Após 2 dias, bombeiros resgatam corpo de 5º goiano morto em tragédia no Pantanal

Ventos fortes viraram o barco-hotel em que 21 pessoas voltavam de pescaria; 7 morreram. Quatro foram enterradas ontem em Rio Verde

Barco-hotel Carcará, virado após naufragar no Rio Paraguai | Foto: Corpo de Bombeiros (CBM-MS)

O Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul (CBM-MS) resgatou o corpo da última vítima do naufrágio no Rio Paraguai, que matou sete pessoas na sexta-feira, 15. Na ocasião, uma forte ventania virou o barco-hotel Carcará, que navegava com 21 pessoas na cidade de Corumbá (MS).

O corpo é de Fernandes Rodrigues Leão, de 49 anos, amigo das quatro pessoas da mesma família que morreram na tragédia e, como elas, também morador de Rio Verde. Também na tarde deste domingo foram sepultadas as outras quatro outras vítimas. Morreram Geraldo Alves de Souza, de 78 anos, ex-vereador e ex-presidente do Sindicato Rural de Rio Verde; seu irmão Olímpio Alves de Souza, de 71 anos; Fernando Gomes de Oliveira, genro de Olímpio, de 49 anos, e pai de Thiago Souza Gomes, de 18, que também perdeu a vida.

Da tripulação do Carcará, morreram o auxiliar de convés Mauro Rodrigues Canavarro, de 49 anos, e Vitor Celestino Francelino, de 64 anos, comandante da embarcação.

Responsável pelo resgate, o capitão Rodrigo Alves Bueno contou no início da tarde que a dificuldade era encontrar o corpo em meio aos compartimentos do barco-hotel. Pouco depois, a Marinha divulgou nota informando que as buscas foram encerradas e que “as causas e responsabilidades do acidente, sob o ponto de vista da Autoridade Marítima, serão apuradas”.

Retorno de pescaria
O barco levava 21 pessoas, os 9 tripulantes e o grupo de 12 goianos. Eles voltavam de uma pescaria quando foram surpreendidos pela ventania que atingiu toda a região de Corumbá, com rajadas fortíssimas, por volta das 14 horas da sexta-feira. Várias ocorrências foram registradas – a mais grave foi com a chalana. O naufrágio ocorreu a cerca de cinco quilômetros do Porto Geral de Corumbá.

* Com informações do portal UOL.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.