Açougueiro Marquinhos deve ser extraditado para Goiás ainda em 2014

Réu estava foragido em Portugal desde março, e resolveu se entregar à polícia lusitana no dia 7 de agosto

Clique na imagem para ampliá-la

Clique na imagem para ampliá-la

Acusado de participação no assassinato do cronista Valério Luiz em 2012, o açougueiro Marcus Vinicius Pereira Xavier, conhecido como Marquinhos, deve ser extraditado para Goiás ainda neste ano. Ele estava foragido em Portugal desde março, e resolveu se entregar à polícia lusitana no dia 7 de agosto.

Conforme informações do Instituto Valério Luiz, no último dia 13 de outubro, a Chefe da Divisão de Medidas Compulsórias do Ministério da Justiça, Sara Coutinho, enviou um ofício (à direita) à 2ª Vara Criminal de Goiânia, informando que o governo português havia deferido o pedido de extradição de Marquinhos e determinado sua entrega às autoridades brasileiras.

De acordo com o Tratado de Extradição firmado entre Brasil e Portugal, o governo lusitano tem o prazo de até 60 dias para efetuar a extradição do acusado a partir da data do deferimento do pedido de extradição.

Participação no crime

Entre todos os envolvidos na morte de Valério Luiz, Marcus Vinicius é apontado nas investigações como a pessoa com menor participação no crime. O açougueiro possuía um comércio nas proximidades da Rádio 820 AM, onde o cronista foi morto, e também era dono da motocicleta utilizada pelo policial militar Ademá Figueredo, apontado como executor de Valério. Além disso, no estabelecimento de Marquinhos, teriam sido guardadas a arma e as roupas utilizadas pelo PM logo após concluir a execução.

Marquinhos e os outros três envolvidos no assassinato – entre eles, o cartorário Maurício Sampaio, apontado como mandante do crime – chegaram a receber voz de prisão, mas, em junho de 2013, o juiz Antônio Fernandes de Oliveira concedeu habeas corpus a todos eles.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.