Dilma assina decreto para privatização da Celg D

Ação está sendo realizada por meio de inclusão da distribuidora de energia no Programa Nacional de Desestatização

A presidente Dilma Rousseff (PT) assinou na última quarta-feira (13/5) o decreto 8.449, que inclui a Celg Distribuição no Programa Nacional de Desestatização (PND). Publicado no Diário Oficial da União (DOU) nesta quinta-feira (14/5), o texto prevê que o Ministério de Minas e Energia (MME) fica responsável pela execução e acompanhamento dos processos de desestatização da companhia.

Negociações para privatização da estatal pela Eletrobras (que possui 51% da companhia) já iniciaram há algum tempo. A venda foi confirmada após recomendação do Conselho Nacional de Desestatização (CND), que incluiu a estatal no Programa Nacional de Desestatização (PND) em publicação no DOU no início desse mês.

A inclusão Celg no PND faz parte das negociações entre o MME e o governo de Goiás no processo de transferência do controle total da companhia para a Eletrobras — que em seguida irá passar a então estatal para mãos privadas.

Conforme decreto assinado pela presidente, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) será o responsável por contratar os serviços e prover o apoio técnico necessários à execução do processo.

Leia mais:
Privatização da Celg pode viabilizar o quarto governo do tucano Marconi Perillo
Governo de Goiás e Eletrobrás vão discutir formatação da privatização da Celg. Que pode sair em 2015
Em discurso de posse, novo presidente da Celg, Sinval Zaidan, afirma: “Teremos muito trabalho”

2 respostas para “Dilma assina decreto para privatização da Celg D”

  1. Avatar Povo Goiano disse:

    Será o início de uma forte precarização dos atendimentos à população nos serviços essenciais. A aparente entrega do bem público aos interesses privados leva a quem não conhece os detalhes desta Empresa, uma errônea interpretação de que será mais vantajoso Goiás ceder a maior empresa do Centro Oeste do País. Para confirmar, basta coletar dados e informações da GESTÃO da CELG desde o concurso de 2004 até a presente data. O rombo na CELG foi produzido durante gestões corruptas, às quais não cabem em nossos dias atuais. Na prática da PRIVATIZAÇÃO teremos: FECHAMENTO DE AGÊNCIAS DO INTERIOR, TERCEIRIZAÇÃO DE TODOS OS FUNCIONÁRIOS (INEXISTÊNCIA DE CONCURSOS PÚBLICOS) E COMO CONSEQUÊNCIA AUMENTO NAS CHANCES DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS, CORTES DE TODOS OS TIPOS DE GASTOS/INVESTIMENTOS, RESTRIÇÃO AO ATENDIMENTO PESSOAL, AUMENTO DE TARIFAS, entre outros.
    Cabe à população enxergar (com sua luz interior), já que vários meios midiáticos ocultam verdades e apontam os faróis para a sua verdade, QUE A CELG É DE TODOS OS GOIANOS e, justamente no momento em que o valor das tarifas apontam para a realidade atual deste rentável mercado, que existe a possibilidade sim de viabilizar financeiramente investimentos e melhorias que estavam travadas ao longo de 3 décadas sofridas por esta enorme Empresa ESTATAL.

  2. Avatar ACORDA POVO!! disse:

    MAIS UMA DILAPIDAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO, PARA ATENDER INTERESSES ESCUSAS DE MEIA DÚZIA DE EMPREITEIRAS E ALGUNS POLÍTICOS INTERESSADO NO LUCRO QUE TERÁ NESSA OPERAÇÃO.QUEM VAI PAGAR O PATO SERÁ OS CONSUMIDORES GOIANOS:CONTAS SUPER TAXADAS E SERVIÇOS PRECÁRIOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.