Euler de França Belém
Euler de França Belém

Bernardo Pasqualette vai publicar livro sobre o assassinato da atriz Daniella Perez

No dia 28 de dezembro de 2022 fará 30 anos que Daniella Perez foi assassinada. Ao ser morta em 1992, a atriz tinha apenas 22 anos. Se viva, teria 51 anos

Daniella Perez: assassinada aos 22 anos | Foto: Reprodução

O jornalista e pesquisador Elio Gaspari, autor de cinco livros cruciais sobre a ditadura civil-militar, não se entusiasmou pelo governo de João Baptista de Oliveira Figueiredo (1979-1985), o último ditador. Porque não lhe confere nenhuma importância. Entretanto, com todos os problemas de seu governo, alguns derivados de sua personalidade, Figa-Bagual levou o país à Abertura, ao fim de seu governo. É seu principal mérito. Percebendo a lacuna, o advogado e pesquisador Bernardo Braga Pasqualette escreveu um livro notável, “Me Esqueçam — Figueiredo: A Biografia de uma Presidência” (Record, 797).

O livro de Bernardo Pasqualette é tão bem escrito e acessível, com uma pesquisa rigorosa — se a apresentasse como tese de doutorado seria aprovada com “distinção” e “louvor” —, que um diretor de cinema atento certamente encontrará nas suas páginas um roteiro preciso para um filme (ou mais filmes).

Guilherme de Pádua e Paula Thomaz: os assassinos de Daniella Perez

Irrequieto e criativo, Bernardo Pasqualette se prepara para lançar mais um livro, “Daniella Perez — Whishing on a Star” (Record). O título, assinala Marta Szpacenkopf, de “O Globo”, é uma referência a uma música da novela “De Corpo e Alma” (a música da personagem Yasmin, vivida por Daniella Perez). A atriz foi assassinada quando fazia a novela, escrita por sua mãe Gloria Perez.

Daniella Perez, bela e competente atriz, foi morta pelo ex-ator Guilherme de Pádua, com o apoio de sua então mulher, Paula Thomaz. Os dois foram presos e condenados. O título do livro de Pasqualette é muito bom, mas, se fosse “A Marca da Maldade — O Assassinato da Atriz Daniella Perez”, não ficaria ruim.

Pasqualette escarafunchou processos judiciais, arquivos públicos e reportagens de jornais, revistas e de emissoras de televisão. Segundo “O Globo”, o pesquisador “quer ainda ouvir as três partes envolvidas na história: a família de Daniella e os condenados pelo crime”.

No dia 28 de dezembro de 2022 fará 30 anos que Daniella Perez foi assassinada. Ao ser morta em 1992, a atriz tinha apenas 22 anos. Se viva, teria 51 anos.

O livro será, por certo, um dos best-sellers de 2022.

Leia sobre Paulo Thomaz e o esquecimento

Mulher que ajudou a matar a atriz Daniella Perez não tem direito ao esquecimento, diz STJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.