Irapuan Costa Junior
Irapuan Costa Junior

O que há de semelhante e de diferente no afundamento dos navios Lusitânia e Athenia

O RMS Lusitânia foi um famoso navio de passageiros inglês, lançado ao mar em 1907. Era, juntamente com seu irmão o RMS Mauretânia, equivalente, na época, em tamanho e luxo, ao Titanic, que surgiria cinco anos depois. O Lusitânia era um enorme navio: deslocava 44 mil toneladas (o Titanic deslocaria 46 mil), e, com o Mauretânia, fora construído para superar os navios alemães de passageiros, seus maiores concorrentes de então.

O Lusitânia teve vida curta: foi afundado, em 7 de maio de 1915, por um submarino alemão, o U-20, próximo a Liverpool, na costa inglesa. O navio havia saído de Nova York para a Inglaterra no dia 1º de maio, em meio a rumores de que poderia ser afundado pelos alemães. Havia, aliás, mais que rumores, e os fatos, até hoje, não estão bem esclarecidos. A Primeira Guerra Mundial havia estourado em agosto de 1914, isto é, poucos meses antes de Lusitânia partir de Nova York para Liverpool, com seus 2 mil passageiros, muitos deles norte-americanos.

Como os EUA mantinham-se neutros na guerra, embora a neutralidade fosse forçada — os americanos não escondiam sua torcida pelos ingleses contra os alemães e sinalizavam que poderiam entrar no conflito — duvidava-se que os alemães pudessem torpedear um navio de passageiros, matar americanos e dar aos EUA o pretexto para rompimento da neutralidade. Mas o governo do Kaiser já tinha informações de que navios de passageiros ingleses transportavam material de guerra dissimulado dos EUA para a Inglaterra e ameaçavam afundar esses navios.

Um aviso fora mesmo lançado nos jornais americanos pelo governo alemão para que passageiros evitassem o trajeto que faria o Lusitânia, pois ele cruzava a zona dos combates no mar, e poderia ser afundado. Atingido por dois torpedos, o Lusitânia teve morte fulminante: Em 18 minutos foi a pique, antes que os seus 22 botes salva-vidas pudessem ser baixados. Apenas um terço deles pôde ser utilizado, e cerca de 1.200 passageiros morreram, entre eles mais de uma centena de americanos.

Dizem as intrigas, e mais que elas reportagens, documentos e constatações que o Lusitânia levava material de guerra; que o presidente americano Woodrow Wilson sabia do perigo que o navio corria, mas julgava um afundamento como o do Lusitânia decisivo para a opinião pública forçar a entrada dos EUA na guerra, e por isso não procurou suspender a viagem ou proteger o navio; que o almirantado britânico sabia da presença do U-20 na rota do navio, que deliberadamente evitou protegê-lo pelo cruzador Juno, que também se encontrava na área e deixou de enviar contratorpedeiros para escoltá-lo; e que o almirantado britânico, como o presidente Wilson, julgava que um afundamento que matasse americanos acabaria forçando a entrada dos EUA na guerra.

Poucas luzes se fizeram sobre o mistério, mas sabe-se fora de dúvida que o Lusitânia transportava milhões de cartuchos para fuzis e metralhadoras de fábrica americana Remington para os ingleses. A descoberta se deu quando o empresário americano Greeg Bemis, na década de 1990, explorando os destroços do Lusitânia, que havia adquirido, encontrou a carga. E sem dúvida, com a retumbante notícia do ataque e afundamento na imprensa americana, a opinião pública se manifestou pela entrada dos EUA na guerra, o que acabou acontecendo menos de dois anos depois.

Segunda Guerra

O Athenia, que naquele dia 3 de setembro de 1939 navegava próximo à costa da Irlanda, não era um navio do porte do Lusitânia, nem em luxo nem em tamanho. Fazia ainda o percurso inverso deste, quando fora afundado duas dúzias de anos antes. Mas algumas semelhanças haviam de juntar suas duas histórias de naufrágio. O Athenia, que deslocava 13.500 toneladas, 30% apenas do que deslocava seu colega de infortúnio, levava cerca da metade dos passageiros do Lusitânia, 1.100 embarcados, a maioria dos quais constituída de americanos e canadenses, que haviam veraneado na Europa e voltavam para casa.

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) havia estourado não a poucos meses, mas a poucas horas. Doze horas desde a declaração britânica de guerra à Ale­manha, para maior precisão. Foi quando um submarino alemão, o U-30, disparou quatro torpedos contra o barco, acertando um deles. Foi o bastante para afundá-lo, embora não tão rápido como havia ocorrido com o Lusitânia no início da Primeira Guerra.

Se o Lusitânia mergulhou em 18 minutos apenas, e o socorro aos náufragos foi descoordenado e demorado, o Athenia demoraria 12 horas para ir a pique, o que permitiu o salvamento da maioria dos passageiros e tripulantes, por um socorro pronto e bastante organizado. Mesmo assim, 112 pessoas morreram no ataque, o que deixou americanos e canadenses chocados. Afinal, tratava-se de um navio de passageiros, desarmado. Nenhum aviso prévio havia sido enviado e existia, na marinha alemã, pelo menos até então, a proibição de ataque a navios de linha.

O comandante do submarino, o capitão Lemp, não demorou a descobrir que cometera um erro, no seu afã de mostrar serviço na guerra que começava, quando pensava ter no seu periscópio um navio de carga e não de passageiros. Fez os devidos registros no seu livro de bordo, regressou à base e apresentou-se ao almirante Karl Doenitz, chefe da marinha alemã, para penitenciar-se. Mas o chanceler alemão Bismarck tinha um aforismo famoso, “nunca se mente tanto quanto antes das eleições, durante as guerras e depois das caçadas”, e a segunda parte do aforismo seria comprovada naquele episódio do início da guerra (tanto quanto nós brasileiros comprovamos a primeira parte nas últimas eleições).

Informado o governo nazista do acontecido, o ministro da Propa­gan­da, Joseph Goebbels, proibiu Do­enitz de se desculpar pelo ocorrido, informou à imprensa que o afundamento do navio era uma conspiração de Winston Churchill para trazer os EUA à guerra, e que o acontecido era resultado de uma bomba-relógio colocada no porão do Athenia pelo almirantado britânico. E que jamais um submarino alemão havia estado por perto do Athenia.

O capitão Lemp teve que trocar as páginas de seu diário de bordo, e Doenitz teve que manter o caso secreto. Lemp, infelizmente, morreu durante a guerra, e não pôde prestar depoimento ao fim dela, esclarecendo o afundamento. Que, de qualquer forma, o incidente não teve, na opinião pública americana, a retumbância que teve o afundamento do Lusitânia, na Primeira Guerra. Os EUA entrariam mais tarde na luta, por outros motivos.

 

Militares saíram ricos do governo? E os petistas?

Pergunta maldosa (e de difícil resposta): o que é mais improvável encontrar: um militar que tenha saído rico do governo ou um petista que tenha saído pobre?

Desarmamento

Pensata: defender o desarmamento é afirmar que todas as febres do mundo serão curadas se destruirmos os termômetros.

Uma resposta para “O que há de semelhante e de diferente no afundamento dos navios Lusitânia e Athenia”

  1. Avatar Carlos Spindula disse:

    Grande artigo ! Gosto muito dessas histórias de Guerra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.