Euler de França Belém
Euler de França Belém

Jornal do Brasil volta ao formato impresso e retorna às bancas em maio

Em busca de retomar o prestígio de outra, o “Jornal do Brasil” reassume o formato impresso e seu novo dono diz que “gente importante” vai escrever em suas páginas

Omar Peres, novo dono do Piantella em Brasília, põe o “Jornal do Brasil” nas bancas em maio deste nao

Uma coisa é: jornais e revistas estão fazendo das tripas coração para viabilizarem-se na internet. Até agora, não conseguiram. Os veículos impressos faturam mais, financeiramente, do que os digitais. É isto que tem retardado os jornais de tornarem digitais de vez. Enquanto não resolvem a contradição — acesso cada vez maior versus menos dinheiro na internet —, os jornais enxugam as edições impressas e reduzem seus quadros de profissionais. Nelson Tanure, que nunca entendeu de jornalismo, ao contrário da família de Nascimento Brito, comprou o “Jornal do Brasil” e, sobretudo para reduzir custos, decidiu editá-lo exclusivamente no formato digital. Parecia moderno e, teoricamente, outros veículos deveriam seguir o mesmo caminho, o que colocaria o grande “JB” na vanguarda da mudança “bem-sucedida”. Ocorre que ninguém seguiu o pioneiro, que, no lugar de se tornar cisne, se transformou no patinho feio do jornalismo. Se já não estava bem, inclusive no impresso, o jornal ficou pior, e praticamente desapareceu, no sentido de que se fala muito da “Folha de S. Paulo”, do “Estadão” e de “O Globo”, mas o “JB” saiu dos comentários — dos bons e dos ruins. O jornalismo não pode deixar o leitor indiferente; no caso do “JB” atual, o da internet, o leitor fica inteiramente indiferente, não tem, é provável, qualquer opinião a respeito.

Cansado de ser considerado como o “fantasma da internet”, o “Jornal do Brasil”, agora na mão de novo dono, voltará ao jornalismo impresso, o que, por certo, acabará por fortalecer o jornalismo digital. O que não se deve esperar é que o “JB” volte a ser o “JB” de outrora, quando era considerado não “um” mas “o” jornal. Era o jornal referencial; existia o “JB” e os “outros”. Lá pontificaram luminares como Janio de Freitas, Ferreira Gullar, Mário Faustino, Reynaldo Jardim, Elio Gaspari, Alberto Dines, Roberto Pompeu de Toledo, Marcos Sá Corrêa, Mario Sergio Conti, Mário Pontes (ótimo crítico literário), Wilson Figueiredo, Villas-Boas Corrêa (pai de Marcos Sá Corrêa), Carlos Castelo Branco (o insuperável Castelinho), Wilson Figueiredo, Walter Fontoura. Não dá mais para montar um time com, digamos, cinco jornalistas de quilate parecido. Primeiro, há o custo, que, na verdade, é investimento, mas é visto pelo patronato como custo. Segundo, os mencionados estão acima da média (alguns morreram). Terceiro, os melhores repórteres estão empregados e talvez não queiram embarcar no que pode ser uma aventura. Quarto, como será o novo “JB”? Retornar ao passado, não dá — é óbvio. Qual será a aposta para o presente?

Sérgio Rangel, da “Folha de S. Paulo” (sábado, 18), publicou uma reportagem com informações sobre o novo destino do “JB”, que será dirigido pelo empresário Omar Peres, que, como Nelson Tanure, não tem experiência com jornalismo. Sua área básica é gastronomia. Há indícios de que, ao contrário do antecessor, vai investir mesmo em jornalismo de qualidade? Não se sabe. A indicação de um editor qualificado é o primeiro passo para saber que música vai tocar. A “Folha” não informa o nome de nenhum jornalista.

Segundo Sérgio Rangel, “o objetivo” de Omar Peres “é vender diariamente cerca de 30 mil exemplares do ‘novo JB’. Inicialmente, a publicação terá dois cadernos, um com 16 páginas e outro com seis, e aos domingos ganhará uma edição ampliada com 24 páginas no primeiro caderno”.

“Gosto de investir em ícones que ficaram na alma das pessoas e da sociedade. Por isso, nunca morrem. Acho que o ‘JB’ é a mesma coisa. Faz parte da alma desta cidade”, afirma Omar Peres. “Ex-dono de uma afiliada da Rede Globo em Minas Gerais, o empresário é proprietário de restaurantes tradicionais do Rio, como La Fiorentina e Bar Lagoa. Sua última aquisição foi o Piantella, reduto de políticos em Brasília”, afirma o empresário. No Rio de Janeiro, atua também na área imobiliária. A questão é que jornalismo é comida para o espírito — não para a pança.

“O Globo” circula no Rio, em Brasília e em São Paulo (em poucas bancas, frise-se). O “JB” não será diferente. O jornal vai circular tão-somente nas bancas do Rio e não terá serviço de assinaturas. O jornal começa a circular em maio.

“As pessoas sentem falta do jornal e queremos resgatá-las. Faremos um produto carioca que fale do Rio, que ofereça uma visão do Brasil e do mundo, mas que tenha informações exclusivas sobre o que acontece aqui”, diz Omar Peres. Na verdade, a ideia semelhante ao projeto original do “JB” (um lançador de modas e comportamentos), mas será muito difícil colocá-lo em pé de novo. Sem contar que o espaço-líder hoje está “ocupado” por “O Globo” — que melhorou muito, inclusive encampando algumas ideias do ex-concorrente e, durante algum tempo, contratando alguns de seus melhores profissionais.

O novo “JB”, se for menos pretensioso, mas sobretudo se for um bom jornal, com reportagens mais amplas e opinião equilibrada e multifacetada, já estará bem. Hoje, no Rio, não há um jornal que se possa sugerir como segundo colocado, atrás de “O Globo”. O “lugar” está vago, pois “O Dia” concorre com o “Extra!” — não com “O Globo”. Se o “JB” conseguir se tornar o segundo colocado, uma espécie de primo pobre mas charmoso (por que não oferecer uma página para Ruy Castro ou Sérgio Augusto escreverem o que quiserem?), os leitores não vão reclamar. Não precisa ser, portanto, o “JB” de outrora. Basta ser um bom jornal, bem informado, criativo, atento e, quando possível, divertido.

30 profissionais

A redação do “JB” terá 30 profissionais (a reportagem da “Folha” não especifica se são 30 jornalistas, ou, se no número, estão incluídos repórteres e fotógrafos). A sede do jornal será na Avenida Rio Branco, no centro do Rio. Omar Peres sustenta que vai investir em qualidade jornalística: “Vamos ter gente importante escrevendo”. Resta saber, quando o jornal começar a circular, o que o empresário entende por “gente importante”. No Brasil, gente importante equivale, às vezes, a estrelas (atores) de televisão.

Um dos pontos fortes do “JB”, nos tempos áureos, além da forte cobertura política, eram os textos de esporte e internacional. Na nova versão, a redação nada vai produzir nesta área, exceto, eventualmente, algum reportagem especial. “Vamos usar o material das agências. A maior parte dos assuntos de Brasília também virá dessa forma”, assinala Omar Peres. O jornal não terá correspondentes internacionais. O empresário assina, na próxima semana, “o contrato para usar a marca” do “Jornal do Brasil”.

O “JB” está fora das bancas desde 31 de agosto de 2010. Há quase sete anos. Mas, para a maioria dos brasileiros, o jornal continuará digital…

11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Carlos Gomes

Bem vindo JB. Precisamos de jornalismo de verdade. Credibilidade, apuração efetiva dos fatos, publicação de todas as versões. Nem a direita, nem a esquerda, só o fato e suas repercussões. Claro que não há isenção porém, pode haver honestidade de propósito jornalístico. Que o JB impresso venha colocando mais verdade em um ambiente vergonhoso de uma mídia que não respeita a inteligência do cidadão.

Nei Lima

Eu gostaria muito de poder participar deste jornal que eu curtia muito, principalmente pelo espaço dado aos ilustradores!

Ruy da Silveira Brito Filho

Volte com a garra de sempre, opinativo e não comprometido com o pensamento da Imprensa globalizada, idiota e comprometida com interesses internacionais

Ruy da Silveira Brito Filho

será verdade esta informação?

Antonio

Como conseguir a assinatura do Jornal impresso (Jornal do Brasil)

Leonardo Araújo Costa

Maravilhosa noticia trabalhei antigamente na gráfica do jb a jbig na penha e gostaria de voltar a fazer parte desta equipe trabalhei nas rotativas de um grande jornal do rio

Hélio Pedroso

NÃO ESQUEÇAM, POR FAVOR, DO MAURO SANTAYANA E DO TOSTÃO.

Wagner Costa

Boa noite eu como tecnico grafico e que nao so vi o sucesso desse valioso Jornal como tive a honra de imprir algumas edicoes em uma epoca boa de companheirismo entre Jornal do Brasil e o O Dia, agora fico sabendo dessa linda noticia o que me acende a esperanca de uma politica impressa melhor
Obrigado !

Idinando Borges

Uma maravilha, durante um bom tempo, meu laser aos domingos foi a leitura do JB, mesmo sendo das montanhas das Gerais. Fico feliz por ser o Sr. Omar Peres, um mineiro como muitos , ter um olhar para algo ainda tão presente na vida dos cariocas e brasileiros. Já que não circulará pelo interior do Brasil, vamos continuar online.
Parabéns!

Waldemar Araujo

Não é em maio. Volta em 25 de fevereiro

João Pereira

Alguém sabe se já iniciou a assinatura do jornal impresso? Só achei o JB online!