A “Folha de S. Paulo” contou o calvário de mulheres e parentes de presos políticos do ditador angolano José Eduardo dos Santos, ocupando o poder há 36 anos no país africano.

Confinados em solitárias no interior, esses perseguidos do regime raramente podem receber visitas dos parentes, e vivem em condições precárias de alimentação e saúde (têm apenas 15 minutos de banho de sol por dia). Os familiares perderam os empregos, por perseguição do governo e têm que esmolar para sobreviver. Protestos não são permitidos.

Só para lembrar, Isabel dos Santos, filha do ditador, bilionária, é a mulher mais rica da África, e ganha um quilo de mandioca quem me mostrar origem honesta dessa fortuna. José Eduardo dos Santos é cliente vip do petismo, e recebe gordos recursos do BNDES para obras em Luanda e no interior do país, construídas a maioria pelas empresas lavajatianas.