Desde 2019, Goiás gerou 170 mil novos empregos formais, revela Caged

Os dados mostram também que o Estado bateu recorde de novas vagas em 2021, com mais de 110 mil – melhor número em 20 anos

Governador Ronaldo Caiado acredita que números do Caged refletem a retomada em Goiás | Foto: Secom / Goiás

De janeiro de 2019 a fevereiro de 2022, Goiás gerou 170.647 empregos com carteira assinada. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e colocam o Estado em 1º lugar nesse quesito em toda a Região Centro-Oeste.

Segundo o cadastro, Goiás gerou 21.550 empregos formais em 2019. Já em 2020, com a crise sanitária e diversas restrições nas atividades econômicas, o saldo caiu para 8.272, mas ainda com resultado positivo. Em 2021, segundo ano de pandemia, o Estado cravou 110.787 novas vagas. Neste anos, nos dois primeiros meses, já são 30.038 novas vagas preenchidas.

Nos anos de 2020, 2021 e nos meses de janeiro e fevereiro de 2022, a atividade econômica que mais contribuiu para a geração de empregos foi a de serviços, com 54.651 novas vagas; seguida da indústria, com 31.641; comércio, com 30.288; construção civil, com 18.043; e, por fim, agropecuária, com 14.474 vagas com carteira assinada. “É a retomada em Goiás! É emprego, é investimento e a demonstração que vale a pena acreditar em um governo que tem respeito pelo dinheiro público”, destaca o governador Ronaldo Caiado.

O bom desempenho na geração de empregos coloca Goiás à frente dos demais estados da região Centro-Oeste. Entre 2019 e 2022, Mato Grosso ocupou a segunda posição no número de vagas, com 119.457; Mato Grosso do Sul, em terceiro, com 67.161; e o Distrito Federal, com 67.265, sendo este o único na região que teve registro negativo em 2020.

Titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Joel Sant’Anna avalia esse resultado e diz que, passados os dois anos em que a pandemia provocou inúmeros problemas nas economias do mundo, o Governo de Goiás deu as respostas para minimizar os impactos da maior crise sanitária que o Estado enfrentou.

“O governador atuou de maneira acertada, como gestor e como médico. Não foram decisões fáceis, mas hoje vemos que os resultados estão aí para mostrar que ele estava certo ao abrir crédito, via GoiásFomento, para micro e pequenos empresários, além de facilitar a vida de quem tinha empréstimos no FCO no pagamento das suas parcelas ou mesmo auxiliar empresários do setor de transporte escolar”, disse Joel.

O ano de 2021 marca um saldo recorde na geração de empregos com carteira assinada, conforme levantamento feito pelo Caged. No ano passado, Goiás registrou saldo de 110.787. Foi o maior número desde 2002, quando o Estado havia apurado 32.300 vagas.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.