Franceses evitam sair às ruas após atentados que mataram 129 pessoas

Perto da casa de show Bataclan, franceses e turistas depositam flores em homenagem aos mais de 80 mortos atingidos ali

A movimentação nas ruas de Paris neste sábado (14/11)  é muito menor do que a de costume, após os atentados terroristas que mataram 129 pessoas e deixaram 352 feridos na capital francesa, com 99 em estado grave. A recomendação do presidente François Hollande foi seguida pela maioria da população, e as ruas estão vazias, inclusive no centro da cidade e em monumentos.

*Matéria atualizada às 18h30

O repórter da Rádio França Internacional, Helcio Ramalho, informou que andou perto da Bastilha e em outros locais da cidade, onde poucas pessoas estão nas ruas.

Perto da casa de show Bataclan, franceses e turistas depositam flores em homenagem aos mais de 80 mortos atingidos ali, onde peritos trabalham para identificar vítimas e recolher indícios do atentado. “Os moradores do bairro demonstram apreensão. É uma atmosfera pesada”, afirmou Ramalho.

” Diferentemente do atentado de janeiro aoCharlie Hebdo, dessa vez o ataque foi a pessoas comuns e não a alvos específicos. Por algum tempo teremos de conviver com a sensação de insegurança”, acrescentou Ramalho em entrevista aos jornalistas Bianca Paiva e Leandro Martins, da Rádio Nacional de Brasília.

Ato de guerra

De acordo com o presidente François Hollande, os ataques foram um “ato de guerra” e o país está em estado de emergência. Estão proibidas manifestações em lugares públicos e as escolas e monumentos ficarão fechados até nova orientação. No momento do atentado, Hollande estava no estádio nacional, acompanhando a partida de futebol entre França e Alemanha.

O presidente francês atribuiu os atentados ao Estado Islâmico, cujos representantes já reivindicaram a autoria. A França decretou luto oficial de três dias. Um dos suicidas já foi identificado como cidadão francês. Alguns especialistas dizem que os serviços de inteligência já tinham informações sobre a possibilidade de atentados terroristas e estavam monitorando franceses que retornaram recentemente de países islâmicos.

O repórter Helcio Ramalho disse acreditar que, a partir de agora, o reforço da segurança ocorrerá também em estabelecimentos privados, de modo a evitar que pessoas possam entrar com armas e coletes com explosivos, como aconteceu no Bataclan. “Já existia alguma revista de sacolas de maior volume. Agora, as casas de show e estabelecimentos privados vão reforçar a segurança”, concluiu.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.