Com base enfraquecida, Câmara derruba mais um veto de Iris

Apenas três parlamentares votaram pela manutenção do veto a projeto que institui política de prevenção a doenças ocupacionais

Projeto já tramita na Câmara Municipal | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

A Câmara Municipal de Goiânia derrubou, nesta quinta-feira (14/6), por 21 votos a 3,o veto do prefeito Iris Rezende (MDB) ao projeto de autoria do vereador Anselmo Pereira (PSDB) que institui a política municipal de prevenção a doenças ocupacionais dos servidores públicos de Goiânia.

Anselmo comemorou a rejeição do veto, afirmando que não entendeu a postura da prefeitura: “o projeto gera economia para o Paço, porque servidor doente custa caro para o município e falta ao trabalho”, explicou.

De acordo com ele, o projeto prevê, ainda, aposentadoria do servidor, em caso de doenças incapacitantes. “O vereador quer o bem da população e do município. Temos que acabar com essa postura do poder público, que não faz e não aceita que o Legislativo faça o que é preciso”, destacou Anselmo.

O vereador do PSDB faz parte do grupo de parlamentares que nesta semana anunciaram que, apesar de permanecerem na base do prefeito, votarão com independência os projetos de interesse do Executivo.

Muitos vereadores da base aliada se manifestaram favorável à derrubada do veto. Inclusive, o relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Welington Peixoto (MDB), deu parecer pela derrubada da decisão do prefeito.

Diante  das manifestações, o líder do prefeito Iris na Casa, Tiãozinho Porto (PROS) liberou a bancada para votação. “Já conversei com o vereador Anselmo e com os servidores sobre essa matéria. Acho que ainda está faltando análise mais profunda de alguns projetos aprovados nessa Casa. Vou voltar a falar mais uma vez com prefeito, porque acho que ainda falta uma melhor comunicação. Mas, nesse caso, libero a bancada para votar em favor da derrubada do veto”, anunciou em plenário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.