Jorge Wilson Simeira Jacob
Jorge Wilson Simeira Jacob

Segredos do sucesso da China são produtividade e baixa taxação do cidadão

No caso brasileiro, há um excepcional desempenho agrícola, mas se tem a pior infraestrutura da porteira da fazenda para fora

Quiz: é certo ou errado: as grandes empresas só pensam em vender caro e pagar salários baixos? Sim ou não? Se a sua resposta ao teste for afirmativa, você faz parte de um grupo ultrapassado pela evolução da Economia. Se for negativa, parabéns você está atualizado com as modernas técnicas de comercialização.

China: uma revolução tecnológica em curso | Foto: Reprodução

Antigamente, antes da Revolução Industrial, a produção era artesanal, uma operação caseira. Produzia-se pouco, o que dificultava a diluição dos custos e algum lucro. Consequentemente a oferta de produtos era limitada, os empregos escassos, os preços altos e consequentemente baixos os salários. Não havia a classe média, esta maravilhosa invenção do capitalismo. Eram os camponeses, a aristocracia e uns poucos burgueses. Não havia mercado consumidor em grande escala.

A linha de produção do fordismo viabilizou a produção em série, especializada, mas desde que em altos volumes. Os custos caíram drasticamente, mas não havia poder aquisitivo para adquirir os volumes produzidos. A engenhosidade de Henry Ford equacionou o desafio reduzindo os preços de um carro de 3 mil dólares para 500, com isto visava ganhar no volume e não nas unidades. Deixou de ser uma butique. Fez mais. Anunciou nacionalmente um aumento substancial nos salários para criar poder aquisitivo. Com estas duas tacadas inventou um novo modelo de negócios.

Produção na China | Foto: Reprodução

O exemplo de Ford revolucionou não só a organização da produção, mas a prática empresarial de ganhar no volume. A economia nunca mais foi igual, mas ainda persistem em muitas cabeças a ideia errônea de que o melhor negócio são os preços altos e os salários aviltados.

Evidentemente há limites. Há um piso para aumento dos salários — são os custos; e outro para os preços — são os concorrentes. Portanto, se não se pratica preços mais baixos e salários mais altos não é por falta de querer, mas de poder. Um desafio ao aumento da produtividade tão genialmente enfrentado por Ford.

Porém, a história da evolução econômica não parou com o amadurecimento da Revolução Industrial. A produtividade está dando um outro salto com a Revolução Tecnológica em curso. Uma nova era está começando. Uma revolução econômica na qual está despontando a China como o futuro grande líder. Se antes eram as empresas que otimizam os resultados em grandes volumes, agora é a China que se estrutura ganhando pouco de cada empresa, cada consumidor, para ganhar no volume. Usa e abusa de um mercado interno de 1,5 bilhão de habitantes e externo de outros bilhões, todos ávidos por produtos de consumo à preços baixos. Alcançando escalas de produção fantásticas para coexistência de muitos competidores.

Com as menores taxas de impostos do mundo (20% do PIB); com uma mão de obra disciplinada e laboriosa, a China coloca-se como se fosse uma empresa, uma aventura empresarial, em nível de nação, para competir de igual para igual com os líderes mundiais. Outras nações deixam que o desafio de enfrentar o mundo seja só das suas empresas e não um projeto nacional. Como o caso brasileiro, que exibe um excepcional desempenho agrícola, mas tem a pior infraestrutura da porteira da fazenda para fora. Um agricultor que não tem no governo um aliado, mas um obstáculo. É um herói solitário.

Ao dizer “não” ao Quiz inicial, a China está em linha com o que há demais moderno na Economia. Revolucionando a produtividade, taxando pouco o cidadão, e com isto tirando da miséria milhões de chineses ao criar mais empregos. Com a menor disponibilidade de mão de obra, valorizou os salários, que já superam os dos países vizinhos. O governo chinês descobriu que é melhor ganhar pouco de muitos do que muito de poucos.

Uma resposta para “Segredos do sucesso da China são produtividade e baixa taxação do cidadão”

  1. Avatar Flavio Menezes disse:

    Direto ao ponto.
    A correta leitura da História é o mapa para a descoberta da razão de ser do sucesso.
    Mais um artigo correto, porque lastreado na lógica do conhecimento!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.