Profissionais apontam SUS como a raiz da crise dos hospitais privados

O próprio sistema público deve desmoronar em poucos anos, alertam sindicalistas

Foto: Reprodução

A rede privada de saúde em Goiás sofre uma crise sem precedentes e sem saber quando e como vai terminar. Hospitais privados na capital e em Aparecida de Goiânia fecharam as portas de atendimento à população por falência financeira. Proprietários de hospitais, médicos que atendem na rede privada e entidades ligadas ao setor criticam duramente a defasagem na tabela de pagamento de serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS) às instituições privadas de saúde. E o SUS ainda é apontado por profissionais como a raiz de todos os males que prejudicaram os hospitais privados.

O presidente do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado de Goiás (Sindhoesg), José Silvério Peixoto Guimarães, desaprovou a conduta dos políticos na direção do Ministério da Saúde nos últimos anos no sentido de não conseguirem revisar a tabela de serviços pagos pelo SUS nos últimos 10 anos.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde de Goiás (Sindsaúde), Flaviane Alves Barbosa, prevê um caos irreversível aos atendimentos médicos do SUS na rede pública e de serviços prestados por hospitais particulares que recebem do governo. “Estados e prefeitura vão conseguir atender pelo SUS. As redes pública e privada vão decretar falência em breve”, alerta Flaviane.

O Brasil não investe nem 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em Saúde, lamenta a dirigente do Sindsáude, enquanto países desenvolvidos com rede de saúde pública universal, como o Canadá e Japão, investem cerca de 8%. “Estamos caminhado para acabar com o SUS. Pedimos inúmeras vezes aos deputados federais que votem por mais receita ao setor, mas não somos atendidos.”

Leonardo Vilela: “Todos os governos desde Collor têm reduzido a participação de investimento na Saúde” | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Em recente entrevista ao Jornal Opção, o secretário Estadual de Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, afirmou que apenas 42% do que é investido de recurso público na saúde vem da União. Os outros 58% vêm de Estados e municípios, que estão absolutamente asfixiados. “Em todos os governos — Sarney, Collor, Itamar, Fernando Henrique, Lula, Dilma e Temer —, independente do partido ou ideologia partidária, foram reduzindo gradativamente a participação da União no financiamento da saúde”, ressaltou Vilela.

Os hospitais privados que realizam procedimentos médicos pelo SUS demoram, em média, dois meses para receberem os honorários — quando não são pagos com atraso ainda maior. A demora no repasse atinge severamente o caixa das instituições privadas que demandam dinheiro a curto prazo, como pagamento de funcionários, impostos, manutenção de equipamento médico e predial.

O dinheiro do SUS sai primeiramente do caixa da União ao Ministério da Saúde e, só depois, aos cofres dos Estados, quando são repassados aos hospitais estaduais e às prefeituras com o objetivo de atender às instituições municipais. Esse passeio do dinheiro de cofre em cofre demora os meses ou mais. Silvério Peixoto, do Sindicato dos Hospitais Privados de Goiás, afirma que tenta abrir caminho político junto ao Ministério da Saúde e aos congressistas há anos com o intuito de revisar a tabela do SUS e tirar as pedras no caminho do dinheiro público para que chegue mais rápido ao destino final. “Esse problema do SUS não vem de hoje. Há anos conversamos com os dirigentes do Ministério da Saúde para rever essa tabela de pagamento e ninguém consegue”, frisa Silvério Peixoto.

Pressão

O SUS é subfinanciado, segundo Flaviane Alves, comparado ao atendimento universal que o sistema se dispõe a fazer. “Não há a quantidade de recursos financeiros que deveria ter pela cobertura universal que tem. De fato, a tabela é muito baixa”, admite Flaviane. A iniciativa privada entraria como parte de ajuda em alguns procedimentos de alta complexidade, mas antes deles deveriam vir as instituições filantrópicas, como diz a lei do SUS. “A rede pública não consegue acompanhar o avanço tecnológico de alta complexidade. Quando o serviço é feito direto no SUS, não tem lucro nem ganho de capital e o hospital privado precisa lucrar”, explica a presidente do Sindsaúde.

Flaviane Alves explica que a relação do sindicato no campo político é direta com os governos, que fazem pressão para melhoria do SUS. No entanto, ela critica a inércia das entidades privadas em relação à deterioração da tabela. “Eles elegeram parlamentares que votaram na Emenda Constitucional 95. É preciso pressionar o governo também.”

Os congressistas e o governo federal também adotaram medidas desgastantes ao serviço público de saúde nos últimos anos. A primeira delas, de acordo com Flaviane, foi a venda do pré-sal aos investidores financeiros. “A saúde receberia 15% dos royalties da exploração do petróleo, mas o projeto foi terceirizado pelo governo.” E a segunda foi a Emenda Constitucional 95, que estabeleceu limite de gastos em várias áreas, inclusive na Saúde.

A pressão popular trabalha como uma agulha que acorda os congressistas em votações e debates importantes na Casa. “Só assim eles funcionam. Falta vontade política demais para fazer alguma coisa. Em campanha eleitoral, todo mundo promete tudo porque afeta diretamente a vida das pessoas. Com as promessas à Saúde não é diferente”, analisa Flaviane. Para Silvério Peixoto, a única forma de resolver a crise é aumentar a tabela do SUS.

A rede privada de Goiás atende pelo menos 70% dos conveniados ao Ipasgo Saúde — sistema de atendimento aos servidores estaduais do Estado — e os outros 30% são provenientes de planos de saúde privados. Nesses 70% também entram o SUS. “Os convênios particulares pagam tabelas mais reais aos custos dos hospitais em cada procedimento, mas representam uma baixa porcentagem no caixa dos hospitais. Muitas vezes a direção de um hospital retira dinheiro desses convênios para cobrir os buracos deixados pelos convênios públicos. Entende como funciona? Se tira tudo de uma parcela baixa de convênios privados para pagar o restante, que é um custo alto, dos convênios públicos”, explica Silvério Peixoto.

O sindicalista complementa que o Ipasgo atrasou pagamentos de uns quatro meses atrás para os dias atuais. O acordo para transferência do dinheiro era de 60 dias. “Existem conversas de dificuldade financeira entre os hospitais no Estado. A situação não é tranquila para muita gente”, diz Silvério, mas sem especificar quais hospitais enfrentam essa dificuldade.

O dirigente do Sindhoesg informa que hospitais privados na Paraíba e Piauí encerram procedimentos de angioplastia e cateterismo aos pacientes do SUS que procuram a rede privada. “O médico recebe, tirando os impostos, uma média de R$ 90 por procedimento de cateterismo. O hospital privado assume os funcionários e a manutenção dos aparelhos. Um hospital gasta em média R$ 500 para realizar um cateterismo. Os procedimentos de cirurgias do abdômen, ortopédica, de vesícula, todos eles com honorários hospitalares muito baixos”, argumenta Silvério.

A média de encerramento de atividade hospitalar em Goiás não é pequena. Os hospitais São Salvador e Lúcio Rebelo, em Goiânia, faliram e o São Bernardo, em Aparecida de Goiânia, também.

O São Salvador e o São Bernardo foram adquiridos por outros grupos hospitalares e mudaram de nome. O primeiro se transformou no Centro Goiano de Oncologia (CGO). O segundo se tornou o Encore, hospital de cardiologia e radiologia.

Além desses, há o caso do Hospital Fêmina, fechado há mais de dois anos em grande parte porque não conseguiu mais pagar o aluguel do local onde funcionava, no Setor Marista, em Goiânia. O América Planos de Saúde comprou o Hospital Fêmina em 2017 e o transformou em Hospital e Maternidade Jardim América.

Hospitais privados tiram leitos do SUS

Para o presidente do Sindhoesg, José Silvério (esq.), a raiz da crise financeira na saúde é o baixo investimento do governo federal no SUS. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores do SUS, Flaviane Alves (dir.), alerta para uma reforma urgente na Saúde com risco de falência do sistema | Fotos: Divulgação

Silvério Peixoto aponta uma realidade que vem acontecendo nos últimos anos na rede privada que tem tirado leitos dos pacientes do SUS e destinado aos convênios particulares: “Quem tem 100 leitos em um hospital e tinha autorização para oferecer 50 ao SUS tem que arrumar dinheiro de outra estrutura hospitalar para bancar esses leitos públicos”.

Um médico que atende num hospital privado, mas não quis se identificar, disse que retirou leitos destinados ao SUS e os ocupou com pacientes de convênios particulares, o que também aumentou a receita do hospital.

Uma norma baixada pelo Ministério da Saúde obriga os hospitais privados a trabalharem com medicamentos genéricos por serem mais baratos, mas o órgão não dá contrapartida de remuneração desses remédios e o custo de armazenamento fica com o hospital, segundo Silvério Peixoto. “Mais uma vez os hospitais privados arcam com medidas governamentais. Os remédios precisam ser armazenados em câmaras de resfriamento e não é barato esse custo. A remuneração do SUS não acompanha a inflação e a reposição de atendimentos médicos fica cada vez mais caro.”

A cada ano que passa a rede privada deixa de manter contrato com o SUS pela baixa remuneração, que também afeta o atendimento na rede pública, sobrecarregando o atendimento e internações, segundo a presidente do Sindsaúde. “Se o sistema for melhor financiado, a tabela seria melhorada para compra de serviços privados e financiamento de hospitais públicos.”

 

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.