Deputado da base diz que reordenamento de Colégios Militares vai economizar R$ 600 mil

Coronel Adailton, por sua vez, argumenta que desligamentos implicam em perda de qualidade de ensino no Estado e denunciam descompromisso do Governo com a Educação

Foto: Wagnas Cabral

Em audiência pública, realizada nesta segunda-feira, 13, o deputado estadual Coronel Adailton voltou a defender os colégios militares e, ainda, apresentou a possibilidade de militarização de escolas municipais. A ideia, segundo ele, é que o Governo do Estado se sensibilize em prol da melhoria da Educação em Goiás.

Ao mesmo tempo, o deputado se vê diante do incerto, já que, nos últimos dias, houve o desligamento 94 policiais que trabalhavam nas unidades de ensino. “Significa uma redução da qualidade de ensino dos colégios militares, que são o principal propulsor do nosso Ideb”, disse.

Ele destaca que o Colégio Estadual da Polícia Militar – Unidade César Toledo, em Anápolis, é o primeiro no Ideb goiano há cinco anos seguidos.  “É muita qualidade de ensino, mas infelizmente, mais uma vez, o nosso governador demonstra que não tem compromisso com a Educação de qualidade no Estado”, defendeu.

O deputado estadual Amauri Ribeiro (PRP), que é da base do Governo na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), argumentou que essas demissões fazem parte de um reordenamento, que visa à economia de R$ 600 mil pelo Estado. 

“Em momento algum Ronaldo Caiado (DEM) está fechando escola militar. A intenção é abrir por todo o Estado, até porque esse é o perfil do governador. Mas as escolas montadas no ano passado estão sem estrutura adequada, então está sendo feita uma readequação”, disse.

Diante desse anúncio de corte e economia voltados aos colégios militares, questiona-se se a gestão do democrata estaria aberta para aceitar a proposta de Adailton de militarizar, também, escolas municipais. “Essas demissões podem, sim, ser um prenúncio de que a ideia não será aceita, mas precisamos pensar nos nossos municípios”, argumentou.

“Temos 246 municípios, quase 7 milhões de habitantes. Essas pessoas que também votaram no governador Ronaldo Caiado têm o direito de exprimir as suas opiniões e o Governo tem que ter essa sensibilidade de entender o que é bom para o município, para as crianças e para os jovens”, afirmou.

Deputado Coronel Adailton (PP) | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Requerimento para escolas municipais

A proposta de militarização de instituições municipais veio por meio de um requerimento de Adailton. “Por meio da Lei 1966, que já está em vigor, o Governo pode convocar policiais e bombeiros da reserva para que não seja preciso retirar contingente das ruas. E, então, esses oficiais da reserva ficam à disposição dos prefeitos, mediante convênio, termo de cooperação, e esse será o único gasto do Estado”, explicou.

Se acordo com o parlamentar, a medida não traria aumento de custos para a gestão, já que o restante das despesas seria de responsabilidade dos prefeitos municipais. “Já existem escolas nesse formato. Em Indiara e Piranhas, essas escolas são totalmente bancadas financeiramente pelos prefeitos municipais e pelas parcerias. Nós buscamos apenas desonerar o prefeito municipal desse investimento com os militares da reserva”, detalhou.

Ainda segundo Adailton, a medida possibilitaria maior segurança às crianças. “Já que o militar convocado tem o direito de trablhar fardado, equipado e armado. Esse é o diferencial diante das mazelas e tragédias ocorridas em escolas que temos acompanhado”, disse.

O deputado também explica que a ideia é que não tenha interferência na parte pedagógica das escolas. “Os bombeiros e policiais acrescentariam apenas os ensinamentos sobre disciplina, ordem unida, civismo e patriotismo. A parte pedagógica continua igual”, argumentou.

“Iremos levar para dentro das escolas municipais, de ensino fundamental I e II, onde as crianças, a partir dos seus 6, 7 anos de idade, no início da sua vida escolar, já podem ter o direito de serem educadas da mesma forma e com o mesmo formato que existe nos colégio estaduais da polícia militar. Diga-se de passagem, com muito sucesso”, pontuou.

Uma resposta para “Deputado da base diz que reordenamento de Colégios Militares vai economizar R$ 600 mil”

  1. Avatar Geraldo Gomes da Silva disse:

    Sou Policial Militar do Estado de goiás, e digo sem medo de errar: é necessario e urgente o retorno dos 94 policiais militares que dão suporte ao bom andamento do funcionamento pronto e integral dentro das escolas estaduais. Sem o apoio policial nas escolas estaduais de ensino fundamental e medio, o ensino aprendizado vai muito mal. É urgente o retorno, que se faça justiça aos desconvocados, retorno imediato para seus locais de trabalho já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.