Após advogada, outros três presos envolvidos no caso do Imas serão ouvidos no Gaeco

Defesa de Sebasti├úo Peixoto informa que ainda n├úo ├® a vez de seu cliente depor

Foto: Divulgação

Os promotores que atuam na Opera├º├úo Fatura Final, desenvolvida pelo Grupo de Atua├º├úo Especial de Combate ao Crime Organizado do Minist├®rio P├║blico de Goi├ís, devem ouvir, nesta sexta-fira, 22, mais tr├¬s presos envolvidos no caso. O ex-presidente do ┬áInstituto de Assist├¬ncia ├á Sa├║de e Social dos Servidores Municipais de Goi├ónia (Imas), Sebasti├úo Peixoto, no entanto, ainda n├úo ser├í ouvido.

Na tarde de quinta, 21, a advogada Lu├¡za Ribeiro Fernandes foi ouvida no Gaeco e liberada ap├│s depoimento. Na segunda-feira, 25, os outros dois r├®us devem depor no MP. Os advogados do ex-presidente reiteraram inoc├¬ncia de Peixoto e continuaram defendendo que ele responda em liberdade.

“Sebasti├úo Peixoto n├úo tinha conhecimento, ├á ├®poca dos fatos, de qualquer tipo de irregularidade no contrato objeto da investiga├º├úo do GAECO. T├úo logo teve, tomou medidas imediatas, tais como o afastamento de Carlos Bahia, seu amigo e m├®dico geriatra, que sempre o acompanhou nos tratamentos com carinho e esmero”, argumenta a defesa.

Segundo os advogados, a acusa├º├úo esconde informa├º├Áes. “De acordo com a Controladoria Geral do Munic├¡pio, foram constatadas irregularidades no contrato, salvo de R$ 8 mil, os quais eram devidos. Ante o afastamento e a suspens├úo dos pagamentos, Carlos pedia, encarecidamente, que pagasse o valor que foi reconhecidamente l├¡cito. Sebasti├úo, homem justo e honesto, lutou para que esse valor fosse pago, entretanto, n├úo obteve ├¬xito. Esse ├® o enredo que a acusa├º├úo transmuda ao transcrever os ├íudios”, afirma.

“(Ele ├®) um idoso de 75 anos, acometido de problemas graves de sa├║de, poderia simplesmente ter sido afastado da Presid├¬ncia, proibido contato com os investigados e, apesar de j├í ter sido tomadas as cautelas devidas, poderia ter sido determinada a proibi├º├úo de qualquer pagamento ├á empresa investigada. Entretanto, optou-se pela medida mais dr├ística no processo penal, a submiss├úo ao c├írcere. Isso n├úo se faz!”, completam.

O presidente afastado ├® acusado de comandar organiza├º├úo criminosa que atuava no Imas e resultou em sua pris├úo e de mais cinco pessoas, entre elas Carlos Bahia, ex-diretor do instituto. Eles est├úo detidos desde quinta-feira, 21, com a deflagra├º├úo da Opera├º├úo fatura Final.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.