Com renúncia de Tayrone, Gomide pode ter candidatura ao governo de Goiás cancelada

Advogado Dyogo Crosara explicou que a chapa só poderia indicar outro candidato para o cargo de Tayrone em caso de falecimento. Saída do ex-prefeito de Anápolis do pleito pode significar reeleição de Marconi em primeiro turno

Ele chegou com uma feição séria, calado. Cumprimentou os profissionais da imprensa que já o esperavam na sala das comissões, na Câmara Municipal de Goiânia, apenas com um aceno, e um “olá” baixinho. O clima tenso condizia, de fato, com a declaração que viria em seguida do vereador petista Tayrone di Martino, que colocou por água abaixo os planos do ex-prefeito Antônio Gomide (PT) ao renunciar à candidatura como vice-governador na chapa pura do PT.

Antes de se dirigir à sala, Tayrone estava reunido com Kátia Maria, que representava a executiva do PT. Depois de sentar na extremidade da mesa da sala, o vereador petista aguardou calado a introdução de seu assessor. “Ele vai fazer um pronunciamento aqui, lendo um documento que ele mesmo redigiu, e não dará entrevista. Vamos encerrar aqui”, adiantou. Tayrone sempre integrou a base do prefeito Paulo Garcia (PT), votando a favor dos seus projetos – até semana passada, quando decidiu não fazer o mesmo quanto ao projeto de alteração das alíquotas do IPTU e ITU. A aprovação do projeto era uma indicação do prefeito, que estava quase desesperado para que a proposta tramitasse o mais rápido possível. Desta forma, a alteração valeria para 2015.

Votando contra o projeto do prefeito, o vereador foi suspenso do partido, e passou a tecer várias críticas contra a administração do Paulo Garcia. Durante esse processo, o projeto sofreu algumas reviravoltas, quando foi aprovado em primeira votação e anulado. Por fim, no último domingo (28/9) o projeto foi aprovado na Câmara Municipal em sessão extraordinária na Casa.

Explicando que o projeto leva a um aumento “no escuro” do IPTU e ITU, o vereador disse acreditar que a arrecadação precisa melhorar, mas que tudo deve ser feito com diálogo e participação da sociedade. “Votei de acordo com a minha coerência, e em respeito às pessoas que me elegeram vereador desta capital”, disse em pronunciamento. Tayrone ainda sustentou que a insatisfação quanto à gestão de Paulo Garcia não é só dele. “Basta andar pelas ruas da cidade para ver que a população está cansada de tanto desmanzelo”, disse, desejando que no futuro a administração tenha sucesso, “pelo bem da cidade”. “Eu fui eleitor para ser um vereador das pessoas, e não um vereador do prefeito”, afirmou.

Quase encerrando o discurso, o petista sustentou que estaria sofrendo retaliações dentro do PT e dentro da administração, e que uma vez suspenso dentro do partido, não poderia fazer parte da chapa que disputa o governo de Goiás. “Minha desistência é uma resposta pública a perseguição e retaliações que tenho sofrido pela prefeitura e também pelo partido. Sendo assim, comunico a todos que renuncio do posto de candidato a vice-governador na chapa do partido dos trabalhadores, e me dedicarei exclusivamente ao mandato de vereador de Goiânia”, concluiu.

Com isso tudo, o maior beneficiado deverá ser o candidato à reeleição Marconi Perillo (PSDB). Isso porque segundo o advogado eleitoral Dyogo Crosara, o artigo 61 da resolução 23.405 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) garante que até 20 dias antes do pleito poderá haver uma substituição do candidato, exceto em caso de morte, quando poderá haver substituição depois dessa prazo. O advogado explicou que nesse caso, a única esperança de Gomide que Tayrone não protocole o pedido.

O advogado eleitoral Danúbio Cardoso disse ao Jornal Opção Online que provavelmente os votos de Gomide serão anulados, mas que não há possibilidade de que o nome do candidato seja retirado das urnas, já que os equipamentos já foram lacrados. Ele acredita que a executiva do PT deve recorrer de uma forma ou de outra e a candidatura de Gomide deve correr sub judice, o que vai fazer destas eleições “um caos”.

Como a maior parte dos votos que seriam dedicados ao petista devem ir para Marconi, o tucano deve ser eleito com o cancelamento da candidatura de Gomide. Mas a situação pode se complicar se, posteriormente, a Justiça eleitoral decidir validar os votos do ex-prefeito de Anápolis, criando assim uma jurisprudência.

O coordenador de campanha de Marconi Perillo Nion Albernaz diz que a situação toda é “lamentável”, já que causa prejuízos ao processo eleitoral e democrático. No entanto, ele comemora a possibilidade de vitória já em primeiro turno.

Questionado se havia possibilidade de Tayrone integrar o partido de Marconi, o assessor do vereador garantiu que não havia chance de isso ocorrer. “Não tem nem convite”, afirmou.

Veja abaixo o discurso do petista na íntegra:

OLÁ! BOA TARDE A TODOS E TODAS PRESENTES.

EU SEREI BREVE NO ANÚNCIO QUE FAREI.

É PÚBLICA A MINHA HISTÓRIA COMO MILITANTE DO PT EM GOIÂNIA. SOU FILIADO DESDE OS 16 ANOS DE IDADE, E, A PARTIR DISSO, PARTICIPEI ATIVAMENTE DE TODOS OS MOMENTOS, SEJAM OS BONS OU OS DIFÍCEIS. COMO MILITANTE, FUI ENTUSIATA DE TODOS OS AVANÇOS PELOS QUAIS O BRASIL PASSOU NOS ÚLTIMOS ANOS.

CREIO QUE TODOS ACOMPANHARAM OS FATOS OCORRIDOS NA ÚLTIMA SEMANA, AQUI NA CÂMARA MUNICIPAL. VOTEI CONTRA AS ALÍQUOTAS QUE VÃO TRAZER O AUMENTO DOS IMPOSTOS TERRITORIAIS EM GOIÂNIA.

DA FORMA QUE FOI FEITO, O PROJETO NOS LEVA A UM AUMENTO “NO ESCURO” DOS IPTU’S E ITU’S PAGOS PELOS CONTRIBUINTES, QUE JÁ PAGAM PESADOS IMPOSTOS. VOTEI DE ACORDO COM A MINHA COERÊNCIA, E EM RESPEITO ÀS PESSOAS QUE ME ELEGERAM VEREADOR DESTA CAPITAL. CREIO, SIM, QUE A ARRECADAÇÃO PRECISA MELHORAR. MAS ISTO DEVE SER FEITO COM DIÁLOGO E PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE!

A INSATISFAÇÃO COM OS CAMINHOS TOMADOS PELA ATUAL ADMINISTRAÇÃO DE GOIÂNIA NÃO É SÓ MINHA. BASTA ANDAR PELAS RUAS DA CIDADE PARA VER QUE A POPULAÇÃO ESTÁ CANSADA DE TANTO DESMANZELO. EU FUI ELEITO PARA SER UM VEREADOR DAS PESSOAS, E NÃO UM VEREADOR DO PREFEITO, QUE, ALIÁS, TAMBÉM DESEJO QUE, NO FUTURO, CONSIGA TER SUCESSO NA ADMINISTRAÇÃO, PELO BEM DA CIDADE.

O MEU VOTO E MEU POSICIONAMENTO DEMOSNTRAM A MINHA INSATISFAÇÃO COM A ATUAL GESTÃO MUNICIPAL, QUE, POR SUA VEZ, DESTOA TOTALMENTE DO QUE DEVERIA SER DO JEITO PT DE GOVERNAR. LOGO O PARTIDO DOS TRABALHADORES, QUE IMPLANTOU O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO, SE VÊ HOJE REFÉM DE UMA POSTURA SEM DIÁLOGO.

DEPOIS DE VOTAR COERENTE AOS MEUS PRINCÍPIOS E ÀS PESSOAS QUE ME CONFIARAM ESSE MANDATO DE VEREADOR, SOFRI UMA SUSPENÇÃO, INJUSTA, NO PRÓPRIO PARTIDO!

É PÚBLICO, QUE COMECEI A SOFRER RETALIÇÕES DENTRO DO PT, DENTRO DO MEU GRUPO POLÍTICO, E TAMBÉM DENTRO DA ADMINISTRAÇÃO.

POR TER A ABSOLUTA CERTEZA DE TER FEITO O CORRETO, SOMADA A FALTA DE APOIO DO PARTIDO, SINTO QUE, SUSPENSO DENTRO DO PRÓPRIO PT, POR COERÊNCIA, NÃO POSSO FAZER PARTE DA CHAPA QUE DISPUTA O GOVERNO DE GOIÁS.

MINHA DESISTÊNCIA É UMA RESPOSTA PÚBLICA A PERSEGUIÇÃO E RETALIAÇÕES QUE TENHO SOFRIDO PELA PREFEITURA E TAMBÉM PELO PARTIDO.

SENDO ASSIM, COMUNICO A TODOS QUE RENUNCIO DO POSTO DE CANDIDATO A VICE-GOVERNADOR NA CHAPA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES, E ME DEDICAREI EXCLUSIVAMENTE AO MANDATO DE VEREADOR DE GOIÂNIA.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.