Euler de França Belém
Euler de França Belém

Livro conta a história de uma das mais importantes livrarias de Paris, a da Rua do Odéon

Livrarias são templos pagãos e a de Adrienne Monnier conquistou a intelectualidade francesa. James Joyce circulava por lá e a editora publicou “Ulysses”

Divulgação

Livrarias são templos pagãos, mas não só para ímpios. São casas democráticas — um lugar de e para todos. Contar suas histórias é o que há de mais interessante, porque é falar da vida, da cultura, do cotidiano. Em Paris, durante 36 anos, de 1915 a 1951, La Maison des Amis des Livres, de Adrienne Monnir, encantou os franceses e leitores de vários países que visitavam a França em busca de divertimento, conhecimento, criatividade, livros e, sim, de uma atmosfera cultural inspiradora. A livraria recriou a Rua do Odéon, tornando-a famosa, icônica.

A livraria de Adrienne Monnier, mulher de vasta cultura, atraía escritores e intelectuais, como o filósofo alemão Walter Benjamin, o escritor irlandês James Joyce e os escritores franceses Paul Valéry, André Gide, Jean Cocteau e André Breton. Entre vários outros. La Maison des Amis des Livres era, claro, uma livraria — sem deixar de ser, como El Ateneo em Buenos Aires, um ponto turístico dos mais requestados.

Adrienne Monnier mantinha, além da livraria, uma editora. Ela publicou o romance “Ulysses”, de Joyce, em 1929. Era a primeira edição da obra — de 1922 — em francês.

Para conhecer um pouco mais da história da livraria-editora chega ao Brasil o livro — com capa belíssima — “Rua do Odéon” (Autêntica, 240 páginas, tradução de Julio Castañon Guimarães), de Adrienne Monnier. Merece figurar em qualquer lista, penelopiana, dos leitores patropis, como o jornalista e escritor Iúri Rincón Godinho e o crítico literário Marcelo Franco, um pedronavista de primeira linha, que, um dia, nos dará um delicioso livro de memórias…

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.