Vilmar Rocha diz que prefere ser peixe a pato. Traduzindo: vai disputar eleição majoritária em 2018

O deputado federal Vilmar Rocha diz que o pato “nada, voa e anda; é até versátil, mas não faz nada muito bem”.

O presidente regional do PSD frisa que, ao contrário, o peixe faz apenas “nadar”. “Mas o faz muito bem.”

O que Vilmar Rocha está sugerindo é que prefere ser peixe a pato. Traduzindo: em 2014, disseram-lhe para ser candidato a vice-governador, mas ele preferiu disputar o Senado, por entender que tinha e tem mais a ver com seu perfil político. Está amadurecido politicamente e, mesmo, em termos de idade.

“Não quero mais disputar mandato proporcional. Em 2018, devo disputar outra eleição majoritária, que tanto pode ser para governador quanto para senador. Vai depender da posição do partido e do quadro de alianças da nossa base política”, afirma. “Para deputado federal, não disputo.”

Perguntaram-lhe, durante o almoço que ofereceu à imprensa na Churrascaria Lancaster Grill, na segunda-feira, 1º: “Vai disputar a Prefeitura de Goiânia?”

“Não. Está fora do meu radar político”, sublinhou, e rapidamente. “O PSD tem dois nomes importantes; técnica e politicamente de alta qualidade: o deputado estadual Francisco Júnior e o vereador Virmondes Cruvinel Filho”. Depois, apontando para o deputado federal Thiago Peixoto, realçou: “Ah, e temos outro grande nome, tanto para a Prefeitura de Goiânia quanto para o governo de Goiás. É o Thiago”.

Thiago riu e, convocado a falar, brincou: “Vou fazer uma pergunta importantíssima: ‘Quando será servido o almoço?’” Todos riram, sobretudo Vilmar Rocha, e os garçons da Lancaster Grill começaram a servir o churrasco… Um garçom, indicando que estava de ouvindo apurado, perguntou para Vilmar Rocha: “Peixe ou pato?” Vilmar Rocha, sorrindo, contrapôs: “Picanha e uma saladinha”. O jornalista Helverton Baiano, que estava ao lado, preferiu peixe (sardinha).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.