Há que se ter cuidado com os heróis. O ex-delegado da Polícia Federal e ex-deputado do PCdoB Protógenes Queiroz, na ânsia de aparecer nos jornais e televisões como paladino da honestidade, acabou pondo a perder a Operação Satiagraha, e foi o único condenado na história toda. Paga pena por violação qualificada do sigilo funcional, além de ter perdido o cargo de delegado.

O trapalhão gastou um mundo de dinheiro público, não obteve qualquer resultado prático e se encalacrou. Os integrantes do Ministério Público do Trabalho, que adoram encontrar um trabalhador em condições precárias de alojamento em fazendas e fazem barulho na frente das televisões, apontando fazendeiros como culpados de “trabalho escravo”, sabendo que isso agrada aos petralhas, fazem que não veem os milhares de médicos cubanos recebendo uma pequena fração de seu salário e fiscalizados por esbirros de sua ditadura aqui dentro.
Acovardam-se diante do governo. E Rodrigo Janot não encontrou até hoje razões para denunciar na Lava Jato um petista ou um membro do Executivo. Só Eduardo Cunha e Fernando Collor se aproveitaram?