Farsa de Força Tática é registrada em câmera de segurança da casa de tenente-coronel aposentado

Ao retornar de uma viagem, o homem de 71 anos verificou o equipamento e constatou o flagra dos PMs acusados de assassinato

Imagem registrada pela câmera de segurança do tenente-coronel aposentado | Foto: Reprodução

Câmeras de segurança da casa do aposentado da Polícia Militar de São Paulo, um tenente-coronel de 71 anos, flagraram PMs da Força Tática do 27º Batalhão acusados de assassinato em uma operação farsa.

A situação foi iniciada com um Volkswagen Voyage que transitava lentamente por uma rua no Parque Cocaia, às duas da manhã, e que ao estacionar de forma abrupta, joga um homem baleado que cai com as mãos ao solo. Logo em seguida, uma viatura da Força Tática chega e três agentes descem do veículo.

Dois dos PMs pegam o homem caído e o colocam no banco de trás do Voyage, e o terceiro policial assume o volante do automóvel. Investigações mostram que o carro seguiu por 1,5 quilômetros seguido pelos colegas, até chegar no cruzamento das ruas Particular e Cultura Popular.

Isso, porque esse é o mesmo endereço que o sargento Cristiano Procópio Magalhães e os cabos Alex Medeiros Borges e Dimas dos Santos Silva simularam a ocorrência de uma resistência seguida de morte envolvendo o engenheiro civil Vinícius Texucla Oliveira.

Investigadores afirmam que minutos após Vinícius ter sido baleado e o confronto ter sido forjado, a equipe da Força Tática do 27º Batalhão “plantou” um revólver calibre 38 e uma pistola 380 ao lado do corpo do engenheiro. Além disso, logo em seguida providenciou o “socorro” ao homem ferido, momento em que a viatura 04114, da Unidade de Resgate do Corpo de Bombeiros, foi acionada.

Ao não resistir aos ferimentos, peritos do Instituto Médico Legal (IML) constataram que o engenheiro foi baleado nas costas e no abdômen. Outra ação que contribuiu para a farsa dos PMs foi a tarefa atribuída ao cabo Tiago Vieira da Silva.

Após seu expediente, foi até o local, que é perto de sua residência, e colaborou com a eliminação das evidências da cena do crime. Como foi orientado, jogou areia nas marcas de sangue. As câmeras de segurança registraram a chegada de Tiago em uma moto às cinco e cinquenta e oito da manhã. O cabo segurava um saco e esparramava areia no asfalto.

Para os investigadores, no entanto, a versão dos fatos apresentada pelos sargento Cristiano e cabos Alex e Dimas, na 101ª DP, é considerada fantasiosa. Isso, porque eles afirmaram terem visto o Voyage, que era ocupado por três pessoas, em atitude suspeita, e o abordado por meio de sinais sonoros e luminosos. Os PMs ainda disseram que o condutor não obedecera a ordem de parada e colidiu com um monte de entulhos.

Além disso, os PMs relataram que dois homens teriam descido do carro atirando e teriam fugido, deixando o engenheiro no banco de trás após o homem ter sido ferido no revide da polícia. No entanto, após o tenente-coronel dono das câmeras de segurança retornar de viagem e conferir seu equipamento de segurança, a Corregedoria da PM o acionou a procura de verificar as câmeras, assim como o fez em outras casas da região.

Com a visualização das imagens registradas, os três agentes foram denunciados à Justiça por homicídio doloso com três qualificadoras: motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima, e fraude processual – por terem tentado modificar a cena do crime. Já o cabo Tiago foi denunciado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP) pela tentativa de induzir o juiz ao erro a partir das alterações na cena do crime.

Na Justiça Militar, enquanto Tiago responde por fraude processual, Cristiano, Alex e Dimas, são processados pelos crimes de falsidade ideológica, fraude processual, abandono de posto e reunião em grupo para o cometimento de violências. 1ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar ocorrerá no dia 27 de outubro para ouvir testemunhas do caso. No dia seguinte, os PMs serão interrogados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.