Clécio Alves acusa vereadores de “malandragem” e bate boca toma conta da sessão

Líder do PMDB e aliados do prefeito Iris Rezende querem acelerar aprovação de projeto que beneficia grandes devedores

Os vereadores Clécio Alves, líder do PMDB, e Jorge Kajuru (PRP) se desentenderam na sessão desta quarta-feira (7/5) durante discussão sobre o projeto de lei que concede anistia de multas aos grandes devedores de impostos, de autoria do Paço Municipal.

Ao assumir a palavra, o peemedebista atacou o colega que usou as redes sociais para criticar os parlamentares que se posicionam favoráveis à polêmica matéria. “Não aceito colocar minha honra na lama. Não põe minha cara na mídia falando que recebi coisas escusas para votar o projeto não”, esbravejou.

Kajuru rebateu dizendo que tem direito de escrever o que quiser em suas redes sociais. “Sou jornalista há 40 anos. “Não afirmei nada, apenas escrevi: vereadores que são a favor da anistia fiscal atendendo o prefeito ou outros interesses ou quem quiser acreditar por suas consciências”, rebateu.

No começo da sessão, Clécio Alves se irritou com a apresentação de uma emenda da vereadora Dra. Cristina (PSDB) e acusou a oposição de “malandragem” e tentar fazer uma manobra para atrasar o projeto — de interesse da base aliada de Iris Rezende. A fala causou revolta entre os oposicionistas, como Elias Vaz (PSB), que foi tirar satisfação. Veja o vídeo abaixo:

 Bate boca na sessão desta quarta-feira (7/6)

Após a polêmica, Clécio Alves pediu que fosse retirado o termo malandragem e se desculpou, mas continuou acusando a oposição de “manobra” por pedir vistas e supostamente tentar “retardar” a proposta.

A discussão começou porque os vereadores Dra. Cristina (PSDB) e Elias Vaz (PSB) apresentaram uma emenda que garante que a isenção de multa será mantida, mas os juros do parcelamento dos impostos atrasaram variam de acordo com a quantidade de imóveis. Ou seja, quem tem menos imóveis tem melhores condições de parcelamento, quem tem mais, paga mais juros. “A ideia é favorecer quem tem menor patrimônio”, defenderam.

Na proposta da prefeitura, a taxa de juros depende só do tamanho do parcelamento, não tem essa especificidade do patrimônio. Clécio Alves se irritou porque acha que a apresentação da emenda seria uma manobra, pois, caso aprovada, o projeto voltaria para a CCJ.

A matéria encaminhada pelo prefeito Iris Rezende (PMDB) concede anistia de mora e remissão de juros do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Imposto Territorial Urbano (ITU) e Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) para contribuintes inadimplentes.

“Nós queremos é parar de beneficiar os grandes devedores, os que em vez de pagar impostos, fazem especulação e serão beneficiados. As emendas apresentadas beneficiam a população carente, o povo, que paga impostos. E digo mais: o projeto não está parado, está no tramite legal”, garantiu a presidente da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), Sabrina Garcêz (PMB).

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.