Odara

Reprodução | Tumblr

Reprodução | Tumblr

Paulo Lima
Especial para o Jornal Opção

A moça mal recebeu o folheto na calçada e já ia jogando fora quando percebeu algo que lhe interessava. “Odara, dona de muitos poderes, faz e desfaz qualquer trabalho. Traz seu amor de volta.” Obcecada, foi logo correndo ao local anunciado.

Era bem perto da sua casa. Estranhou nunca ter reparado naquela porta de ferro e vidro com uma plaquinha em cima com o mesmo nome descrito no papelzinho. Entrou. Uma senhora bem alta, gorda e sorriso de orelha a orelha, com roupas largas em tom azul escuro e laranja, cheias de pano solto e um turbante, a recebeu com as duas mãos estendidas, agarrando as dela logo na entrada.

― Como vai, querida? Em que posso lhe ajudar?

Meio sem graça, respondeu:

― Eu o li o seu folheto e queria muito…

― Já sei! Vem, senta aqui comigo. Procurou a pessoa certa!

Puxou a cadeira e se sentou de frente pra ela, numa mesinha redonda com uma bola de cristal no centro.

― Então… ― continuou ― Aqui diz, entre outras coisas…

A senhora atalhou:

― Traz seu amado de volta! É isso que você quer não?

Surpresa, de sua boca só saiu um “É…”.

O diálogo pegou ritmo de vez.

― Como ele se chama?

― Leo.

― Leonardo, Leonel…

― Só Leo.

― Tá. E há quanto tempo ele se foi?

― Dois anos.

― Muito tempo… Nunca mais soube dele?

― Não.

― Por que ele desapareceu de sua vida?

― Ah… Tenho certeza de que foi por causa daquela cachorra… Ai que ódio!

─ Não! Nada disso. O ódio não leva a lugar algum. Confie em mim. A gente traz o seu Leozinho de volta.

― E quanto isso vai me custar?

― Quanto você esta disposta a pagar?

― Se a senhora conseguir, eu juro que te dou 5 mil reais!

― Hmmmm…

A vigarista procurou se fazer de difícil, enquanto se controlava para não pegar logo a rua e ir pessoalmente atrás do desaparecido com uma coleira na mão. Cinco mil era uma senhora grana.

― Escuta, minha filha, eu preciso pensar… Tenho muitos poderes, mas dois anos é muito tempo. Não sei se consigo, mas por você eu vou fazer o possível. Vou começar os trabalhos ainda hoje, ok? Volte amanhã neste mesmo horário e falaremos mais sobre o seu amado. Pode ser?

Para quem esperava há tanto tempo, um dia a mais não faria tanta diferença.

― Pode, sim. Até amanhã.

Enquanto a moça ganhava a rua, a velhaca ia costurando um plano. “Essa tá a fim de gastar. Tenho que aproveitar a deixa. Amanhã, vou colocar mil e uma dificuldades, dobrar o preço e pedir 50% de entrada. Digo para retornar uma semana depois e faço como o tal do Leozinho: caio fora! O aluguel tá vencendo e esse ponto é muito ruim.”

No dia seguinte, uma garota entusiasmada chega, toca a campainha e já vai entrando.

― A senhora é realmente muito poderosa! Vim lhe pagar o que devo.

Abriu a bolsa e depositou três maços de notas de 100 e 50 sobre a mesa.

― Minhas amigas vão fazer fila na sua porta depois que souberem…

A velha tentava disfarçar simulando humildade, mas no fundo não estava entendendo bulhufas.

― Imagine só: acordei de madrugada e olha quem tava lá na minha varanda, fazendo serenata, feliz de me ver?

― O Leo, claro! ― emendou a bruxa, tirando proveito da situação.

― O próprio!

Dizem que a sorte acaba sorrindo pra todo mundo. Aconteceu com a dona poderosa. Um mês antes, a cachorra que havia tirado o Leozinho do caminho da mocinha havia morrido. Passado o luto, ele resolveu voltar para a sua ex. E graças à bruxa ― quer dizer, ao destino ― sua cliente e seu amado cãozinho estavam novamente em lua de mel.

Paulo Lima é redator publicitário desde 1988, caminhando para 26 anos de atividades ininterruptas. Contista por natureza, vocação ou sina, escreve desde mini contos a contos maiores. Nesse balaio, inclui algumas crônicas.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Douglas B.C.

Muito boa revira volta.
Adorei.