Yehuda Amichai: o mais celebrado poeta de Israel agora em português 

O bardo trata de assuntos do dia-a-dia e de assuntos filosóficos e do significado da vida e da morte. Suas poesias tratam de Deus e fazem referências à experiência religiosa   

Adelto Gonçalves

Especial para o Jornal Opção

Num país em que cada vez menos se lê livros impressos de boa qualidade (ou não) e há muitos mandatários que se mostram publicamente inimigos pessoais da Língua Portuguesa, não é de se admirar que nunca houvesse sido publicado aqui um livro de Yehuda Amichai (1924-2000), o mais celebrado poeta israelense dos últimos tempos, autor de mais de vinte volumes em verso e prosa traduzidos em mais de 40 idiomas. Para corrigir essa falha imperdoável, a editora Bazar do Tempo, do Rio de Janeiro, acaba de lançar a antologia “Terra e Paz — Antologia Poética” (184 páginas), com organização, tradução e notas do professor, jornalista, romancista, contista, ensaísta e poeta Moacir Amâncio.

Doutor em Língua Hebraica e Literatura Judaica pela Universidade de São Paulo (2001) e professor de Literatura Hebraica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da mesma instituição, Moacir Amâncio traduziu diretamente do hebraico e selecionou estes poemas que oferecem um rico panorama da obra de Amichai. Sem contar que, no início da década de 1980, quando andava a aprender a língua hebraica em Israel, conheceu pessoalmente o poeta em Jerusalém, a cidade histórica que ocupa espaço privilegiado em sua vasta obra.

Na apresentação que escreveu para este livro, “Para bagunçar a Bíblia: Yehuda Amichai e a reinvenção da tradição”, o tradutor, para situar o leitor, faz um histórico do processo de construção do Estado judaico na Palestina, que começou a partir do final do século 19, com o recrudescimento das perseguições ao povo de Israel, especialmente na Europa, de que o famoso Caso Dreyfus foi o fato mais significativo, tendo mobilizado o escritor francês Émile Zola (1840-1902), que escreveu o artigo “J’accuse” (“Eu acuso”), em defesa do oficial francês- judeu Alfred Dreyfus (1859-1935), acusado de traição em fraudulento processo em 1894.

Foi a essa época que o jornalista e escritor judeu austro-húngaro Theodor Herzl (1860-1904), ao testemunhar aquela fúria antissemita, decidiu lançar o movimento denominado sionismo que tinha por objetivo fundar um país onde o seu povo estivesse a salvo das agressões históricas, mas que só haveria de amadurecer em 1948, três anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), com a criação pela Organização das Nações Unidas (ONU) do Estado de Israel.

Yehuda Amichai, um dos mais importantes poetas israelenses | Foto: Reprodução

Nascido em 1924 na cidade de Würzburg, Alemanha, com o nome de Ludwig Pfeufer, em uma família judia ortodoxa, o futuro poeta acompanharia a família em 1935 em sua decisão de migrar para a Palestina, fugindo do regime nazista. E haveria de seguir vivamente desde pequeno essas vicissitudes, tendo participado como soldado das brigadas do exército britânico na Segunda Guerra Mundial em incursões no Egito e lutado na guerra de independência de Israel contra os países árabes em 1948. Depois, haveria de se naturalizar cidadão israelense, adotando o nome hebraico de Yehuda Amichai, que, segundo a tradição, afastaria as humilhações do passado que o seu povo sofrera.

Depois da guerra de 1948, estudou literatura hebraica e textos bíblicos e tornou-se professor do ensino secundário. Publicou o seu primeiro livro de poesia, “Achshav Uve-Yamim HaAharim” (“Now and in Other Days”), em 1955. A forma inovadora como utiliza a língua hebraica influenciou o hebraico moderno, a tal ponto que passou a ser considerado o poeta nacional de Israel, depois de Hayim Nachman Bialik (1783-1834), que deu início à modernização da poesia hebraica.

Assuntos do cotidiano e filosóficos

Em suas poesias, Amichai trata de assuntos do dia-a-dia e de assuntos filosóficos e do significado da vida e da morte. Muitas de suas poesias tratam de Deus e fazem referências à experiência religiosa. Como observa o tradutor na apresentação, a erudição hebraica, inclusive bíblica, de Amichai “está nos originais, nos jogos de palavras, em sugestões sutis que, de algum modo, permeiam a tradução, assim como o diálogo com a poesia de seu tempo em todo o mundo, como se vê neste poema que leva por título “Jerusalém”: “Num telhado da Cidade Velha, /o lençol branco de uma mulher inimiga, / a toalha de um ho mem inimigo / para enxergar o suor do seu rosto. (…)  /  Hasteamos muitas bandeiras, / eles hastearam muitas bandeiras. / Para pensarmos que eles são felizes. / Para pensarem que nós somos felizes”.

É a partir de Jerusalém que o poeta revive sua própria história, inclusive a de sua família, como quando diz que sua filha é mais parecida com sua mãe do que consigo e sua mulher. Ou ainda quando lembra que seu filho foi convocado pelo exército. “Quando ele vem para casa, / à noite ele se cala, depois dorme, também a menina dorme. / Eis os dois que dormem na minha casa de frente para as muralhas da Cidade Velha”.

Aclamada pelo poeta mexicano Octavio Paz (1914-1998), Prêmio Nobel de Literatura de 1990, a poesia de Amichai é voltada inteiramente para a construção da paz, resultado de uma vida permeada pelas memórias do nazismo, por perdas e conflitos que marcaram sua vida na Europa e em Israel. É o que se percebe no poema “liberar memórias rapinantes”: (…) Penso nas balas da guerra que não me mataram / porém mataram os meus amigos, / melhores do que eu porque não / continuaram a viver como eu”.

Ou ainda neste poema: “Eu não fui um dos seis milhões / que morreram na Shoá e não estive nem mesmo entre os resgatados/ nem fui um dos seiscentos mil que saíram do Egito / mas cheguei do mar à Terra Prometida, / eu não estive entre todos aqueles mas o fogo e a fumaça / ficaram em mim, e as colunas de fogo e fumaça mostram / o caminho noite e dia, restou em mim a busca insana /por uma saída de emergência e por lugares macios,  / pela nudez da terra para me abrigar dentro da fragilidade / para dentro da esperança, / restou em mim o desejo da busca / de água fresca falando em voz baixa para a rocha e batendo loucamente.

Trata-se, portanto, de “uma poesia marcadamente israelense, judaica e universal”, como se pode ver por estes versos em homenagem a Israel: “(…) O país é muito pequeno, /eu posso contê-lo dentro de mim. /A erosão do solo erode também o meu descanso / e o nível do Lago de Genesaré sempre está na minha mente. / Portanto eu posso senti-lo por inteiro ao fechar os olhos. Mar-vale-monte. /Portanto eu posso lembrar de tudo o que aconteceu nele / de uma só vez, como um homem que lembra /toda a sua vida no instante de sua morte”.

Moacir Amâncio, tradutor da poesia de Yehuda Amichai | Foto: Reprodução

O tradutor Moacir Amâncio

Nascido em Espírito Santo do Pinhal (SP), mas estabelecido na cidade de São Paulo desde jovem, Moacir Amâncio estreou na literatura com a novela “O Saco Plástico” (1974) e surpreendeu a crítica com a prosa fragmentária de “Estação dos Confundidos” (1977). Passou a maior parte de sua vida profissional nas redações dos jornais “Folha de S. Paulo”, “O Estado de S. Paulo”, “Gazeta Mercantil” e “O Globo” e das revistas “Visão” e “Shalom”.

Publicou o livro de contos “O Riso do Dragão” (1981) e “Súcia de Mafagafos” (1982), que reúne duas histórias bastante fragmentadas e com a linguagem da prosa já se misturando com a poesia. A partir de 1993, rendeu-se de vez à poesia com o livro Do objeto útil, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti. Em “Figuras na Sala” (1996), fez uma homenagem à melhor tradição modernista brasileira. Em 1997, publicou um livro de reportagens e artigos, “Os Bons Samaritanos e Outros Filhos de Israel”. Mas logo voltou à poesia com “O Olho do Canário” (1998). Em 1999, deu à luz “Colores Siguientes” em que reuniu poemas escritos em castelhano. É o livro que marca o início de uma série de peregrinações poliglotas, que vão atingir o seu auge com “Abrolhos” (2007) em que várias composições estão escritas em hebraico.

Depois, em “Contar a Romã” prestou homenagem ao idioma de Góngora (1561-1627), Quevedo (1580-1645) e Cervantes (1547-1616). Em 2001, publicou sua tese de doutoramento, “Dois Palhaços e uma Alcachofra — Uma Leitura do Romance ‘A Ressurreição de Adam Stein’ de Yoram Kaniuk” (Nankin Editorial, 280 páginas), na qual discute as diferentes formas de se ver o Holocausto em estudo sobre a obra do escritor israelense Yoram Kaniuk (1930-2013).

Em Ata (2007), reuniu seis livros de poemas publicados até então e outros inéditos, além de ensaios como “Dois palhaços e uma Alcachofra e Yona e o Andrógino — Notas Sobre Poesia e Cabala” (2010) mais a antologia por ele organizada e traduzida de poemas do israelense Ronny Someck (1951) sob o título “Carta a Fernando Pessoa” (2015). Também traduziu “Badenheim 1939” (2012), livro de Aharon Appelfeld (1932-2018), e participou da tradução dos poemas da poeta israelense Tal Nitzán (1960), incluídos no livro “O Ponto da Ternura” (2013).

É autor ainda de “O Talmud”, tradução de trechos e estudos (1995), e organizador de “Ato de Presença: Hineni” (2005), coletânea de ensaios em homenagem à professora Rifka Berezin, Kelipat Batsal. Em 2016, publicou Matula, seu sétimo livro de poesia.

Adelto Gonçalves é doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de “Gonzaga — Um Poeta do Iluminismo” ( Nova Fronteira, 1999).

Leia mais sobre Moacir Amâncio

Os diálogos com a Ibéria hebraica na poesia de Moacir Amâncio

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.