A alimentação do atual mandatário do país, Jair Bolsonaro (PL), custou desde o início do mandato até o momento, mais de R$ 3,5 milhões aos cofres públicos. O valor é referente às refeições de Bolsonaro durante as viagens aéreas presidenciais. O levantamento foi realizado pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO).

Conforme o político, no intervalo entre abril e 14 de novembro, o presidente gastou R$ 1 milhão com comida e bebida durante as viagens de avião. Para ele, os valores colocam em xeque a imagem de um homem simples que Bolsonaro tenta passar.

 “Esses valores absurdos. A grande verdade é que, enquanto 33 milhões de brasileiros passam fome, Bolsonaro está se refestelando com banquetes no avião. É revoltante”, conta o deputado.

Prorrogação

O parlamentar conta ainda que contrato entre a presidência e a International Meal Company Alimentação S/A, responsável pelo transporte de Bolsonaro, vem sofrendo prorrogações.

O contrato, que está disponível no Portal da Transparência, também faz com que a empresa seja responsável por fornecer refeições prontas (almoço, jantar e café da manhã), bebidas, lanches (salgados e sanduíches), petiscos (castanhas, barras de cereais e frios), frutas, doces e gelo. 

“Esse tipo de serviço não é pago com o cartão corporativo, uma vez que a empresa mantém relação contratual por meio de licitação realizada pela presidência. Ou seja, além de gastar milhões todo mês com cartão, Bolsonaro ainda usa mais dinheiro público para bancar luxos no avião presidencial”, explica o deputado. 

Cartão corporativo

Elias revelou na semana passada que, só nos meses de agosto, setembro e outubro, em plena campanha eleitoral, as despesas com cartão corporativo da presidência somaram R$9,1 milhões.