Registro do vice-governador eleito Wanderlei Barbosa é deferido pelo TSE

Mesmo após a realização do pleito, registro de candidatura ainda não havia sido analisado em 2ª instância

Reprodução

Na sessão ordinária do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), realizada na noite de segunda-feira, (25/05), a Corte negou, por unanimidade, provimento ao agravo e manteve o registro de candidatura do deputado estadual Wanderlei Barbosa (PHS), vice-governador eleito na suplementar. Nestas circunstâncias, o parlamentar não terá quaisquer impedimentos para ser diplomado como vice-governador no dia 09/07/2018, quando o TRE-TO dará posse aos eleitos.

A candidatura de Wanderlei Barbosa foi questionada pela coligação encabeçada por Carlos Amastha (PSB), “A Verdadeira Mudança”. O grupo do pessebista argumentou que o deputado estaria inelegível por ter se filiado ao Partido Humanista da Solidariedade (PHS) apenas no início de abril, já que legislação exige filiação partidária com prazo de pelo menos seis meses antes do pleito. O TRE-TO não acatou o pleito, uma vez que consideraram a excepcionalidade da eleição suplementar e admitiram a possibilidade de mitigar o prazo de filiação partidária por se tratar de uma norma infraconstitucional.

Em Nota à imprensa, a coligação “Governo de Atitude”, declarou que foi uma “Tentativa da coligação adversária e de outros de persuadir, via imprensa, o eleitor a ter receio em votar nos candidatos vencedores do pleito por conta de um suposto indeferimento do registro de Wanderlei Barbosa. A verdade sempre prevalecerá, entretanto”.

Deixe um comentário