Após consumo de droga adulterada, cerca de 20 pessoas morreram na Argentina

Cerca de 74 vítimas foram internadas em oito hospitais de Buenos Aires

Segundo o porta-voz provincial de Buenos Aires, já são 20 vítimas e 74 pessoas hospitalizadas, após consumirem cocaína adulterada e sofrerem uma grave infecção. O governo argentino usou os meios de comunicação para apelarem que “aqueles que compraram drogas nas últimas 24 horas devem jogá-las fora”. As autoridades tentam localizar a substância tóxica para retirá-la de circulação.

O alerta foi feito ontem, quando várias mortes e hospitalizações por intoxicação, de diferentes graus de gravidade, ocorreram em três hospitais nos subúrbios de Hurlingham, Tres de Febrero e San Martin, em Buenos Aires. Várias vítimas disseram aos médicos que tinham usado cocaína juntos. Os hospitalizados, incluindo vários homens na faixa de 30 a 40 anos, teriam sofrido violentas convulsões e súbitos ataques cardíacos, de acordo com relatórios médicos.

O ministro da Segurança de Buenos Aires, Sergio Berni, afirmou que talvez o problema dessa cocaína seja a forma como o traficante a “corta”. “Cada traficante corta a cocaína que compra. Alguns fazem isso com substâncias não tóxicas, como amido. Outros põem alucinógenos e se não houver controle, este tipo de coisa acontece”, disse. “Quando dizemos cocaína má, não estamos falando de produto podre ou com prazo de validade vencido, mas sim composta com substância tóxica”, explicou.

As autoridades acreditam que possam haver mais mortes não registradas, de pessoas que morreram em vias públicas ou dentro de suas próprias casas por não terem conseguido pedir ajuda a tempo.

Foram realizadas operações policiais no subúrbio de Loma Hermosa, a noroeste da capital, e cerca de 12 pessoas foram detidas, de acordo com o ministro. Berni disse que sacos de cocaína foram apreendidos e que a droga cortada está sendo analisada em laboratório em La Plata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.