Diferentemente de 2010 e 2014, Copa do Mundo deste ano não terá “clube” campeão

Além disso, uma curiosidade envolvendo Pep Guardiola coloca Brasil e Inglaterra como favoritos

A Alemanha, campeã em 2014, tinha o Bayern de Munique como base

Costuma-se dizer que os grandes clubes europeus são verdadeiras seleções, pois contam com jogadores oriundos dos mais diversos países. Por exemplo, no Barcelona, além de espanhóis e catalães, há atletas nascidos no Brasil, na Argentina, na Colômbia, no Uruguai, na França, na Alemanha, na Croácia, entre outros.

No tocante às seleções de fato, o oposto não se aplica para algumas em específico, ou seja, os jogadores não estão espalhados em diferentes times — as duas últimas campeãs mundiais, Espanha e Alemanha, saíram vitoriosas utilizando bases de determinados clubes.

Em 2010, a base da Espanha era o Barcelona. Sete jogadores da equipe catalã estavam no elenco campeão mundial: Gerard Piqué, Carles Puyol, Andrés Iniesta, Xavi Hernandez, Victor Valdés, Sergio Busquets e Pedro Rodríguez.

Em 2014, a base da Alemanha era o Bayern de Munique. Assim como o Barcelona quatro anos antes, 7 jogadores da equipe bávara estavam no elenco campeão mundial: Manuel Neuer, Jérôme Boateng, Bastian Schweinsteiger, Thomas Müller, Philipp Lahm, Toni Kroos e Mario Götze.

Pode-se dizer que Barcelona e Bayern de Munique também “ganharam” as Copas de 2010 e 2014, respectivamente. Já neste ano, nenhuma das seleções consideradas as principais favoritas — Brasil, Argentina, Espanha, França e Alemanha — terão um clube como base.

Guardiola

Curiosamente, Pep Guardiola treinava o Barcelona, em 2010, e o Bayern de Munique, em 2014. Se seguir a “lógica” de que o time comandado pelo treinador catalão servirá como base para a seleção campeã, duas equipes surgem como candidatas.

Um delas é o Brasil, que pode ter quatro jogadores do Manchester City, atual clube de Guardiola, convocados: Ederson, Danilo, Fernandinho e Gabriel Jesus — Danilo ainda busca seu espaço na lista de Tite.

A outra é a Inglaterra. A tendência é que o English Team repita o mesmo número do Brasil, sendo Kyle Walker, John Stones, Fabian Delph e Raheem Sterling os selecionáveis — desses, Delph é o que ainda luta por um espaço entre os 23. O City tem outros jogadores ingleses em seu elenco, como Tosin Adarabioyo e Phil Foden, mas estes dificilmente estarão na Copa.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.