O Prêmio Nobel de Medicina foi anunciado nesta segunda-feira, 2, homenageando Katalin Karikó e Drew Weissman por suas contribuições cruciais para o desenvolvimento de vacinas eficazes contra a Covid-19.

Este prestigioso prêmio, um dos mais cobiçados no mundo científico, foi concedido pela Assembleia Nobel da Universidade Médica do Instituto Karolinska, na Suécia, e inclui uma premiação de 11 milhões de coroas suecas, o que equivale a cerca de US$ 1 milhão.

Os estudos inovadores desses cientistas sobre modificações na base de nucleosídeos foram fundamentais para o desenvolvimento das vacinas de RNA mensageiro contra a Covid-19.

Segundo o órgão responsável pela premiação, “o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2023 foi atribuído a Katalin Karikó e Drew Weissman pelas suas descobertas sobre modificações de bases de nucleosídeos que permitiram o desenvolvimento de vacinas de mRNA eficazes contra a COVID-19”.

Este prêmio renomado tem uma história rica de honrar cientistas notáveis, incluindo nomes como Alexander Fleming, agraciado em 1945 por sua descoberta da penicilina, e Karl Landsteiner, reconhecido em 1930 por sua pesquisa sobre grupos sanguíneos humanos.

No ano anterior, o Nobel de Medicina foi concedido ao cientista sueco Svante Paabo, em reconhecimento à sua notável contribuição para a sequenciação do genoma do Neandertal, um parente extinto dos humanos modernos, bem como à sua descoberta de um parente humano previamente desconhecido, os denisovanos.

Nas próximas datas, outros cinco laureados serão revelados. A cerimônia de entrega dos prêmios será realizada em Estocolmo, no dia 10 de dezembro, que marca o aniversário da morte de Alfred Nobel.

Na terça-feira, 3, será anunciado o Nobel de Física, seguido pelo Nobel de Química na quarta-feira e o Nobel de Literatura na quinta-feira. Na sexta-feira, ocorrerá a divulgação do Nobel da Paz. O evento culminará na próxima segunda-feira, quando o Nobel de Economia será anunciado.