Relatório mostrou que setor solar fotovoltaico gerou cerca de 60 mil empregos no ano passado

Foto: Carla Ornelas/GOVBA

A Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar) informou nesta segunda-feira, 5, que o Brasil entrou pela primeira vez no ranking dos dez países que mais geraram emprego no setor de energia solar fotovoltaica em 2019, ocupando o oitavo lugar. A colocação deixou para trás líderes históricos do segmento, como Alemanha e Reino Unido.

O ranking é elaborado pela Agência Internacional de Energia Renovável (Irena). No relatório foi mostrado que o setor de energia renovável gerou 11,5 milhões empregos no mundo em 2019, com a participação de peso da indústria solar fotovoltaica, com 3,8 milhões de postos de trabalho.

O Brasil gerou mais de 43 mil empregos no setor solar fotovoltaico em 2019. No entanto, segundo a levantamento da Absolar — que se baseia em premissas mais abrangentes e incorporam todos os elos da cadeia de valor do setor com operações no país — a contratação total no ano atingiu a marca de 60 mil trabalhadores.

Igualdade e desenvolvimento

“De acordo com o estudo, no quesito igualdade de oportunidades, o setor de renováveis é mais inclusivo e equilibrado em relação ao gênero, com as mulheres representando 32% dos postos, valor significativamente superior ao encontrado no setor de combustíveis fósseis, em que a representatividade feminina é de apenas 21%”, disse a Absolar em nota.

O presidente da entidade, Rodrigo Sauaia, afirmou ainda que a energia solar fotovoltaica será mais estratégica para alcançarmos as metas de desenvolvimento socioeconômico e sustentável.