O futuro ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB), trocou sua indicação para a direção-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Ele anunciou nesta quarta-feira, 21, que o cargo ficará para Antônio Fernando Oliveira.

Dino havia anunciado Edmar Camata para o cargo de diretor-geral da PRF na terça-feira, 20. Mas recuou na quarta-feira, 21, e escolheu Oliveira para a vaga. Camata sofreu críticas de petistas que o apontaram como defensor da Operação Lava Jato.

O indicado pelo ex-governador é policial rodoviário federal e tem 56 anos. Em um de seus perfis nas redes sociais, Antônio aparece com um chapéu militar na cabeça e um charuto na boca — no que parece uma alusão a Fidel Castro.

Em outro de seus perfis, Antônio exibe fotos em que declarava apoio à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência. A maior parte das publicações do indicado enaltece feitos e discursos do petista e critica a gestão do atual presidente, Jair Bolsonaro (PL).

Nascido em Salvador (BA), Antônio Oliveira mudou-se para São Luís em 1996, após concluir sua graduação em odontologia. Ele também é advogado por formação.

Após iniciar carreira pública na PRF da Bahia, ele foi transferido para Imperatriz, no Maranhão. Nos anos seguintes, trabalhou junto a Flávio Dino em seu mandato de deputado federal e, posteriormente, governador, por meio de seu trabalho na Assessoria de Planejamento do Departamento Estadual de Trânsito do Estado (DETRAN/MA).

Em 2021, ele recebeu o título de Cidadão Ludovicense (referente à capital do Maranhão, São Luís).