Euler de França Belém
Euler de França Belém

William Bonner advertiu Maria Júlia? Não. Apenas pediu calma à esfuziante apresentadora do tempo

É mesmo muito difícil “controlar” talentos como o da jovem jornalista. O “tempo” ficou pequeno para ela e em muito pouco tempo

O ótimo Portal Imprensa diz que o apresentador e editor-chefe do “Jornal Nacional”, William Bonner, “advertiu” a “moça do tempo”, Maria Júlia Coutinho. Convenhamos, advertiu mesmo? Não. Maria Júlia é competente, esfuziante, inteligente e bela — com as quatro palavras “brigando” pelo primeiro lugar. Como toda pessoa cheia de vida, de energia, às vezes extrapola e, por isso, precisa ser ligeiramente contida. Mas como conter um indivíduo que, na falta de melhores palavras, pode-se dizer que se trata de uma “força da natureza”? Advertência é uma palavra muito forte e o talento não deve ser reprimido desta maneira.

William Bonner pediu, isto sim, “calma” a Maria Júlia, e num tom eminentemente amistoso. Uma forma mais de conter a pressa da apresentadora do tempo do que de adverti-la. Na verdade, fica-se com a impressão de que há muito tempo os apresentadores do “Jornal Nacional” não se divertiam tanto. Agora até nos divertem.

É evidente que o Brasil e, daí, a Rede Globo estão de olho em Maria Júlia. Breve, se for incentivada a crescer, se fortalecer seu talento, a jornalista poderá se tornar uma das apresentadoras do “Jornal Nacional”. Parece fácil, mas não é.

O apresentador de um jornal televisual, necessariamente rápido, precisa ser atento e conciso. Dirão: “Os apresentadores só leem”. Não é bem assim. E mesmo ler, com entonação e habilidade, para que a leitura não seja tediosa — e seja mais uma conversa “direta” com o telespectador —, não tem nada de fácil. Expor fatos e ideias em questão de segundos é muito difícil, e põe difícil nisto. No momento, ninguém supera William Bonner, mas, no futuro — sem desmerecer a competente e cada vez mais segura Renata Vasconcellos —, Maria Júlia poderá ser um par adequado para o Messi do telejornalismo da TV Globo.

O “tempo”, definitivamente, está ficando “pequeno” para o talento de Maria Júlia. É isto que o país está percebendo e, possivelmente, a Globo já percebeu. Mas talentos tão energéticos assustam, porque não raro são incontroláveis e às vezes se perdem nos desvãos da vaidade e da pressa de aparecer e ganhar espaço. Não parece ser o caso de Maria Júlia — uma das únicas novidades do telejornalismo nos últimos tempos… Tempos!

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
nilton rocha

Você tem razão, sem dúvida ela é talentosa mesmo. Supera em muito, por exemplo, Sandra Annemberg, do Jornal Hoje, que não se enquadra nas qualidades necessárias a um bom apresentador que você descreveu acima. Sandra não tem pontuação, faz muita questão de manifestar os próprios gostos e opiniões, tem uma preocupação excessiva com a dicção de palavras estrangeiras assim como com palavras nativas com consoantes mudas (ouvi-la pronunciar “advogado”, subprefeitura”, “advertência”, etc, é quase ridículo). Sem falar na teatralidade, que é de uma extrema canastrice.