Lissauer Vieira e Paulo do Vale fazem pré-campanha perdendo apoios

Pré-candidatos do PSB e do PMDB “queimam” a largada da sucessão à Prefeitura, ao contrário de Heuler Cruvinel, do PSD, que vai conquistando lideranças

Lissauer Vieira (PSB) e Paulo do Vale (PMDB): com perda de aliados para Heuler Cruvinel, do PSD, vão começar no prejuízo a campanha pela Prefeitura de Rio Verde | Fotos: Divulgação

Lissauer Vieira (PSB) e Paulo do Vale (PMDB): com perda de aliados para Heuler Cruvinel, do PSD, vão começar no prejuízo a campanha pela Prefeitura de Rio Verde | Fotos: Divulgação

Cezar Santos

Há uma diferença básica entre os três pré-candidatos mais fortes à Prefeitura de Rio Verde. Enquanto o deputado federal Heuler Cruvinel, do PSD, angaria apoios de outros partidos, Lissauer Vieira (PSB), apoiado pelo prefeito Juraci Martins, e Paulo do Vale (PMDB) estão vendo suas forças minguarem com a desidratação de lideranças.

A mais recente conquista de peso de Heuler Cruvinel foi o PR, que estava praticamente certo na coligação do deputado estadual Lissauer Vieira. Neste domingo, 31, o PR homologa a aliança com o PSD em sua convenção. Dessa forma, Heuler aplicou um autêntico “golpe de mestre”, uma jogada que produz efeito duplo: ao mesmo tempo que se fortalece ele enfraquece o adversário.

Como se fosse pouco perder líderes que estavam com eles, Lissauer Vieira e Paulo do Vale ainda têm problemas próprios. No caso de Lissauer, o apoio do prefeito Juraci Martins é contraproducente, uma vez que a gestão municipal sofre desgaste pela falta de efetividade no segundo mandato. Já o peemedebista Paulo do Vale enfrenta problemas na Justiça, por conta justamente de sua passagem como secretário de Saúde de Juraci no primeiro mandato, o que certamente será objeto de questionamentos ao longo da campanha.

É inquestionável a importância da adesão do PR ao projeto de Heuler Cruvinel, o que foi pré-oficializado na noite de quinta-feira, 28, e será oficialmente sacramentado na convenção da sigla neste domingo, 31. O partido tem dois dos vereadores mais atuantes na Câmara, incluindo o presidente da Casa, Iran Cabral, e Eliene Me­dei­ros, uma parlamentar já no terceiro mandato e que se se firma cada vez mais como liderança na região.

A pré-campanha do PSD, que já conta com 13 partidos, vem num crescendo nas últimas semanas. Dão testemunho disso três presidentes de partidos que estavam com Lissauer Vieira: Paulo Martins, do PR; Manoel Cearense, do PSL; João Júnior, do PHS; e Volnei Marques Pereira, do PV.

Paulo Martins, presidente do PR, lembra que, a princípio, o grupo realmente estava com Lissauer Vieira, por afinidade com o prefeito Juraci Martins na época, mas que nunca houve objeção a Heuler. “Tanto que o procuramos e vamos contribuir para dar a ele todas as condições de disputar numa coligação para viabilizar seus projetos.”

O presidente do PR informa que o partido está com oito pré-candidatos a vereador — na verdade, há mais, mas esses oito têm chances reais de vitória. Lembra que Iran Cabral está no segundo mandato, vem trabalhando muito bem e tem sua reeleição garantida. Quanto a Eliene Medeiros, está no terceiro mandato, com total possibilidade de ir para mais um. “Nossa chapa é constituída de pessoas ligadas a entidades classistas, que já participaram do governo, gente com experiência na política e na administração pública. Isso soma bastante.”

Martins fala da expectativa em relação à passagem da pré-campanha à campanha propriamente dita, para o grupamento que apoia Heuler Cruvinel. Ele diz que o trabalho está tendo total ressonância com a população. Diz que esses dias acompanhou Heuler em reuniões nos distritos Lagoa do Bauzinho e na Ou­roana, visitando pessoas que trabalharam com ele no passado. Foram reuniões com mais de 200 pessoas, 300 pessoas, gente com representação ativa nos distritos.

“Na Ouroana recebemos apoio do ex-vereador Milton, do suplente de vereador Geraldo, que é candidato de novo, e várias outras lideranças comunitárias. Na Lagoa do Bazinho, dois ex-subprefeitos voltaram a ficar conosco, são pessoas que nunca perderam eleição ali, e sempre contribuíram efetivamente para quem eles apoiam”, diz Martins.

Uma medida do crescimento da campanha de Heuler Cruvinel, diz Paulo Martins, se dá nas ruas. “Acabei de chegar do salão de barbeira, lugar onde se vê as coisas, e conversando com o pessoal a opinião da maioria é que Heuler cresceu muito.”

O republicano diz que a adesão ao projeto do PSD é crescente. Segundo ele, se no começo o prefeito Juraci podia atrapalhar, porque no primeiro momento o Lissauer tinha vários partidos com ele, esse pessoal está saindo e vindo para o lado da oposição: “Vem conosco o PTC, que tem um vereador, e o SD, com dois vereadores”.

Isso ocorre, diz Paulo Martins, pela expectativa real de que Heuler está crescendo e porque caminhar com o prefeito não está sendo um bom negócio, já que há muito coisa ruim na administração municipal, além da situação de caos na saúde. “Neste segundo mandato, Juraci não fincou um tijolo sequer na cidade, não fez nada. E todo dia o Ministério Público abre um procedimento administrativo para apurar alguma irregularidade, o Tribunal de Contas põe ressalva na prestação de contas… não consigo entender o que o prefeito está fazendo com os recursos do município”, diz.

“Heuler tirou aliados dos dois adversários”

Heuler Cruvinel, do PSD: pré-campanha ganha força contra os adversários do PSB e do PMDB em Rio Verde | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Heuler Cruvinel, do PSD: pré-campanha ganha força contra os adversários do PSB e do PMDB em Rio Verde | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Manoel Cearense, presidente do PSL, também dá testemunho positivo da pré-campanha do PSD. Por sinal, ele fala do “golpe de mestre” aplicado no adversário. “O mais importante na adesão do PSL a Heuler Cruvinel é que dois ex-vereadores estavam do lado de Lissauer Vieira e, como pegamos o partido, eles não sairão candidatos. O PSL vai lançar apenas quatro candidatos a vereador, já que entramos numa coligação mais leve com um peso menor na legenda”, explica.

Na verdade, lembra Manoel, havia sete pré-candidatos a vereador, sendo dois ex-vereadores e um secretário direto do Lissauer, considerado o braço direito do deputado, o radialista Maxwell de Castro: “Esses não vão ser candidatos. Os outros pré-candidatos vieram e estão com Heuler.”

Manoel explica que ele foi do diretório do PMDB, inclusive presidente do partido, e militou nele por 32 anos. “Eu nunca tinha saído do PMDB e quando saí foi para assumir o PSL. A verdade é que o PSL estava 100% do outro lado e hoje está com Heuler Cruvinel, que nesse caso está enfraquecendo não só o Lissauer, mas também o Paulo do Vale, porque tirou aliados dos dois.”

Quanto à expectativa com a campanha, Manoel Cearense diz ter certeza que Lissauer já está fora do páreo e que Heuler ganha a eleição. Ele conta uma historinha que mostra a situação: “No domingo passado fui ao aniversário de um funcionário da prefeitura, na ABO (Associação Brasileira dos Odontólogos, secional rio-verdense), e vi o prefeito Juraci Martins sozinho numa mesa, não vi ninguém levantar para cumprimentá-lo, ninguém foi na mesa dele, uma coisa estranha, nunca tinha visto isso. O prefeito ficou lá uns 10 minutos e se retirou. Já quando Heuler chegou, todo mundo queria tirar foto com ele. Eu trabalho com comércio em Rio Verde e tenho contato com muita gente e todos os dias vejo conhecidos aderindo ao Heuler. Para se ter uma ideia, dos 45 membros do PMDB, 25 já estão com ele, como o ex-deputado Isac Portilho. Curioso que só vejo gente migrar para o Heuler, e não o contrário.

Grupo homogêneo

Manoel Cearense, presidente do PSL: “Acho que Lissauer já está fora do páreo”

Manoel Cearense, presidente do PSL: “Acho que Lissauer já está fora do páreo”

João Alves Júnior, presidente do PHS, conta que também estava com Lissauer Vieira, mas a sigla optou pelo projeto político-administrativo mais consistente de Heuler Cruvinel. E o crescimento da campanha, segundo ele, é visível. “Heuler está com um grupo bem homogêneo, muito forte. Não tenho dúvida de que ele é o candidato mais preparado para ser prefeito de Rio Verde. Posso dizer isso porque ando muito na cidade e ouço as pessoas dizerem que Heuler só perde a eleição se quiser (risos). Há um clima muito favorável para a vitória do PSD.”

Também o PV deixou as fileiras da situação para caminhar com o PSD. Volnei Marques Pereira, presidente da sigla, lembra que o PV estava se preparando para coligar com Lissauer Vieira, mas diante de um projeto mais consistente de Heuler Cruvinel, seus integrantes resolveram fechar com o PSD. Nei diz que os verdes já estão fechados no apoio ao Heuler, o que será oficializado na convenção do dia 1º.

Volnei Marques Pereira, presidente do PV: “O PSD vai ter 16, talvez 17 partidos” | Foto: Divulgação

Volnei Marques Pereira, presidente do PV: “O PSD vai ter 16, talvez 17 partidos” | Foto: Divulgação

“Temos integrantes de outros partidos que vieram se juntar a nós nessa caminhada com o PSD, como o vereador em exercício Anázio Ayrton (Anazão), uma liderança ex­pressiva. Anázio provavelmente não poderá ser candidato à reeleição, mas deve lançar sua mulher. De qualquer forma, temos já quatro pré-candidatos a vereador definidos, o que será importante para angariar votos para Heuler Cruvinel, ao mesmo tempo em que tira força do outro lado”, afirma o presidente.

Nei é ácido na crítica ao adversário apoiado pelo prefeito. “Entendemos que Lissauer é bananeira que já deu cacho, não adianta mais. Ele está perdendo apoios diariamente, porque as pessoas estão vendo que o barco lá afundou”, diz, referindo-se ao evidente fracasso da administração do patrocinador do pedessista, o prefeito Juraci Martins.

João Alves Júnior, presidente do PHS: “Projeto de Heuler é melhor que o de Lissauer” | Foto: Divulgação

João Alves Júnior, presidente do PHS: “Projeto de Heuler é melhor que o de Lissauer” | Foto: Divulgação

Sobre a gestão municipal, aliás, Nei diz que tem pesquisa encomendada pelo PV, cujo resultado saiu há uma semana, que aponta 72% de desaprovação. Baseado em sua leitura da realidade local, o presidente do PV acredita que até o dia da convenção, Lissauer deve “jogar a toalha”, ou seja, desistir de disputar a sucessão.

Nesse sentido, Nei nem vê Lissauer como adversário mais forte. “A outra questão é que o nosso adversário de fato é o Paulo do Vale, do PMDB, que também tem perdido apoios.”
Sobre a pré-campanha de Heuler Cruvinel, Nei afirma que o crescimento é visível. “Você fala com dez pessoas, oito dizem que vão votar em Heuler. Está muito claro isso em Rio Verde. O PSD vai formar uma coligação forte, com 16, talvez 17 partidos, conquistando o maior tempo de televisão, o maior número de candidatos a vereador. Vai ser uma campanha muito forte.” l

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.