Durante visita oficial ao presidente dos Estados Unidos, na tarde de ontem, 10, o presidente Luís Inácio Lula da Silva afirmou, sem citar valores, que os americanos irão colaborar com o Fundo Amazônia, que foi criado há 15 anos e conta com o aporte financeiro para proteção ambiental de países como a Alemanha e a Noruega.

Uma fonte anônima da Diplomacia Brasileira que acompanha a comitiva, afirmou à Agência Reuters que o governo norte-amercano deve contribuir com cerca de US$ 50 milhões (R$ 270 milhões de reais) valor bem abaixo dos R$ 3 bilhões de reais aportados pelos países europeus que investem no fundo.

Ainda na Casa Branca, Lula e Biden reafirmou a aliança entre os dois países em prol da democracia e contra os opositores políticos radicais que militam nos dois países que sofreram ataques terroristas em instituições públicas como a Suprema Corte e o Congresso Nacional em Brasília (no caso americano o Capitólio, em Washington).

Nas entrevistas de Lula à imprensa internacional, ele declarou que Bolsonaro é uma cópia fiel do ex-presidente Donald Trump e que não pretende pedir para Biden a deportação do ex-presidente Jair Bolsonaro. “Ambos não gostam de sindicatos, não gostam do setor empresarial, não gostam de trabalhadores, não gostam de mulheres, não gostam de negros. Eu quero para ele a presunção de inocência que eu não tive”, declarou como justificativa para o não pedido de repatriação do militar reformado do Exército.

Na última quarta-feira, 8, os deputados americanos David Cicilline, Gregory Meeks e Joaquin Castro, todos do Partido Democrata, propuseram uma resolução na Câmara dos Representantes para condenar os ataques golpistas no Brasil e pedir às autoridades americanas que colaborem para responsabilizar pessoas vinculadas a esses atos que estiverem nos EUA.

Na comitiva de Lula na Casa Branca estavam os ministros Fernando Haddad (Fazenda), Marina Silva (Meio Ambiente), Mauro Vieira (Relações Exteriores) e Anielle Franco (Igualdade Racial), além do assessor especial Celso Amorim e do secretário Marcio Elias Rosa.