços” com o aval do recém-chegado comandante.

Com uma vitória e duas derrotas sob o comando de Claudinei, o Goiás está na 14ª colocação com três pontos conquistados. O time precisa melhorar muito, necessita com urgência de reforços de verdade em todas as posições. Principalmente no ataque. Michael sozinho não conseguirá fazer milagre.

Goiás x Ceará
O próximo jogo será sábado, 11, às 21 horas no Estádio Serra Dourada contra o Ceará. O Vozão também tem apenas três pontos e duas derrotas, além dos mesmos 33,3% de aproveitamento na competição.

Em casa, o Goiás precisa vencer e jogar bem para que sua torcida acredite em uma reação do time. No caso de mais uma derrota, Claudinei que coloque suas barbas de molho, porque o filme de 2014 poderá novamente ser rodado na Serrinha.

Nova chance
O Goiás resolveu dar uma nova chance ao atacante Walter. É a terceira vez que o atleta vai jogar no Goiás. Suspenso por doping, Walter só volta aos gramados a partir de julho. Até o contrato é curto, de apenas três meses. Se vai dar certo ninguém sabe.

Mas o jogador tem identificação com o clube e o torcedor esmeraldino, que espera de Walter rendimento parecido com o da Série B em 2012, quando o Goiás foi bicampeão do Campeonato Brasileiro da segunda divisão. O jeito é esperar para ver no que vai dar.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.