A primeira celebração do Dia Mundial do Meio Ambiente aconteceu em 05 de junho de 1974, com o tema “Uma Só Terra”. Desde então, a data tem sido comemorada mundialmente com eventos, atividades e campanhas que promovem a conscientização e a ação em prol do meio ambiente.

Ao longo dos anos, cada celebração do Dia Mundial do Meio Ambiente tem sido guiada por um tema específico. O tema de 2024 é”Acelerar a Restauração da Terra, a Resiliência à Seca e o Progresso da Desertificação”.

Com tudo que temos vivido ultimamente, nada parece mais urgente. Na música, um dos compositores que abordou do meio ambiente em sua obra é Heitor Villa-Lobos. Um dos maiores compositores brasileiros do século XX que frequentemente incorporou elementos da natureza e da paisagem brasileira em suas composições.  

Heitor Villa-Lobos | Foto: Reprodução

Um exemplo notável é sua série de peças intitulada “Floresta do Amazonas”, uma suíte orquestral baseada na trilha sonora que ele compôs para o filme “Green Mansions” no ano de 1959. Esta obra é uma celebração da Amazônia, a floresta e sua exuberância sonora, ganham vida na obra de Villa-Lobos.

Também, em outras obras como as “Bachianas Brasileiras” e o “Ciclo Brasileiro”, Villa-Lobos captura a essência da floresta e do folclore brasileiro, revelando sua profunda conexão com a terra e sua paisagem. Ele consegue traduzir em música a vastidão e a beleza da floresta tropical, os rios sinuosos, a vida dos povos originários, criando uma espécie de sinfonia ambiental.

O compositor encontrou uma fonte inesgotável de inspiração na riqueza e a diversidade ambiental.  A música de Heitor Villa-Lobos nos convida a ouvir a natureza com mais atenção, a reconhecer sua beleza e a importância de sua preservação. Em tempos de crescente preocupação ambiental, sua obra ressoa com ainda mais relevância, lembrando-nos de que a natureza não é apenas um recurso a ser explorado, mas uma fonte de inspiração e uma parte integral de nossa identidade.

Ao recordarmos Villa-Lobos, celebramos também a potencia natural do Brasil e a urgente necessidade de proteger nosso meio ambiente. Que suas composições continuem a inspirar gerações futuras a ouvir, valorizar e preservar a sinfonia da natureza.

Isaac Karabtchevsky | Foto: Reprodução

Ouviremos de Heitor Villa-Lobos, A Floresta do Amazonas, com a Orquestra Petrobras Sinfônica, sob regência de Isaac Karabtchevsky; a soprano Mirna Rubim e o Coro Sinfônico do Rio de Janeiro.

Observe o quanto Heitor Villa-Lobos se conectou com as lendas indígenas, com as florestas, os rios, as cascatas, os pássaros, os peixes, bichos e também com a cultura dos silvícolas, dos caboclos e as lendas marajoaras para compor essa obra icônica que traduz de forma mágica a exuberância do ecossistema brasileiro.