André Rocha: “Missões comerciais abrem portas para o empresariado goiano e brasileiro”

Presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Fabricação de Açúcar e de Etanol do Estado de Goiás defendeu política do governo de Goiás

Em Buenos Aires, o presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Fabricação de Açúcar e de Etanol do Estado de Goiás e do Fórum Nacional Sucroenergético, André Rocha, integrante da ala empresarial que acompanha a Missão Comercial liderada pelo governador Marconi Perillo ao Cone Sul, afirmou que essa ação do governo se mostra cada vez mais importante.

“O governador tem procurado abrir portas para o empresariado não só goiano, mas o brasileiro”, destacou. A delegação conclui nesta terça-feira a etapa argentina da missão, que começou pelo Uruguai, e segue para a terceira e última parte das rodadas de negócios, no Paraguai.

Um bom exemplo, disse Rocha, foi a reunião realizada na última segunda-feira entre a comitiva e o ministro da Agroindústria Argentina, Ricardo Buryaile, avaliada como excelente pelos empresários presentes. “Pudemos discutir pautas relativas à carne, couro, açúcar e leite. Assuntos que interessam o empresariado brasileiro de maneira geral. Assim tem sido todas as missões”, observou.

O empresário disse ainda que as missões chefiadas por Marconi procuram dar oportunidade aos empresários goianos de exportarem seus produtos, firmarem parcerias, joint ventures e também despertar o interesse de empresários locais que possam investir no Brasil, principalmente em Goiás, com geração de emprego e renda.

“Temos atraído diversas indústrias. Posso destacar, especificamente no setor sucroenergético, a ampliação da British Petroleum em Edeia, que gerou investimentos de mais de R$ 700 milhões, gerando mais de 1 mil e 500 empregos diretos”, completou.

“Essas missões estão abrindo portas, gerando interesses e fazendo com que o empresário goiano tenha cada vez mais coragem e certeza que pode continuar acreditando em um Governo que dá ferramentas para que ele possa crescer, não somente no Estado, como também no país e fora dele”, concluiu.

Economia 

Dados das federações e associações empresariais e das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico (SED) e Gestão e Planejamento (Segplan) mostram que os investimentos estrangeiros confirmados no Estado ultrapassam os R$ 4 bilhões nos últimos 22 meses terminados em julho, com projeção de geração de 34 mil empregos diretos e indiretos longo dos próximos anos.

Segundo o governo, as missões comerciais são parte da política estadual de estímulo ao desenvolvimento econômico e acumulam resultados expressivos para o crescimento do Estado nas duas últimas décadas. Esses resultados são demonstrados pela evolução dos números do Produto Interno Bruto (PIB), da balança comercial, da geração de empregos e da expansão do total de países com os quais Goiás mantém fluxo de comércio.

Nesse período, o PIB cresceu dez vezes, de R$ 17,4 bilhões, em 1998, para uma projeção de R$ 200 bilhões em 2017. O saldo da balança comercial, por sua vez, cresceu 2,3 vezes entre 2005 e 2015, de US$ 1,093 bilhão para US$ 2,515 bilhões. O número de países para os quais Goiás exporta seus produtos cresceu duas vezes e meia, de cerca de 50, em 1998, para quase 160 em 2017.

China, Holanda, Índia, Rússia, Coreia do Sul, Irã, Estados Unidos, Hong Kong, Vietnã e Itália são os principais destinos das mercadorias de Goiás, exatamente os países priorizados pelas principais missões comerciais empreendidas. O saldo da balança comercial é positivo para Goiás, com os valores exportados superando o total de importações, evidenciando a força da economia do Estado e o resultado do estímulo do Governo de Goiás à promoção do comércio exterior.

Entre os maiores investimentos estrangeiros anunciados para o Estado nos últimos meses estão Heineken, Caracal, Gerresheimer, Orico Gold, Anglo e Heinz, todos resultados das missões comerciais realizadas pelo Governo de Goiás. É o caso também de Hyundai, Suzuki e da ampliação da Mitsubishi.

Veja o vídeo:

 

Deixe um comentário

wpDiscuz