“Goiás deve a Marconi convalidação dos incentivos fiscais. Ele salvou o Estado”, diz Mabel

No lançamento do Programa Alimento Confiável, ex-deputado peemedebista enalteceu trabalho do governador

Sandro Scodro, conhecido como Sandro Mabel, e o governador Marconi Perillo | Foto: Wagnas Cabral

Ex-deputado federal e presidente do Sindicato das Indústrias da Alimentação no Estado de Goiás (Siaeg), Sandro Mabel (PMDB) afirmou que Goiás deve ao governador Marconi Perillo (PSDB) a convalidação dos incentivos fiscais, aprovada pelo Congresso Nacional em maio deste ano.

“Foi uma vitória que Goiás deverá sempre a Marconi. A manutenção dos incentivos fiscais e a atração das indústrias”, afirmou ele, durante solenidade de lançamento do programa Alimento Confiável no Palácio Pedro Ludovico Teixeira nesta segunda-feira (16/10).

O peemedebista lembrou que a luta pela convalidação dos incentivos fiscais é empreendida por Marconi há muitos anos, durante seus mandatos como governador e também quando foi senador.

“Esses incentivos foram ameaçados durante muitos anos, mas Marconi foi firme, percorreu o Brasil inteiro, se posicionou contra presidente da República. Fez isso durante vários mandatos. Brigou por Goiás, pelo desenvolvimento da indústria, pelos goianos. Devemos tudo isso a Marconi”, completou.

Ainda segundo Mabel, Marconi “salvou o Estado”: “Não teríamos mais o que oferecer às indústrias, se não houvesse a convalidação dos incentivos fiscais.”

Programa

O Programa Alimento Confiável busca incentivar as indústrias a melhorarem a qualidade de suas produções e obterem maior confiança dos consumidores, a partir da garantia da qualificação de seus produtos por meio do selo Alimento Confiável. Para tanto, o Siaeg oferece avaliação in loco e consultoria para as empresas. O Sebrae, a Fieg e a Secretaria de Desenvolvimento (SED) são parceiras do programa.

Marconi, por sua vez, defendeu a agregação de valor às matérias-primas brasileiras, como forma de garantir e impulsionar a geração de emprego e renda no País. “Quando formos rever a Lei Kandir, vamos ter que colocar essa questão de agregação de valor às nossas matérias-primas, porque senão vai tudo embora. Os empregos vão embora, a agregação tecnológica, a renda”, ressaltou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.