O Festival Caldas Country movimentou não só os amantes da música sertaneja, como também as quadrilhas criminosas. Em quatro dias de festa (1º a 4 de novembro), 22 pessoas de seis grupos distintos foram presas por furtar celulares e joias. Entre os presos, apenas cinco são mulheres. 

Leia mais:

A um dia do Caldas Country, polícia realiza operação para combater tráfico de drogas

Procon investiga Caldas Country por cancelamento do show da dupla Maiara e Maraísa

Segundo o comandante da Polícia Militar (PM), Renyson Castanheira, ao menos 10 quadrilhas oriundas de Brasília, São Paulo e Goiás atuavam nos dias de shows, sendo responsáveis por furtar cerca de 150 vítimas. Até o momento, 80 aparelhos celulares que estavam em posse dos presos foram recuperados pela corporação. 

Entre os detidos, de 19 anos e 45 anos, conforme Castanheira, está um grupo de Barretos (SP) que possui passagens por furtos em shows realizados na cidade paulista. A corporação, inclusive, trabalha para identificar as outras quadrilhas responsáveis pelos crimes no festival.

“Podemos realizar novas prisões a qualquer momento, inclusive, fora do estado. Elas [quadrilhas] viajam por todo país frequentando esses grandes eventos em grupos de cinco, seis indivíduos. Na hora de praticar o crime, os mais novos provocam tumultos, enquanto as pessoas de mais idade furtam os celulares. Depois do furto, o aparelho é entregue a uma outra pessoa que não participou da cena, que é responsável por fazer o acumulo”, explicou. 

Como recuperar o aparelho?

Os objetos furtados foram encaminhados à Delegacia de Caldas Novas. Para recuperar os bens, como os aparelhos celulares, a vítima precisa registrar uma ocorrência policial, além de comprovar por meio de notas fiscais e e-mails que o eletrônico pertence a ela. 

“É importante que a vítima registre na ocorrência o e-mail do aparelho dela. É uma das formas de identificar o telefone”, concluiu o comandante.  

Leia mais:

Governo deve lançar aplicativo que bloqueia celulares roubados

Alvo preferido da bandidagem, celular rouba a cena em investigações