Euler de França Belém
Euler de França Belém

General Sylvio Frota tentou derrubar o presidente Ernesto Geisel pra barrar a Abertura

Com o apoio do deputado Siqueira Campos e do general Jayme Portella, o ministro do Exército, Sylvio Frota, articulou movimento pra impedir candidatura de João Figueiredo e depor o presidente

[Texto publicado na edição  de 25 de abril a 1º de maio de 2010]

Vis­ta sem cer­ta an­gu­la­ção, a di­ta­du­ra ci­vil-mi­li­tar (1964-1985) é ho­mo­gê­nea. Vis­ta de per­to, sem a len­te da crí­ti­ca de es­quer­da, tem fis­su­ras e os gru­pos mi­li­ta­res não eram to­dos “igua­is”. O gru­po da “Sor­bon­ne”, Cas­tel­lo Bran­co, Er­nes­to Gei­sel, Gol­bery do Cou­to e Sil­va e Jo­ão Fi­guei­re­do (que nem era mui­to sor­bo­nis­ta), pla­ne­jou de­vol­ver o po­der aos ci­vis. O gru­po de Cos­ta e Sil­va, Emi­lio Gar­ras­ta­zu Mé­di­ci e Sylvio Fro­ta tra­ba­lhou pa­ra re­tar­dar(e até impedir) a Aber­tu­ra. Em 1966, pe­lo me­nos na ver­são de al­guns mi­li­ta­res, o pre­si­den­te Cas­tel­lo Bran­co ten­tou pre­pa­rar uma cer­ta aber­tu­ra, che­gan­do a pen­sar no lan­ça­men­to de um ci­vil, co­mo Bi­lac Pin­to, ou de um mi­li­tar-quase civil, co­mo Ju­racy Ma­ga­lhã­es. Mas, pres­sio­na­do pe­la li­nha du­ra, te­ve de en­go­lir o su­ces­sor Cos­ta e Sil­va.

Ernesto Geisel e Sylvio Frota: o primeiro general ficou no Planalto (na Presidência da República) e o segundo general caiu na planície(fora do Ministério do Exército) | Foto: Reprodução

Mi­nis­tro da Guer­ra, Cos­ta e Sil­va, ape­sar da au­to­ri­da­de de Cas­tel­lo Bran­co, com­por­ta­va-se co­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro, de­sa­fi­an­do o pre­si­den­te. “Se o sr. não de­mi­tir o Cos­ta e Sil­va ime­di­a­ta­men­te, não vai po­der fa­zer is­so mais tar­de”, su­ge­riu Ju­racy Ma­ga­lhã­es. Ao “acei­tar” Cos­ta e Sil­va, Cas­tel­lo Bran­co iro­ni­zou, na ver­são da es­cri­to­ra Ra­chel de Quei­roz: “Vão sub­sti­tu­ir um pre­si­den­te sem pes­co­ço [Cas­tel­lo Bran­co] por ou­tro sem ca­be­ça [Cos­ta e Sil­va]”. Ava­li­a­ção pre­ci­sa, mas in­com­ple­ta: o pre­si­den­te não ad­mi­tiu que fal­tou-lhe tutano pa­ra bar­rar a tro­pa dos ofi­ci­ais “du­ros”. “Em de­zem­bro de 1965 a can­di­da­tu­ra de Cos­ta e Sil­va foi lan­ça­da por um inex­pres­si­vo de­pu­ta­do go­i­a­no (Aní­sio Ro­cha), le­va­do por Jayme Por­tel­la de Mel­lo ao ga­bi­ne­te do ma­re­chal”, re­la­ta o jornalista e pesquisador Elio Gas­pa­ri, em “A Di­ta­du­ra En­cur­ra­la­da” (Com­pa­nhia das Le­tras, 525 pá­gi­nas). Aní­sio Ro­cha era do MDB.

Gei­sel e Golbery, generais “socialistas”

Em 1977, Cas­tel­lo Bran­co e Cos­ta e Sil­va res­sur­gi­ram na pe­le do pre­si­den­te Er­nes­to Gei­sel e do mi­nis­tro do Exér­ci­to, Sylvio Fro­ta. A di­fe­ren­ça, abis­sal, é que Gei­sel era mais co­ra­jo­so e es­tra­te­gis­ta do que Cas­tel­lo Bran­co e Fro­ta me­nos ar­ti­cu­la­do do que Cos­ta e Sil­va. Mas, ao seu mo­do meio ata­ba­lho­a­do, Fro­ta tra­ba­lhou pa­ra mi­nar o po­der de Gei­sel e pa­ra se im­por co­mo can­di­da­to à sua su­ces­são, tentando des­ban­car o fa­vo­ri­to da cor­te, Jo­ão Fi­guei­re­do.

Fro­ta es­ta­va en­tre aque­les que ava­li­a­vam que o re­a­ta­men­to de re­la­ções di­plo­má­ti­cas com Chi­na e An­go­la era um pas­so em di­re­ção ao so­ci­a­lis­mo e não me­ro exer­cí­cio de prag­ma­tis­mo co­mer­cial e ge­o­po­lí­ti­ca (pa­la­vra ca­ra a Gol­bery). Tan­to que, ao ser in­qui­ri­do por Fro­ta, Gei­sel ex­pli­cou que, se acei­tas­se sua re­co­men­da­ção, te­ria de rom­per com a Rús­sia e o Bra­sil te­ria de se tor­nar co­lô­nia dos Es­ta­dos Uni­dos. Os ge­ne­ra­is Adyr Fi­ú­za de Cas­tro, Jo­ão Pau­lo Mo­rei­ra Bur­ni­er e Enio dos San­tos Pi­nhei­ro só fal­ta­ram di­zer que Gol­bery era agen­te da In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta. Gei­sel, se­gun­do Bur­ni­er, te­ria di­to: “Acho que de­ve­mos fa­zer um go­ver­no de cen­tro-es­quer­da”. Gol­bery, na opi­ni­ão do ra­di­cal Bur­ni­er, “era um ho­mem vol­ta­do pa­ra a área do so­ci­a­lis­mo”. A ver­são ri­sí­vel da li­nha du­ra po­de ser con­fe­ri­da no li­vro “A Vol­ta aos Quar­té­is — A Me­mó­ria Mi­li­tar So­bre a Aber­tu­ra” (Re­lu­me Du­ma­rá, 328 pá­gi­nas), organizado Celso Castro, Maria Celina D’Araujo e Gláucio Ary Dillon.

Golbery do Couto e Silva e Ernesto Geisel: os generais que articularam a queda da ditadura civil-militar | Foto: Reprodução

Quan­do per­ce­beu que Gei­sel ha­via es­co­lhi­do o su­ces­sor, Jo­ão Fi­guei­re­do, com o ob­je­ti­vo de dar con­ti­nui­da­de à Aber­tu­ra e de “ma­tar” a di­ta­du­ra, a li­nha du­ra re­a­giu e tra­ba­lhou pa­ra ava­li­zar uma pos­sí­vel can­di­da­tu­ra de Fro­ta pa­ra pre­si­den­te. To­dos os de­poi­men­tos con­sul­ta­dos con­fir­mam que, pe­lo me­nos no iní­cio, Fro­ta não que­ria ser can­di­da­to mas, pi­ca­do pe­la mos­ca azul, en­trou no jo­go, sem en­ten­der que o jo­go de Gei­sel era mui­to mais in­te­li­gen­te e fun­cio­nal. En­tre as vi­van­dei­ras que in­cen­sa­ram Fro­ta es­ta­va o de­pu­ta­do por Go­i­ás Si­quei­ra Cam­pos, cha­ma­do de “inex­pres­si­vo” por Gas­pa­ri. “Fi­ze­ram co­mi­tês, e os pi­o­res de­pu­ta­dos iam lá pres­tar-lhe so­li­da­ri­e­da­de”, ava­liou Gei­sel.

Gas­pa­ri con­ta que, ao lan­çar a can­di­da­tu­ra de Fi­guei­re­do, em ju­lho de 1977, Hum­ber­to Bar­re­to, as­ses­sor de im­pren­sa, ou­viu de Gei­sel: “Com is­so vo­cê me di­fi­cul­tou a de­mis­são do Fro­ta”. Ori­en­ta­do por Gol­bery, o pre­si­den­te da Ele­tro­brás, An­to­nio Car­los Ma­ga­lhã­es, su­ge­riu que tal­vez Gei­sel não ti­ves­se tu­ta­no pa­ra de­fe­nes­trar Fro­ta. “Ti­ro na ho­ra que qui­ser. Vo­cê não me co­nhe­ce”, re­pli­cou, fu­ri­o­so, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Fro­ta, açu­la­do por ci­vis, co­mo os de­pu­ta­dos Si­quei­ra Cam­pos e Mar­ce­lo Li­nha­res, e mi­li­ta­res, co­mo Jayme Por­tel­la e Enio Pi­nhei­ro, não pa­rou de ar­ti­cu­lar.

Ori­en­ta­do por Jayme Por­tel­la, o mes­mo que ha­via fei­to a ca­be­ça de Cos­ta e Sil­va, dez anos an­tes, Fro­ta, ho­mem de pou­cas lu­zes, ava­liou que a his­tó­ria se re­pe­ti­ria, mas en­ga­nou-se ao su­bes­ti­mar Gei­sel — que ad­mi­tia ser lei­tor de Ma­qui­a­vel — e sua ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­la­ção. Mes­mo sa­ben­do que não era o no­me de Gei­sel, e até por is­so, Fro­ta, re­ve­la Gas­pa­ri, co­me­çou a fre­quen­tar a tro­pa. Seu dis­cur­so era sem­pre o mes­mo: “con­tra Fi­guei­re­do, a aber­tu­ra e o pe­ri­go co­mu­nis­ta”. “Ele [Fro­ta] era um ho­mem mo­des­to que se cer­cou de al­guns au­xi­li­a­res mui­to mais in­te­li­gen­tes do que ele, que pro­cu­ra­ram se apro­vei­tar de­le. Me­te­ram na ca­be­ça do Fro­ta que ele é que ti­nha de sal­var o pa­ís do co­mu­nis­mo. Daí ele aca­bou en­dos­san­do a cam­pa­nha pa­ra fa­zê-lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, por in­flu­ên­cia do am­bi­en­te que ele vi­via”, his­to­ria Gei­sel.

Ernesto Geisel e João Figueiredo: a linha dura não queria o segundo como sucessor do primeiro | Foto: Reprodução

Ro­ber­to Mé­di­ci, fi­lho do pre­si­den­te Emi­lio Gar­ras­ta­zu Me­di­ci, per­gun­tou a Fro­ta: “Ge­ne­ral, o se­nhor tem co­ra­gem de as­su­mir um mo­vi­men­to con­tra Gei­sel, na sua de­ter­mi­na­ção de fa­zer Fi­guei­re­do seu su­ces­sor?” O mi­nis­tro do Exér­ci­to res­pon­deu: “Não, Ro­ber­to, te­nho co­ra­gem de, na con­ver­sa que pro­vo­ca­rei en­vol­ven­do o no­me de Fi­guei­re­do no te­ma su­ces­são, se de­sa­ca­ta­do, dar-lhe uma bo­fe­ta­da. Até um ti­ro. Mas cons­pi­rar con­tra ele, mi­nha for­ma­ção mi­li­tar me im­pe­de”. Ape­sar dos fro­tis­tas te­rem di­to que Fro­ta não era cons­pi­ra­dor, seus ali­a­dos, pe­lo me­nos, cons­pi­ra­vam o tem­po to­do con­tra a can­di­da­tu­ra de Fi­guei­re­do e, in­clu­si­ve, con­tra o go­ver­no Gei­sel. Fro­ta “ti­nha uma cis­ma mui­to gran­de, não com o ge­ne­ral Gei­sel, mas com o Jo­ão Fi­guei­re­do. Não gos­ta­va do pai de­le, Eu­cli­des, de quem fo­ra as­pi­ran­te no Re­gi­men­to de Ca­va­la­ria, no Rio de Ja­nei­ro. (…) Fro­ta não que­ria acei­tar a pos­si­bi­li­da­de de o Fi­guei­re­do ser pre­si­den­te. Quan­do sur­giu o bo­a­to de que o Fro­ta se­ria can­di­da­to, na ver­da­de o que ele que­ria era ape­nas evi­tar que o pre­si­den­te fos­se o Jo­ão Fi­guei­re­do, por­que acha­va que ele não era ca­paz pa­ra a fun­ção. O Fro­ta não que­ria ser pre­si­den­te, nun­ca pen­sou nis­so, em­bo­ra te­nham fei­to o di­a­bo pa­ra que ele acei­tas­se a can­di­da­tu­ra”, sus­ten­ta o ge­ne­ral Enio Pi­nhei­ro, um dos fro­tis­tas, e por­tan­to re­la­ti­va­men­te sus­pei­to quan­do as­se­gu­ra que o mi­nis­tro não que­ria ser can­di­da­to a pre­si­den­te. Na ava­li­a­ção de Gei­sel, Fro­ta “se tor­nou o che­fe da li­nha du­ra”, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo “li­nha bur­ra”.

Ulysses Guimarães e Tancredo Neves: o segundo teria cogitado apoiar o general Sylvio Frota mas o primeiro não quis conversa | Foto: Reprodução

Ao con­fron­tar Gei­sel, fri­san­do que acha­va “in­con­ve­ni­en­te” a can­di­da­tu­ra de Fi­guei­re­do, Fro­ta re­co­lheu uma ter­gi­ver­sa­ção do pre­si­den­te: “De mo­do al­gum is­so [a can­di­da­tu­ra de Fi­guei­re­do] pas­sa pe­la mi­nha ca­be­ça. Vo­cê po­de se tran­qui­li­zar. Eu só vou co­gi­tar da su­ces­são em 1978”.

A des­gra­ça de Fro­ta co­me­çou com seu ve­to a Fi­guei­re­do e for­ta­le­ceu-se com os er­ros co­me­ti­dos co­mo mi­nis­tro do Exér­ci­to, ao es­co­lher uma ti­gra­da in­con­tro­lá­vel pa­ra agir em São Pau­lo. Lá, de­bai­xo dos olhos do co­man­dan­te do II Exér­ci­to, Ed­nar­do D’Avi­la Mel­lo, mi­li­ta­res assassinaram o jor­na­lis­ta Vla­di­mir Her­zog e o ope­rá­rio Ma­nu­el Fi­el Fi­lho. O ge­ne­ral Ed­nar­do, afir­mou Gei­sel, foi “omis­so”. “Ele não tor­tu­ra­va, mas, por omis­são, da­va mar­gem à tor­tu­ra. Ele não es­ta­va co­man­dan­do”, con­clu­iu o pre­si­den­te. Gei­sel ata­ca­va os tor­tu­ra­do­res e man­da­va pu­ni-los, mas aos pes­qui­sa­do­res Cel­so de Cas­tro e Ma­ria Ce­li­na dis­se: “A tor­tu­ra em cer­tos ca­sos tor­na-se ne­ces­sá­ria, pa­ra ob­ter con­fis­sões… e evi­tar um mal mai­or”. Cu­ri­o­sa­men­te, em­bo­ra te­nha dei­xa­do sua tur­ma li­vre pa­ra tor­tu­rar, Fro­ta, se­gun­do Gei­sel, se­ria con­tra a tor­tu­ra.

Cons­pi­ra­ta no fe­ri­a­do atropelou Frota

Brilhante Ustra e Sebastião Curió: apoio isolado ao general Sylvio Frota | Fotos: Reproduções

Mes­mo acos­sa­do, sem ex­pli­car o des­con­tro­le de seus ali­a­dos do po­rão e sem en­ten­der que es­ta­va sen­do “ca­ça­do” por Gei­sel, Fro­ta con­ti­nua ca­ba­lan­do apoio po­lí­ti­co. “Nu­ma ban­ca­da de 204 ca­dei­ras, os fro­tis­tas acre­di­ta­vam con­tar com no­ven­ta de­pu­ta­dos. De­les, qua­ren­ta se­ri­am vo­tos cer­tos e cin­quen­ta sim­pa­ti­zan­tes. A can­di­da­tu­ra do ge­ne­ral fo­ra lan­ça­da na Câ­ma­ra por Si­quei­ra Cam­pos, um par­la­men­tar su­bal­ter­no, qua­se pi­to­res­co por sua ob­ses­são de cri­ar o Es­ta­do do To­can­tins”, des­ta­ca Gas­pa­ri. O jor­na­lis­ta-his­to­ri­a­dor sus­ten­ta que o MDB fi­cou fo­ra do pro­ces­so, mas o mi­nis­tro da Jus­ti­ça do go­ver­no Gei­sel, Ar­man­do Fal­cão, no li­vro “Tu­do a Declarar” (No­va Fron­tei­ra, 435 pá­gi­nas), re­ve­la que Tan­cre­do Ne­ves co­gi­tou apo­i­ar Fro­ta. O as­tu­to po­lí­ti­co mi­nei­ro te­ria di­to a Fal­cão: “O mi­nis­tro Sylvio Fro­ta é can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca? Per­gun­to is­to por­que ele tem a sim­pa­tia da mai­o­ria do MDB, prin­ci­pal­men­te da cú­pu­la do MDB. En­ten­de­mos que, se o ge­ne­ral Fro­ta fos­se pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, se­ria um no­vo Du­tra. Fa­ria um go­ver­no de con­ci­li­a­ção com to­das as for­ças po­lí­ti­cas”. A aná­li­se de Tan­cre­do, se dis­se is­to a Fal­cão, é de um es­tu­pi­dez to­tal, por­que Fro­ta, pe­lo con­trá­rio, que­ria con­ter a li­be­ra­li­za­ção do re­gi­me. Ulysses Gui­ma­rã­es não quis con­ver­sa com a tur­ma de Fro­ta.

Ao per­ce­ber que a can­di­da­tu­ra de Fro­ta não era fo­go de pa­lha e, so­bre­tu­do, que sua per­ma­nên­cia no go­ver­no ame­a­ça­va a Aber­tu­ra (a dis­ten­são se­gu­ra e gra­du­al) e mes­mo o go­ver­no, Gei­sel de­ci­diu agir. Co­me­çou a con­ver­sar mais ami­ú­de com mi­li­ta­res ali­a­dos so­bre o “pro­ble­ma Fro­ta”. O bri­ga­dei­ro Dé­lio Jar­dim de Mat­tos, do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal Mi­li­tar (STM), pon­tu­ou: “Sub­sti­tua o mi­nis­tro en­quan­to é tem­po”. O ge­ne­ral Reynal­do Mel­lo de Al­mei­da, do STM, te­mia uma cri­se mi­li­tar e tam­bém su­ge­riu o afas­ta­men­to de Fro­ta. De­pois de con­ver­sar com Reynal­do, Gei­sel pas­sou a noi­te acor­da­do, pen­san­do nu­ma es­tra­té­gia pa­ra re­ti­rar o mi­nis­tro do Exér­ci­to do go­ver­no com o me­nor trau­ma pos­sí­vel.

Siqueira Campos: o deputado da direita que apoiava um golpe contra o presidente-general Ernesto Geisel e contra a abertura política | Foto: Reprodução

Se Gei­sel agia, con­ver­san­do com mi­li­ta­res e re­for­çan­do ali­an­ças, Fro­ta não es­ta­va pa­ra­do. A dois in­ter­lo­cu­to­res, Fro­ta es­bo­çou “a te­se de que o Exér­ci­to não acei­ta­ria nem fi­car à mar­gem dos acon­te­ci­men­tos, nem que a hi­e­rar­quia fos­se ul­tra­pas­sa­da. O Exér­ci­to, acre­di­ta­va Fro­ta, era ele”, co­men­ta Gas­pa­ri. Fi­guei­re­do, por não ter qua­tro es­tre­las — pro­vi­den­ci­a­das com cer­ta ur­gên­cia, atro­pe­lan­do ou­tros ge­ne­ra­is —, “não” po­de­ria ser pre­si­den­te.

Ao sa­ber dos en­con­tros de Fro­ta, que ha­via “de­cla­ra­do” guer­ra, Gei­sel con­ver­sou com Gol­bery no dia 7 de ou­tu­bro de 1977, sex­ta-fei­ra, e se­la­ram o ex­pur­go do mi­nis­tro do Exér­ci­to. “Fi­que qui­e­to. Até quar­ta-fei­ra o as­sun­to es­ta­rá li­qui­da­do”, se­gre­dou Gol­bery ao ali­a­do Hum­ber­to Bar­re­to. O se­gun­do a ser avi­sa­do por Gei­sel foi o general Hu­go Abreu: “Vou ti­rar o Fro­ta”, que ha­via de­ci­di­do “ser can­di­da­to à mi­nha re­ve­lia. Ia ser o can­di­da­to dos que eram pe­la re­pres­são”.

Em Bra­sí­lia, ao ge­ne­ral Mo­ra­es Re­go, Gei­sel avi­sou: “Vou ti­rar o Fro­ta quar­ta-fei­ra, 12 [de ou­tu­bro de 1977], fe­ri­a­do. Vo­cê vai vol­tar a São Pau­lo ama­nhã pa­ra avi­sar ao [ge­ne­ral] Di­ler­man­do” (co­man­dan­te do II Exér­ci­to). Em se­gui­da, o pre­si­den­te fa­lou com o co­man­dan­te do I Exér­ci­to, Jo­sé Pon­to de Arau­jo Ra­bel­lo. Gei­sel, sem que a li­nha du­ra sou­bes­se, es­ta­va ar­ti­cu­lan­do um es­que­ma pa­ra ti­rar Fro­ta e evi­tar sua pró­pria que­da.

Dom Paulo Evaristo Arns com o general Dilermando Gomes Reis | Foto: Reprodução

Com o apoio de Hu­go Abreu, Gei­sel mon­tou um es­que­ma per­fei­to pa­ra de­fe­nes­trar Fro­ta, co­op­tan­do os mi­li­ta­res que re­al­men­te ti­nham for­ça, os que es­ta­vam nos quar­té­is, man­dan­do de fa­to, e aque­les que ain­da eram in­flu­en­tes. Em Bra­sí­lia, o co­man­dan­te mi­li­tar do Pla­nal­to, ge­ne­ral Hei­tor Fur­ta­do Ar­ni­zaut de Mat­tos, e o co­man­dan­te da 3ª Bri­ga­da de In­fan­ta­ria Mo­to­ri­za­da, ge­ne­ral Ro­ber­to Fran­ça Do­min­gues, ca­sa­do com uma fi­lha do ge­ne­ral Or­lan­do Gei­sel, ali­a­ram-se ao pre­si­den­te. “Quan­do ve­ri­fi­quei que ti­nha a mai­o­ria dos ge­ne­ra­is co­mi­go, pe­lo me­nos os ge­ne­ra­is mais gra­du­a­dos, sen­ti que era a ho­ra de afas­tá-lo”, dis­se Gei­sel. O pre­si­den­te cons­pi­rou com mes­tria.

“Ven­di­do”, Fro­ta não per­ce­beu a ara­pu­ca em que es­ta­va en­tran­do. Gei­sel ha­via de­ci­di­do, de for­ma ex­tre­ma­men­te en­ge­nho­sa, exo­ne­rá-lo no fe­ri­a­do de 12 de ou­tu­bro de 1977, o de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da. No fe­ri­a­do, os ali­a­dos do mi­nis­tro do Exér­ci­to es­ta­ri­am de­sar­ti­cu­la­dos.

O di­á­lo­go en­tre Gei­sel e Fro­ta foi ten­so.

— Fro­ta, nós não es­ta­mos mais nos en­ten­den­do. A sua ad­mi­nis­tra­ção no mi­nis­té­rio não es­tá se­guin­do o que com­bi­na­mos. Além dis­so vo­cê é can­di­da­to a pre­si­den­te e es­tá em cam­pa­nha. Eu não acho is­so cer­to. Por is­so pre­ci­so que vo­cê pe­ça de­mis­são.

— Eu não pe­ço de­mis­são — res­pon­deu Fro­ta.

— Bem, en­tão vou de­mi­ti-lo. O car­go de mi­nis­tro é meu, e não de­po­si­to mais em vo­cê a con­fi­an­ça ne­ces­sá­ria pa­ra man­tê-lo. Se vo­cê não vai pe­dir de­mis­são, vou exo­ne­rá-lo.

Na ver­são do ge­ne­ral Enio Pi­nhei­ro, Gei­sel “qua­se agre­diu” Fro­ta. Ver­são con­tes­ta­da pe­lo ge­ne­ral Fran­ça Do­min­gues.

Ba­ta­lha do ae­ro­por­to: Frota na chapada

Ao ca­ir, Fro­ta ten­tou le­van­tar-se ra­pi­da­men­te. Con­vo­cou uma re­u­ni­ão do Al­to-Co­man­do e ou­tros ge­ne­ra­is. Ali­a­do de Fro­ta, o te­nen­te-co­ro­nel Car­los Al­ber­to Bri­lhan­te Us­tra, o “Ma­jor Ti­bi­ri­çá” do DOI, re­ce­beu a in­cum­bên­cia de bus­car os ge­ne­ra­is no ae­ro­por­to de Bra­sí­lia. Ao seu la­do, o ma­jor Se­bas­ti­ão Ro­dri­gues de Mou­ra, o Cu­rió da Guer­ri­lha do Ara­gu­aia.

No ae­ro­por­to, tra­vou-se uma guer­ra qua­se sur­da. De um la­do, Bri­lhan­te Us­tra, Cu­rió e seus ali­a­dos do Cen­tro de In­for­ma­ções do Exér­ci­to (CIE), in­for­man­do que Fro­ta es­pe­ra­va os ge­ne­ra­is no seu ga­bi­ne­te, no quar­tel-ge­ne­ral. O tom era, ain­da, de de­sa­fio aber­to. Do ou­tro la­do, os ali­a­dos do pre­si­den­te, co­mo Hei­tor Aqui­no Fer­rei­ra.

O pri­mei­ro a che­gar, o co­man­dan­te do II Exér­ci­to, o ge­ne­ral Di­ler­man­do Go­mes Mon­tei­ro, ig­no­rou a li­nha du­ra: “Us­tra, vo­cê di­ga ao Fro­ta que vou aten­der a um cha­ma­do do pre­si­den­te e de­pois te­le­fo­no”.

O se­gun­do, o di­re­tor do Ma­te­ri­al Bé­li­co, Ar­nal­do Cal­de­ra­ri, ami­go de Fro­ta, não deu ou­vi­dos a Us­tra. Um co­ro­nel es­cla­re­ceu: “Us­tra, ele vai fa­lar com o pre­si­den­te”. Fro­ta foi dei­xa­do na cha­pa­da pe­los ex-co­man­da­dos, que op­ta­ram pe­lo po­der e pe­la hi­e­rar­quia. “Ape­nas um ofi­ci­al fi­cou com Fro­ta. Foi o ge­ne­ral-de-exér­ci­to Vi­ní­ci­us Na­za­ré No­tá­rie” (Ve­ni­ti­us Na­za­reth No­ta­re, no li­vro de Gas­pa­ri), re­la­tou Enio Pi­nhei­ro.

En­tre­tan­to, os fro­tis­tas não de­sis­ti­ram. “Pen­sei que po­de­ria ha­ver no Bra­sil uma re­vo­lu­ção san­gren­ta, fe­roz e com mor­tes”, apos­tou Enio Pi­nhei­ro. Mi­li­ta­res “mos­tra­ram mais de 300 co­que­té­is mo­lo­tov no chão e ex­pli­ca­ram [a Fro­ta]: ‘O se­nhor es­tá ven­do is­so aqui. Sa­be o que é? É pa­ra de­fen­dê-lo e ata­car o pa­lá­cio” (do Pla­nal­to), re­ve­la Enio Pi­nhei­ro. “Não ha­via gra­na­das por­que es­ta­va tu­do fe­cha­do. Era fe­ri­a­do. Tí­nha­mos de im­pro­vi­sar.” Fro­ta te­ria res­pon­di­do: “Não fa­çam is­so”. O pre­si­den­te Me­di­ci, fa­vo­rá­vel a Fro­ta, te­ria di­to, na ver­são de Enio Pi­nhei­ro: “Põe água na ca­be­ça. Põe água pa­ra es­fri­ar a ca­be­ça”. Fro­ta as­sen­tiu: “Tu­do bem. É is­so mes­mo. Aca­bou”.

Na ver­são de Gei­sel, “no mi­nis­té­rio, Fro­ta es­ta­va pro­cu­ran­do ga­nhar tem­po, re­lu­tan­do em pas­sar o car­go ao no­vo mi­nis­tro no­me­a­do, o ge­ne­ral [Fer­nan­do Bel­fort] Bethlem. O ge­ne­ral Po­ti­gua­ra foi a ele e dis­se: ‘Fro­ta, dei­xa de bo­ba­gem e pas­sa lo­go es­se mi­nis­té­rio’”.

Gei­sel ava­liou que Fro­ta ha­via si­do “cap­tu­ra­do” por sua teia de aço e, por is­so, não te­ve co­mo re­a­gir. “Se, por exem­plo, a guar­ni­ção do Bra­sí­lia não es­ti­ves­se sen­do con­tro­la­da pe­lo ge­ne­ral Fran­ça, al­guém po­de­ria que­rer do­mi­ná-la e lan­çá-la ao ata­que do Pla­nal­to. Mas is­so não ti­nha pro­ba­bi­li­da­de de acon­te­cer. Eu ti­nha o meu es­que­ma de se­gu­ran­ça, com o co­ro­nel Ger­ma­no Pe­dro­so, que es­ta­va de­vi­da­men­te aler­ta­do”, con­tou Gei­sel a Cel­so de Cas­tro e Ma­ria Ce­li­na. “To­das as tro­pas de Bra­sí­lia es­ta­vam com o Fro­ta e fo­ram se apre­sen­tar ao mi­nis­tro pa­ra sa­ber o que fa­zer”, di­ver­ge Enio Pi­nhei­ro. A ver­são de Gei­sel, an­co­ra­da nos fa­tos, pa­re­ce mais pró­xi­ma da re­a­li­da­de.

Mas é fa­to que al­guns mi­li­ta­res co­gi­ta­ram in­va­dir o Pa­lá­cio do Pla­nal­to e pren­der Gei­sel, o que pro­va que a li­nha du­ra, em­bo­ra te­nha si­do sur­pre­en­di­da por um es­tra­te­gis­ta de pri­mei­ra, ain­da era re­la­ti­va­men­te for­te. A li­nha du­ra su­bes­ti­mou Gei­sel e, em po­lí­ti­ca e na guer­ra, su­bes­ti­mar ad­ver­sá­rios e ini­mi­gos for­tes é o pri­mei­ro ca­mi­nho pa­ra a der­ro­ta. Ao mes­mo tem­po, fi­ca evi­den­ci­a­do que a di­ta­du­ra foi he­te­ro­gê­nea e que al­guns mi­li­ta­res não que­ri­am man­tê-la por tem­po in­de­fi­ni­do nem com­pac­tu­a­vam totalmente com a vi­o­lên­cia dos ho­mens que man­da­vam e des­man­da­vam nos po­rões (aliás, os porões, se oficiais, nem eram tão porões assim).

Ao ven­cer, der­ru­ban­do, de vez, a li­nha du­ra — aten­ta­dos co­me­ti­dos por seus in­te­gran­tes, mais tar­de, re­ve­la­vam mais de­ses­pe­ro e pro­vo­ca­ção de quem es­tá nos es­ter­to­res do que vi­ta­li­da­de —, Gei­sel pos­si­bi­li­tou a con­ti­nui­da­de da Aber­tu­ra, abrin­do ca­mi­nho pa­ra o re­tor­no dos ci­vis ao po­der. So­bre­tu­do, co­mo as­si­na­la Gas­pa­ri, “Gei­sel res­ta­be­le­ce­ra a au­to­ri­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca so­bre as For­ças Ar­ma­das”.

Candidato civil de Geisel era o Tancredo Neves da Arena

Petrônio Portella: “quase” sucessor de Geisel | Foto: Reprodução

Er­nes­to Gei­sel era um ho­mem ob­sti­na­do. Ob­ser­vou de­ti­da­men­te o go­ver­no de Cas­tel­lo Bran­co, a quem ad­mi­ra­va, e des­co­briu que não fez o su­ces­sor de seu agra­do, um ci­vil ou um mi­li­tar, por­que su­bes­ti­mou Cos­ta e Sil­va. Por is­so não co­me­teu o mes­mo er­ro. Des­de o iní­cio, con­tan­do com o apoio de Gol­bery do Cou­to e Sil­va (ar­ti­cu­la­dor po­lí­ti­co de ori­gem mi­li­tar, mas re­jei­ta­do pe­la mai­o­ria dos mi­li­ta­res) e Pe­trô­nio Por­te­la (ar­ti­cu­la­dor po­lí­ti­co ci­vil), pro­je­tou a can­di­da­tu­ra de Jo­ão Fi­guei­re­do, que, mais tar­de, no po­der o de­sa­gra­dou. Mas, mes­mo tur­rão, deu con­ti­nui­da­de à Aber­tu­ra.

Hou­ve um mo­men­to em que, as­sim co­mo acon­te­ceu com Cas­tel­lo Bran­co (que pla­ne­jou apo­i­ar Bi­lac Pin­to), pen­sou em lan­çar um ci­vil a pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. “Um ho­mem que, na mi­nha opi­ni­ão, po­de­ria ser pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca era o Pe­trô­nio. Era um no­me da pri­mei­ra or­dem. Mas a opi­ni­ão de to­dos [mi­li­ta­res e ci­vis] era de que o pró­xi­mo pre­si­den­te ain­da de­ve­ria ser um mi­li­tar”, con­tou Gei­sel aos pes­qui­sa­do­res Cel­so Cas­tro e Ma­ria Ce­li­na D’Arau­jo, no li­vro “Er­nes­to Gei­sel” (Fundação Getúlio Vargas”, 494 páginas).

O cu­ri­o­so é que tan­to Fro­ta quan­to Gei­sel ti­nham seu Por­tel­la. O de Fro­ta era o ve­lho cons­pi­ra­dor Jayme Por­tel­la, ge­ne­ral; o de Gei­sel, Pe­trô­nio Por­tel­la, o Tan­cre­do Ne­ves da Are­na.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.