Daniel Vilela desbanca argumentos de dissidentes do MDB

Emedebistas que optaram contrariar próprio partido não contavam com reviravolta eleitoral

Candidato ao governo de Goiás pelo MDB, Daniel Vilela havia chegado à reta final do período de pré-campanha desacreditado. Até a semana anterior às convenções, o emedebista não contava com um partido sequer na coligação e, apesar de sempre ter negado, questionava-se se realmente bancaria a candidatura.

A falta de capilaridade, inclusive, foi um dos argumentos utilizados por dissidentes emedebistas, que, ainda no início do ano, decidiram apoiar o senador Ronaldo Caiado (DEM) em detrimento da candidatura do próprio partido. À época, os líderes chegaram a dizer que Daniel não teria “uma posição firme e autoridade moral para representar a oposição”.

Integram a lista os prefeitos Adib Elias (Catalão), Paulo do Vale (Rio Verde), Renato de Castro (Goianésia), Ernesto Roller (Formosa) e Fausto Mariano (Turvânia), além dos deputados estaduais José Nelto e Lívio Luciano. Apenas os dois parlamentares deixaram o partido e migraram para o Podemos.

Mesmo com a dissidência de importantes lideranças, entretanto, Daniel Vilela, seguiu com articulações em busca de aliados em prol de seu projeto, e literalmente em cima do prazo final para a homologação das convenções, fechou acordo com três partidos: PP, PHS e PRB.

A aliança fortaleceu o candidato eleitoralmente e garantiu a ele o segundo maior tempo de TV e Rádio, na frente do senador Caiado que foi cercado por siglas nanicas.

Com isso, cai por terra o principal argumento utilizado, até então, pelos emedebistas que optaram contrariar o partido. O segundo ponto bastante explorado pelos dissidentes é que Daniel agiria como “candidato laranja” da base governista, o que também não faz muito sentido, já que o candidato mantém as críticas pesadas à administração estadual e sempre tem reiterado seu posicionamento.

O Jornal Opção tentou entrar em contato com os políticos citados na reportagem, mas não obteve sucesso. Apenas o deputado José Nelto respondeu sobre a questão. Em entrevista, ele concentrou as críticas ao PP, disse que o partido “vive de migalhas do governo e é a parte podre do Centrão”. Também voltou a dizer que “Daniel não tem posição firme e nem autoridade moral para ganhar as eleições”.

1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WILLIAM ROCHA

ESSE MERDA ESSE ZÉ NELTO ATÉ ESSES DIAS ESTAVA ANDANDO COM DANIEL VILELA PARA CIMA E PARA BAIXO,AGORA VEM FALAR DO CARA,COVARDE É ELE QUE DEPENDEU A VIDA INTEIRA DO PMDB PARA SER ELEITO,AGORA VAMOS VER SE ESSE TAL PODEMOS PODE ELEGER ELE.

Eliomar Cardoso De Souza

O maior vagabundo da política goiana chama de Zé Nelto