O senador Carlos Fávaro (PSD-MT) foi escolhido como futuro ministro da Agricultura do novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O anúncio deve ser oficializado na terça-feira, 27, junto com outros nomes.

Outros nomes como os dos deputados federais Paulo Teixeira (PT-SP) e Paulo Pimenta (PT-RS), por exemplo, são bem cotados para o Ministério das Comunicações e Secretaria de Comunicação, respectivamente, e também devem ser anunciados na terça.

A indicação de Fávaro vem no sentido de ampliar a atuação do executivo no Congresso. Nesta conta entram ainda as recentes indicações ao União Brasil e MDB.

O nome ganhou força, apesar de alguma resistência interna no agronegócio, com o endosso de Blairo Maggi. Interlocutores do empresário afirmaram ao site Metrópoles que o ex-governador do Mato Grosso e “rei da soja” apoia o nome do político para a Esplanada dos Ministérios.

Internamente, ele disputou o posto contra o ex-ministro da Agricultura, o deputado federal Neri Geller (PP-MS), que atuou no governo de Dilma Rousseff (PT).

Outro problema com o nome de Fávaro é sua suplente. A primeira suplente do senador Margareth Buzetti (PP/MT) é vista como uma fervorosa apoiadora de Jair Bolsonaro, inclusive, ela chegou a fazer parte do grupo “Mulheres com Bolsonaro” durante o segundo turno deste ano. Por isso, mais um cargo pode ser direcionado para abrigá-la, possivelmente de secretária de governo de MT.