Clécio Alves: “Tenho o respeito e a confiança de Iris para ser presidente da Câmara”

Vereador reeleito do PMDB comenta suposto favoritismo de Andrey Azeredo e lembra 2012, quando foi eleito à presidência mesmo todos apostando em outros nomes

Clécio Alves, na presidência da Câmara | Foto: Alberto Maia / Câmara Municipal

Clécio Alves, na presidência da Câmara | Foto: Alberto Maia / Câmara Municipal

O vereador Clécio Alves (PMDB) reafirmou, durante entrevista ao Jornal Opção na tarde deste domingo (20/11), que é candidato a presidente da Câmara Municipal de Goiânia. Ele garante ter não somente “o respeito”, mas também “a confiança” do prefeito eleito, Iris Rezende (PMDB), para assumir o posto.

“Naturalmente, o Poder Legislativo é independente e não subserviente ao Executivo. Contudo, é necessário fazer parcerias com o prefeito para que a cidade seja bem atendida. E digo com tranquilidade: Iris é meu conselheiro, amigo e espelho político, respeito como gestor, tenho certeza que será o melhor mandato de sua história. Eu, caso venha ser chefe do poder, terei uma relação republicana e voltada à população e ao Parlamento”, garantiu.

Apesar de dada como certa a preferência do novo gestor da capital pelo vereador eleito Andrey Azeredo (PMDB), fica evidente que uma força como Clécio Alves será dificilmente derrotada. Leal, ele foi o primeiro peemedebista a declarar rompimento com o atual prefeito, Paulo Garcia (PT). Há dois anos, uma discussão sobre o reajuste do valor do IPTU/ITU motivou o afastamento — que acabou culminando na saída do PMDB da base municipal.

Desde então, o vereador — que poderia assumir mandato de deputado estadual em 2017, mas preferiu permanecer no Legislativo goianiense — tem se posicionado como um dos ferrenhos críticos da gestão petista. Após a eleição de Iris, Clécio Alves deu início as articulações para voltar ao comando da Casa. Tido como um presidente “mão de ferro”, hoje, recebe apoio até de nomes da oposição.

“Vereadores que mais fizeram oposição a minha gestão, que mais prejudicaram e tentaram me atacar, hoje se dirigem a mim com respeito e apoio. Fiz uma gestão que merece reconhecimento, me dá a humildade de acreditar que fiz muito. Saí com dignidade e de cabeça erguida”, destacou.

Questionado sobre o suposto favoritismo do ex-presidente da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT), Clécio fez questão de elogiar as qualidades do futuro colega, mas lembrou a eleição da mesa de 2012: “Naquela época, o PMDB tinha cinco vereadores, sendo que quatro eram candidatos. Quando lia os jornais, só via notas dizendo que Denício [Trindade, atualmente no Pros] e o Paulo [Borges, PR] eram favoritos, que tinham o apoio do ex-presidente Iram Saraiva, do prefeito Paulo Garcia… Qual foi o nome escolhido? O meu.”

Andrey Azeredo: é favorito? Não se sabe | Reprodução/Facebook

Andrey Azeredo: é favorito? Não se sabe | Reprodução/Facebook

O peemedebista foi o primeiro presidente da Câmara Municipal de Goiânia eleito por unanimidade, com 35 votos, e quer que o feito se repita em 2017. “Disse na tribuna e repito: quero uma chapa plural, que represente a todos os parlamentares. Oposição e situação unidas pelo bem do Legislativo. Mesmo que eu não seja o candidato, defenderei isso até o final”, afiançou.

Ainda de acordo com Clécio Alves, desde o final do segundo turno, não conversou com o prefeito eleito sobre a sucessão na Câmara. “Claro que vou procurá-lo para oficializar meu desejo mas, te digo honestamente, não conversei com ele ainda”, arrematou.

Até agora, a disputa pela presidência da Câmara Municipal de Goiânia conta com pelo menos oito postulantes: Anselmo Pereira (PSDB), Clécio Alves (PMDB), Wellington Peixoto (PMDB), Andrey Azeredo (PMDB), Dra. Cristina (PSDB), Paulinho Graus (PDT), Milton Mercêz (PRP) e Paulo Magalhães (PSD). Apenas Anselmo, Clécio e Paulinho são vistos como competitivos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.