Bailarina portuguesa se preenche de vozes nos palcos goianos

Foto: Luís da Cruz

Foto: Luís da Cruz

Vem de Lisboa e traz consigo toda sua poética dançante. Vera Mantero (foto) dança tudo aquilo que necessita perceber, dança a vida e sua luta contínua contra o empobrecimento do espírito, do essencial. “Os Serrenhos do Caldeirão” ganha vida nos passos da bailarina portuguesa, que pesquisou a desumanização e desertificação das terras do Algarve. “Toda a peça é povoada de vozes que vêm de longe. Os tradicionais ‘ferrinhos’ são usados para reproduzir o som do silêncio, o som da serra”, diz ela. Embebida nas recolhas do etnomusicólogo Michel Giacometti, Vera tenta dar vida a tradições rurais perdidas. A solista ainda baila nas letras de poetas: “Não é só de música que se trata. É também de palavra e de terra; a palavra de um Antonin Artaud em combustão, de um Prévert martelado em jeito de poesia sonora”. Vera se apresenta no dia 1° de março, em Pirenópolis, no Teatro Pireneus; no dia 4, em Goiás, no Teatro São Joaquim; e no dia 6, em Goiânia, no Teatro Sesc.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.