Em encontro na capital, PSD busca lideranças femininas no Centro-Oeste

Coordenada pela presidente nacional do partido, a ex-vice-prefeita de São Paulo, Alda Marco Antônio, reunião foi realizada para estimular mulheres às eleições de 2016

O presidente regional do PSD com as coordenadoras nacionais do PSD Mulher | Foto: Divulgação

O presidente regional do PSD com as coordenadoras nacionais do PSD Mulher | Foto: Divulgação

O PSD realizou, no último sábado (20/6), mais um encontro nacional com o objetivo de incentivar mulheres a entrar para a política. Desta vez, na capital goiana, a coordenadora do PSD Mulher, Alda Marco Antônio, foi recebida pelo presidente regional e secretário de Cidades, Vilmar Rocha.

A reunião, realizada em um hotel de Goiânia, contou com a presença de lideranças femininas de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e do Distrito Federal. “Esses encontros tem uma característica de encontrar lideranças para organizar o setor feminino dentro do partido”, explicou a dirigente.

“O PSD é um partido novo, tem apenas três anos, e, portanto, tudo ainda demanda criação e organização. Estamos criando o PSD Mulher e já nos reunimos no Nordeste, no Sudeste, no Sul e, agora estamos no Centro-Oeste”.

Nas últimas eleições foi constatado um aumento da participação de mulheres na disputa, mas ainda é baixa a representação parlamentar. O número de candidatas à Câmara Federal foi de 1.765, contra 935 em 2010, com aumento de 88,77%

“Mesmo assim, menos de 10% dos novos deputados federais eleitos são mulheres. Uma representação desproporcional, quando se considera que as mães, professoras, executivas, empresárias, donas de casa e trabalhadoras de todas as áreas representam 51% da população e 43,52% da força de trabalho”, afirmou a coordenadora do PSD Mulher.

Alda também alerta que “mais da metade das câmaras municipais do Brasil, portanto mais de 3 mil câmaras, não tem sequer uma vereadora”. Segundo ela, é preciso que as mulheres tenham “voz nos momentos de se decidir o destino de todos. Nós, do PSD Mulher, estamos lutando por isso e estamos bastante animadas”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.