Irapuan Costa Junior
Irapuan Costa Junior

Covid-19: onde estão os cientistas? Onde está a OMS?

Se o vírus não prospera no calor africano, por que há tantos infectados na África do Sul quantos os há na Itália? Por que a mortalidade é duas vezes maior no país europeu?

A ciência, atarantada com as novidades do Covid-19, nada sabe do mecanismo de seu contágio e de sua mortalidade. Incapaz de apontar rumos de prevenção e cura, a ciência deixou nas mãos dos políticos, ainda mais perdidos que os cientistas, a tarefa de combater os efeitos da virose pandêmica, e os resultados têm sido desastrosos, não só para a saúde dos infectados, como para a economia de todos. E qual o papel da OMS em tudo isso? Nenhum, na verdade. Nenhum, no único momento de sua existência em que poderia justificá-la. Para que serve a OMS, se nessa pandemia não tem sido de nenhuma serventia? Para nada, é a triste mas inevitável resposta. Certos estão os governos que cessaram sua contribuição para ela. Desperdício.

Foto: Reprodução

Vamos mostrar algumas discrepâncias entre os avanços da pandemia em países de populações equivalentes, ora vizinhos, ora em continentes diversos, e comentá-las, para que os leitores possam fazer também suas indagações. Sem dúvida, existirão falhas nas estatísticas de algumas nações, seja por deficiências governamentais, seja por interesses políticos. Mas mesmo essas falhas não podem esconder a enorme disparidade que a pandemia causou em diferentes países, o que a OMS deveria estar examinando de perto – afinal tem cientistas muito bem pagos para isso – para assim determinar as razões do sucesso de alguns e estendê-lo para todos. Estamos raciocinando com dados da semana que passou, esclareça-se.

Comecemos com um país europeu — a Espanha — e outro africano — o Quênia. Vejamos o quadro abaixo:

País                           População                     Infectados            Mortes por Covid

Espanha                   47 milhões                     1.185.678                    35.878

Quênia                     47 milhões                          55.877                       1.013

Pergunta para a OMS: o que explica a diferença entre os contágios? Por que há vinte vezes mais contagiados na Espanha do que no Quênia? Por que morrem trinta vezes mais por Covid na adiantada Espanha do que no atrasado país africano? Os cientistas da Organização por acaso deixaram Genebra e viajaram à África para pesquisar o fenômeno e tirar dele os benefícios do que descobrissem?  Não que eu saiba. Ficamos no campo das conjecturas: o vírus não se desenvolve no calor africano – especulou-se. Vejamos então o exemplo seguinte:

País                            População                      Infectados          Mortes por Covid

África do Sul            59 milhões                        726.823                     19.411

Itália                          60 milhões                        709.335                     38.826

Pergunta para a OMS: se o vírus não prospera no calor africano, por que há tantos infectados na primaveril África do Sul quantos os há na Itália, em pleno outono? E por que a mortalidade é duas vezes maior no país europeu de primeiro mundo? Alguém pesquisou “in loco”? Estiveram na África do Sul os cientistas da OMS? Não, ao que me consta. Observam de longe o efeito sem indagar da causa.

Façamos mais uma comparação, agora com os três países mais adiantados da Europa, cujas populações são bastante próximas, como equivalente é seu grau de desenvolvimento:

País                            População                      Infectados          Mortes por Covid

Alemanha                 83 milhões                        552.060                    10.541

França                       67 milhões                     1.458.999                    37.057

Reino Unido             66 milhões                     1.038.054                    46.807

Saberia a OMS responder sobre a disparidade de contágio e de mortalidade entre os três países europeus? Já se debruçou sobre isso, e informou ao mundo sobre as razões do relativo sucesso alemão sobre os vizinhos e fez recomendações com base em seus estudos? Ou permanece aninhada em sua confortável sede, na Suíça? Só diretores, a OMS tem 34. Quantos estão viajando pelos países menos afetados e pesquisando as razões do relativo sucesso para leva-las aos países mais afetados? Não acham que deve haver uma explicação para o sucesso de alguns países no combater o vírus? Pensam que é preferência dos deuses por uns e não por outros?

Mais uma comparação, agora do Brasil com a Nigéria, país africano com população quase idêntica à nossa:

País                           População                      Infectados          Mortes por Covid

Brasil                        212 milhões                    5.545,705                   160.074

Nigéria                     206 milhões                         62.964                        1.146

Veja só, leitor: para cada nigeriano infectado ou morto, lamentamos cerca de cem brasileiros com o mesmo infortúnio. Sem que ninguém do ramo pesquise as razões. Que Ciência é essa que só estuda e indaga nos gabinetes e laboratórios e não onde os fenômenos se processam? E sem perdoar a OMS, vamos reconhecer que a culpa se expande: Onde estão nossos cientistas que não fazem essas perguntas e não correm atrás das respostas? E nossa imprensa, nossos colunistas arrogantes, sempre ágeis em culpar o Governo Federal pelos males da pandemia? Por que não exercem seu poder investigativo e ajudam a responder essas indagações?

Vamos um pouco mais adiante: o que acontece no país mais adiantado do mundo? Com quem comparar os EUA neste transe? Com a transcontinental Indonésia, se estamos comparando países de populações equivalentes:

País                           População                      Infectados          Mortes por Covid

Estados Unidos       330 milhões                   9.206.975                    230.995

Indonésia                 267 milhões                      412.784                       13.943

Aqui também nos surpreendemos: os EUA têm renda per capita vinte vezes maior que a Indonésia, mas são vinte vezes mais afetados pelo Covid, seja em contágio, seja em mortes. Não é de espantar? Ninguém pesquisa as causas? Pois há sempre uma causa a explicar cada efeito. E aqui não há que se culpar apenas a OMS. A pujança da ciência americana, com suas três centenas de prêmios Nobel já deveria ter encontrado, se buscasse com determinação, respostas a essas indagações que estamos fazendo. Estará ela tão estupefata como a ciência do resto do mundo? Sem respostas, sigamos em frente, para a maior de todas as perguntas. Façamos uma última comparação, agora entre os dois gigantes populacionais do mundo:

País                      População                      Infectados          Mortes por Covid

Índia                      1.402 milhões                    8.229.313                    122.607

China                     1.361 milhões                         91.397                        4.739

Não há como não nos estarrecermos diante desta comparação. O que ocorre nos dois países mais populosos do mundo para que sejam atingidos de maneira tão brutalmente diversa? A China, a rigor, não sentiu os efeitos do Covid, se cotejada com a Índia. Esta teve quase 100 afetados para cada contaminado na China. Com o agravante de o vírus ter origem chinesa, e ter se liberado quando o mundo estava desavisado de seu poder de destruição, só chegando à Índia muitos dias depois.

As perguntas são inevitáveis, mesmo deixando atrás de nós todas as teorias conspiratórias: Por que o vírus se disseminou tão pouco na China, se foi lá que ele surgiu e colheu de surpresa os serviços médicos chineses? Se ele lá foi contido – e indiscutivelmente o foi – por que meios isso aconteceu? Têm os chineses alguma resistência congênita? Se é assim, podem rapidamente desenvolver uma vacina. Foi com prevenção que se defenderam? Tinham já os chineses uma vacina que se mostrou eficiente contra o Covid e foi extensamente usada? Tinham algo de efetivo no reforçar a imunidade dos chineses, uma hidroxicloroquina de indiscutível e imediato efeito? Ou foi uma medicação de cura, usada nos primeiros sintomas e fulminantemente eficaz? Não existem milagres, como não existem fenômenos sem causa que lhes dê origem. Algo explicará o indiscutível sucesso chinês no limitar os efeitos da pandemia, e as razões desse sucesso já deveriam ter se estendido ao mundo todo, para combater a doença. Deveriam os chineses esclarecer e difundir seus métodos. Aliás, devem isso ao mundo, como originários e disseminadores do vírus, mesmo que sem intenção. E deveriam os cientistas do OMS estar na China, estudando todos os aspectos da pandemia desde os primeiros sinais de alarme, coisa que não fizeram. Deveria a comunidade científica mundial, principalmente a dos países mais adiantados ter a humildade de trabalhar com seus colegas chineses e saber deles o que fizeram para vencer, tão cabalmente como venceram, o vírus que deixaram escapar. Essa a última, a grande, a estarrecedora pergunta, cuja resposta mudaria o estado atual de sofrimento e pânico: por que ninguém faz isso?

Uma resposta para “Covid-19: onde estão os cientistas? Onde está a OMS?”

  1. Jorge W.S. Jacob disse:

    Nao li tudo sobre covid19, mas li bastante o suficiente para considerar este texto indagativo o melhor de todos. A quase totalidade do publicado cai na mesmice , no patidarismo. Poucos colocam os elementos da equação e exige que se vá às causas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.