Em reunião de governadores, Carlesse explica a Bolsonaro a importância da TO-500

Rodovia, que tem 80 quilômetros, precisa de licença ambiental para construção e vai reduzir o transporte da safra do Mato Grosso em mais de mil quilômetros

Bolsonaro com os governadores da Amazônia Legal | Foto: Marcos Corrêa / Presidência
Bolsonaro com os governadores da Amazônia Legal | Foto: Marcos Corrêa / Presidência

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse (DEM), participou de uma reunião promovida pela Presidência da República com os governadores da Amazônia Legal, na terça-feira, 27, para discussão sobre as queimadas na região e alternativas de desenvolvimento sustentável para os estados.

Carlesse apresentou a situação do Tocantins e afirmou que cerca de 45% do território tocantinense serão preservados permanentemente em respeito à Legislação. Atualmente, o Tocantins tem 56,31% de seu território totalmente preservado.

Quanto às etnias indígenas no Tocantins, o governador alertou para a intenção dos índios de terem acesso à assistência digna para a sobrevivência, como também recursos para a melhoria na qualidade de vida. “Na verdade estão matando os índios, pois eles têm grande quantidade de terra, mas não produzem”, disse o Governador.

Ao citar a dificuldade dos índios da Ilha do Bananal, Carlesse despertou o interesse do presidente Jair Bolsonaro (PSL) no projeto da rodovia TO-500, que já lhe foi apresentado pelo atual Governador do Tocantins. “Nós precisamos da licença ambiental para a construção da rodovia. Trata-se de uma estrada que já está aberta e que vai reduzir a distância do transporte da safra do Mato Grosso em mais de mil quilômetros. Essa estrada tem 80 quilômetros apenas e vai viabilizar o desenvolvimento, não só do Tocantins como o Mato Grosso, mas também do Brasil”, afirmou o Governador.

Carlesse afirmou que os indígenas já se manifestaram favoravelmente à construção da rodovia, uma vez que irá viabilizar economicamente a região e também oferecer melhores condições de vida aos indígenas. “Os índios tem interesse na rodovia, pois ela será privatizada e uma parte do pedágio será revertida aos índios para que eles melhorem as condições de vida deles, pois hoje vivem precariamente”, afirmou o Governador.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.