Por Cilas Gontijo

O magnata russo Romam Abramovich ex-dono do Chelsea que viveu tempos de gloria no time inglês, está em busca de investir no futebol brasileiro. Desde quando os europeus o chutaram para fora, por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia e sua proximidade com o presidente Putin. Por esse motivo, Abramovich foi obrigado pelo governo do Reino Unido a se desfazer de todas as suas ações no clube inglês. Agora, o oligarca procura onde investir sua fortuna e, o mais provável, é que seja em território brasileiro.

Com essa moda das SAFS (Sociedade Anônima do Futebol) chegando no Brasil, esses afortunados enxergam uma grande possibilidade de multiplicar suas fortunas. Segundo informações do colunista do UOL Rafael Reis, estão na mira do russo: Palmeiras, Atlético Mineiro e São Paulo.

Atualmente temos quatro clubes da primeira divisão que já aderiram às SAFS internacionais, são eles: Bahia (Grupo City), Bota Fogo (John Textor), Bragantino (Red Bull) e o Vasco da Gama (777 Parteners). Além desses, ainda tem o Cruzeiro que é administrado pela SAF de um brasileiro, Ronaldo fenômeno.

Esse sistema de administração de clubes de futebol parece que realmente veio para ficar. O Cruzeiro é um bom exemplo disso, o time ressurgiu das cinzas ao aderir ao sistema de SAF. Outro bom exemplo, é o modesto Bragantino que desde que se aliou à Red Bull, tem se mantido entre a elite do futebol. O próprio Chelsea quando era comandado por Abramovich, em 19 anos, conquistou 21 títulos, incluindo duas edições da Liga dos Campeões da Europa.

Cilas Gontijo é estagiário do Jornal Opção em convênio com a UniAraguaia